Mercado de luxo em ascensão em Curitiba

A fama de um aspecto europeu, o clima, os habitantes exigentes e uma renda per capita acima da média nacional, faz de Curitiba um novo alvo para os investidores do mercado de luxo. Há alguns anos, era preciso viajar para fora do país para poder encontrar produtos de grifes como Dolce & Gabbana, Gucci, Prada ou outro item de alto padrão. Até pouco tempo atrás, apenas na cidade de São Paulo era possível encontrar tais mercadorias em solo tupiniquim. Porém, com as recentes descobertas do mercado em potencial existente em Curitiba, a história passa a tomar um novo rumo.

Com a iniciativa de alguns empresários, pode-se perceber que os curitibanos estão realmente interessados em consumir artigos distintos e dispostos a pagar muito caro até mesmo por um jeans. A loja multimarcas internacionais de Fernando Capoani, a Capoani, é uma das únicas do gênero no cenário local. Outro investidor de olho nesse mercado em crescimento é o presidente do grupo MaxMara, Luca Donnini. Segundo Donnini: “potencialmente o mercado brasileiro é extraordinário. As brasileiras são um tipo de cliente muito especial”. Atualmente a MaxMara possui apenas três lojas no Brasil, e a única fora de São Paulo está em Curitiba.

O ponto forte desse mercado é a exclusividade. O cliente que procura um produto sem se importar primeiramente com o seu valor, está em busca na verdade de artigos de bom gosto e exclusivos. A atenção voltada para esse público singular é muito grande. Tanto que a loja Fórum Tufi Duek recebe mensalmente informações de datas de eventos para que quando suas clientes forem comprar seus trajes, elas não corram o risco de se deparar com outra pessoa exibindo o mesmo modelo. E como Curitiba ainda não possui uma avenida destinada às lojas desse padrão, assim como a Oscar Freire, em São Paulo, as lojas são dispostas por vias nobres, quando não se encontram no Shopping Crystal, o centro comercial mais voltado a esses clientes da cidade.

E um ponto bastante interessando encontrado, é que muitos dos clientes de lojas de alto luxo são os gays. Fugindo um pouco do Paraná, de acordo com uma matéria publicada em julho de 2007, pelo jornal Folha de S. Paulo, nas semanas que antecedem a Parada do Orgulho Gay na cidade, os hotéis mais caros ficam lotados e calças da marca Diesel, que custam cerca de 1 mil reais, se esgotam em algumas numerações. E como diria o médico Fernando Lee: "Gays consomem produtos elaborados e, se são caros, é porque a inteligência custa caro. Gostamos do que todos gostam. Qualquer pessoa que tenha condição para gastar gastaria como os gays. Bom gosto não é monopólio nosso”.

Contudo, o segmento já foi descoberto e o único empecilho passível de atrapalhar a imediata expansão desse mercado por aqui é o fato de ele exigir um investimento muito alto. No entanto, isso não é mais forte do que a sede dos curitibanos em consumir esses produtos, como comprovam os preços praticados em alguns produtos. Uma camiseta de malha da marca italiana Prada, por exemplo, pode chegar a custa mil reais; e vende.




Comentários

Realmente Curitiba hoje está muito mais abastecida de marcas que antigamente só encontraríamos em sampa. Mas ainda continuo não aderindo ao consumismo de pagar mil reais por uma camiseta Prada. Conheço marcas com tecidos e variedades muito melhores do que a Prada e exclusivos custando muito menos. É isso...acho que você Fer conseguiu dar um panorama de como está o ramo de lojas de marcas famosas em Curitiba.

Conteúdo relacionado