Curitiba ganha Grupo de Pais Homossexuais

As dificuldades de pais e mães homossexuais ganham espaço para discussão em Curitiba, dentro do Grupo Dignidade. Angelita Lima (foto), lésbica, 38 anos, mãe de um menino de 9 anos de idade, é quem organiza a idéia de se criar um local para se discutir as dificuldades na educação dos filhos, melhor abordagem e como contar que os pais são homossexuais. O grupo tem ainda a participação de Marise Felix, do GPH, Grupo de Pais de Homossexuais, que deve ampliar a discussão para os pais de filhos homossexuais. Oficinas e palestras quinzenais estão previstas como forma de quebrar o gelo e facilitar a troca de experiências.

Angelita conta que em 2005, quando foi participar da Parada da Diversidade, resolveu contar ao filho de sua orientação sexual, pois não tinha com quem deixá-lo. O garoto, então com 6 anos de idade, ficou sabendo pela sua mãe que ela gostava de mulheres e reagiu tão bem ao ponto de falar na semana seguinte no colégio que “ele não era mas sua mãe era gay” quando um dos coleguinhas o chamou de gay pelo fato de ele ter ido na Parada Gay. A auxiliar administrativa diz que hoje o filho até fala que não tem padrasto mas tem duas mães, se referindo à sua companheira, com quem vive. O pai do menino também sabe da orientação sexual de sua ex-esposa e embora demonstre preocupação com o filho, apóia educação sem preconceitos que a criança recebe, segundo Angelita.

A primeira reunião do grupo está marcada para o dia 12 de setembro, às 19h, na sede do Grupo Dignidade em Curitiba. Neste primeiro encontro, que depois será realizado quinzenalmente em outro dia da semana, será apresentada a idéia do grupo e serão registradas as dúvidas e situações mais comuns, a fim de realizar troca de experiências.

Segundo Angelita, é preciso responder às perguntas dos filhos, e fazê-los compreender que a família é diferente, principalmente pelo preconceito que será preciso encarar. Um dos temas que deve ser debatido será a cobrança interna exagerada de pais homossexuais que buscam provar que são capazes de educar seus filhos: “eu faço de tudo para ser melhor que as outra mães”, cita Angelita.

As reuniões são gratuitas e direcionadas aos pais. Convide os seus pais ou seu companheiro(a), mesmo que você ainda não tenha filhos, pois informação nunca é demais. Mais detalhes pelos fones: 41 3222-3999 (Grupo Dignidade) / 9925-2951 (Angelita)


Grupo Dignidade: Av. Marechal Floriano Peixoto, nº366, sala 46 – em frente à Praça Carlos Gomes)

Categoria: 




Comentários

OLA SOU GAY CASADO COM MEU COMPANHEIRO HA 17 ANOS CONTRUIMOS UMA VIDA JUNTOS NOS AMAMOS MUITO MAS NAO CONSEGUIMOS TER FILHOS. QUERO TER UM FILHO MAS NAO CONSIGO UMA MULHER PARA TER MEU FILHO. JA TENTAMOS ADOTAR MAIS ATE HJ N CHAMARAM E PASSAMOS POR MUITAS ETAPAS VC PODE NOS AJUDAR. TALVEZ CONHEÇA ALGUEM SOLTEIRA, UM CASAL DE LESBICAS, SO QUEREMOS TER NOSSO FILHO .... E SERMOS MAIS COMPLETOS. POR FAVOR LEVE A SERIO MEU DESABAFO ....

Angelita! Gostaria de saber seu email, irei fazer um trabalho sobre o tema e seria interessante trocar umas idéias com você. Abraço

OLA SOU GAY CASADO COM MEU COMPANHEIRO HA 17 ANOS CONTRUIMOS UMA VIDA JUNTOS NOS AMAMOS MUITO MAS NAO CONSEGUIMOS TER FILHOS. QUERO TER UM FILHO MAS NAO CONSIGO UMA MULHER PARA TER MEU FILHO. JA TENTAMOS ADOTAR MAIS ATE HJ N CHAMARAM E PASSAMOS POR MUITAS ETAPAS VC PODE NOS AJUDAR. TALVEZ CONHEÇA ALGUEM SOLTEIRA, UM CASAL DE LESBICAS, SO QUEREMOS TER NOSSO FILHO .... E SERMOS MAIS COMPLETOS. POR FAVOR LEVE A SERIO MEU DESABAFO ....

Angelita! Gostaria de saber seu email, irei fazer um trabalho sobre o tema e seria interessante trocar umas idéias com você. Abraço

Comentar

Conteúdo relacionado