Tudo sobre o IV Paraná Business Collection em Curitiba

A quarta edição do Paraná Business Collection está rolando na sede da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), em Curitiba, até sexta e traz desfiles de 13 marcas paranaenses e expõe 48 grifes locais em um salão de negócios. O evento reúne o pessoal que gosta de moda e os que fazem a moda no Paraná que é o segundo setor que mais emprega pessoas na região. A estimativa é que o showroom negocie mais de R$5 milhões e supere a marca do evento anterior. A iniciativa é do Sebrae/PR e do Sistema FIEP.


Dia 5

O quinto e último dia do evento foi um dos mais cheios, com a expectativa do desfile do estilista Silmar Alves e da entrega do Prêmio João Turin de novos talentos. A presença de autoridades e da primeira dama do Estado, Maristela Requião, além da poetisa Alice Ruiz, viúva do escritor Paulo Leminski marcaram a noite.

Silmar Alves
Peças exclusivas, artesanais, inspiradoras, essa foi a proposta do estilista Silmar Alves que fechou com chave de ouro o IV PBC. Casacos de lã, levados à passarela em trabalhos artesanais em cor natural, carregados de alfaiataria, foram a proposta de Alves que se inspirou na lenda da Cidade de Pedras, nos Campos Gerais paranaenses. Diz a lenda que os homens não podiam se apaixonar e que o guerreiro se encanta por uma linda mulher e toda a tribo é castigada com um terremoto que transformou a cidade em pedras. Corpetes, saias leves, vestidos cheios de movimentos, peças bordadas manualmente, o brilho do dourado, são as apostas do rico e rigoroso inverno do estilista que por muito tempo deu aulas em seu ateliê, quando Curitiba não tinha cursos de estilismo.


Prêmio João Turin

O jovem Acácio Mendes Pereira Neto, de 20 anos, foi o vencedor da sétima edição do Prêmio João Turin de Incentivos aos Novos Designers de Moda. O estudante da Universidade Estadual de Maringá levou a melhor no desafio A Linha que Nunca Termina, que deveria expressar em duas peças o mundo do escritor paranaense Paulo Leminski . O segundo lugar ficou com a estudante da TECPUC, Carolina Toppan Rabello, e, o terceiro com Rubia Dallarmi Nisgoski, do Senai/PR. O ganhador leva uma viagem para Milão e Paris, integrando a Missão Empresarial organizada pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná – FIEP, através do Centro Internacional de Negócios – CIN. 


Dia 4
Os bofes do desfile da Raffer foram o must do dia. Os modelos mais lindos da cidade desfilaram para a maior marca de alfaiataria do estado em um desfile elegante e cosmopolita. Outro bafo foi uma jornalista que gritou indignada na sala de imprensa afirmando que ela e a primeira dama do estado teriam sido barradas no lounge do Sebrae, no segundo dia do evento, pelo segurança. Na passarela, coleções belíssimas com pretensão de vanguarda e apresentações muito bem produzidas.

Joyful
Elegância e sofisticação no show da curitibana Joyful, estreante no PBC. Vestidos, saias, knits e blusões em fibras naturais, algodão orgânico, linho, diversas peças tingidas com corantes naturais, adereços em pele de peixe que lembram madrepérolas. Moda sustentável é a proposta da marca que trouxe ainda vestidos e saias em seda pura. A presença da atriz Adriana Birolli.

Chita Brasil
Inspiradas em vitrais, a coleção trouxe uma gama de cores com predominância do chocolate, caqui, vermelho e oliva. Em formatos geométricos ou orgânicos, com a cintura marcada, se destacaram as estampas exclusivas e a estrutura das peças. Gola naval, cinto em vestidos, xadrez e broches de flores marcaram a coleção. Em tecidos de algodão e ar romântico, as roupas servem para aquela mulher moderna que não abre mão do conforto e do seu estilo.

Raffer
O clássico é mais uma vez revisto pela marca paranaense Raffer. Coletes, costumes, camisaria apresentados em alfaiataria impecável.  Jaquetas, sobretudos em lã ou veludo, o homem da Raffer é clássico e brinca com o retrô. O show deu um ar moderno à coleção que foi bem encenada, com os modelos partindo de uma loja e passeando pelas ruas na passarela, e regressando no final com guarda-chuvas. Destaque para a mala com rodas apresentada, totalmente chique, as luvas em xadrez e as peças em veludo.


Dia 3
A participação do balé masculino da Cia. Jair  Moraes no desfile da Picnicdelefante e a presença do modelo Caco Ricci foram os grandes momentos da noite que teve mais uma vez uma divisão clara de shows comerciais e conceituais. A linha country chic da Basic foi uma surpresa a parte. Teve tombo na passarela e móvel que quebrou na sala VIP no meio das entrevistas com estilistas.

All Purpose
A jeans wear da marca masculina All Purpose trouxe laser, malhas estruturadas, sarja, dupla face e texturas para as passarelas do PBC. Listras, xadrez e muitos capuzes marcaram presença. Malhas finas ladeadas pelo tradicional moletom, peça indispensável no louco clima curitibano. Mesclados ou lisos, os tecidos vem com look vintage. O preto e o branco são fundos para estampas coloridas e exclusivas da coleção que traz ainda o jeans stonado como peça coringa. O show da marca fechou o terceiro dia do evento, com o tema 2012: Gênesis ou Apocalipse?

Basic
O segundo desfile da noite foi da marca londrinense Basic, estreante no Paraná Business Collection. Inspirada em um conto de faroeste e voltada ao público jovem, bordados, remendos e aplicações são destaque na coleção que tem também inspiração livre no bairro La Boca, de Buenos Aires. Uma moda que segue a onda do sertanejo universitário, com peças estruturadas com menção clara a moda norte-americana mas com releitura própria. Botas, jeans, sarja e recortes com sobreposição de tons, jeans cinza, jeans em diversos tons de azul, tendo apliques em verde piscina e o anil (La Boca) como vibrações em contraste aos marrons, pretos e vermelhos presentes na coleção.

Picnicdelefante
Meu mundo cor de rosa, aborda o mundo de uma bailarina que expressa toda a sua forma de ver o mundo por meio da dança. Looks retrô, movimento e um ar de romantismo tomaram conta da passarela que recebeu a participação de uma companhia de balé masculino para a abertura do desfile. Cinza, vinho, salmão e rosa foram as cores em destaque nas peças que abusaram da lã e das malhas. Para eles a calça leg e para elas o tule foram referências ao mundo do balé apresentados na coleção desfilada com modelos usando sapatilhas.


Dia 2
Ventiladores espalhados pelo local do evento e a chuva que refrescou a tarde curitibana ajudaram a reduzir o calor. O segundo dia do PBC foi de menos frisson e mais negócios, o showroom de negócios está fantástico e começa a esquentar. O desfile do estilista Fabio Bartz parou tudo e o astral seguiu para os desfiles seguintes, a expectativa era pelo desfile da estreante Sinistra.

Fabio Bartz
O jovem curitibano surpreendeu mais uma vez com um show criativo, com camas do Exército na passarela para dar vida ao tema “Sandman”, que inspirou a sua coleção. Com visual sóbrio e tecidos pesados, o estilista fez referências ao desenho em quadrinhos e trouxe couro, zíper, jeans, malha e ainda veludo e lã. Destaque para as peças resinadas, coats, coletes, capas de chuva transparentes e uma calça masculina para lá de ousada, com as laterais abertas e sustentadas por feixos jeans. Na mise en scène da passarela, peças com apliques de plumas, placas reproduzindo balões com frases como se os modelos falassem aos presentes. Foi perfeito.

Lucia Figueiredo
O inverno 2010 da marca Lucia Figueredo aposta pesado nos anos 80, com looks glamorosos, ombros estruturados, cores vibrantes e tecido lurex. A outra tendência apontada pela marca é o glamour dos anos 40, com referência nas deusas gregas. Longos, peças estruturadas, pele, seda, tem de tudo na coleção que abusou das cores, com destaque ao dourado, preto, pink e roxo, além de estampa de animais. Feminilidade e autoestima para as mulheres é a proposta da marca que aposta na mulher poderosa.

Sinistra
Com uma linha comercial e alegre, a marca paranaense estreante nas passarelas do PBC propôs o tema "Escolha ter sorte" e mostrou uma moda para meninas. Xadrez, malha e um pouco de alfaiataria foram a proposta da marca. Muitas sobreposições, coletes e shortinhos foram apresentados no desfile que teve a paleta de cores mais ampla até agora, apostando nas nuances entre o vermelho e o roxo junto com o preto, nude e tons terra.


Dia 1
Na noite de abertura quem roubou a cena foi a princesa Paola de Orleans e Bragança - apresentadora da Fashion TV e garota propaganda da campanha atual da revista Caras - que veio a Curitiba prestigiar o show de Jefferson Kulig que abriu o evento. A primeira dama de Curitiba, Fernanda Richa, também veio para a primeira fila do estilista curitibano graduado no Studio Berçot de Paris que é expoente da moda feita no Paraná.

O calor era grande em todo o evento, menos no stand do Sebrae. O novo layout do evento agradou, bem como a iluminação nova da passarela. No primeiro dia imperou a coluna social e o frisson da abertura do evento.

Lafort
Muito brilho, rendas e junção de texturas no desfile da marca feminina Lafort que trouxe zípers, recortes, ombros estruturados e ombreiras em um show com forte referência aos anos 80. Tricô, couro e pele marcaram presença no desfile que teve o pink, roxo e preto como cores predominantes, ao lado de muitas transparências. Cristais, lurex e brilhos aplicados sobre jeans skinny, calças legs e botas no joelho fecharam o desfile.

Jefferson Kulig
“Você usa roupa ou design?!” foi a indagação do estilista Jefferson Kulig em seu show de outono-inverno que trouxe a top Fernanda Engmann. Decotes sexys no busto, drapeados, peças cortadas a laser e apliques de paetês gigantes foram os destaques do desfile que trouxe ainda muito dourado, metais e desconstrução, com mangas e ombros inflados. Leve e refrescante, as criações de Kulig inspiram a alma e refletem o conceito do artista que recria o clássico do seu jeito e deixa a sua assinatura.

Fotos dos desfiles: Ricardo Pacak

Categoria: 




Comentários

É ridículo, estando no Brasil, adotar-se um nome em inglês, como "buzínes coléqchion". É a coisa mais cafona que pode haver, muito própria da ostentação e do culto das aparências. É o provinciano querendo posar de norteamericano. Já passou da hora de certos brasileiros perderem esta mania tola. É o mesmo caso de "no label", "flyer" etc. : sem rótulos, folheto etc.

Nossa.. alguem sensato comentando alguma materia deste site..Arthur concordo plenamente, e garanto que muita gente também, principalmente a maioria não militante, entre outras coisas mais como em pleno 2010 acharem uma calça que deixa partes a mostra ainda choca de um modo legal e não vulgar..

É ridículo, estando no Brasil, adotar-se um nome em inglês, como "buzínes coléqchion". É a coisa mais cafona que pode haver, muito própria da ostentação e do culto das aparências. É o provinciano querendo posar de norteamericano. Já passou da hora de certos brasileiros perderem esta mania tola. É o mesmo caso de "no label", "flyer" etc. : sem rótulos, folheto etc.

Nossa.. alguem sensato comentando alguma materia deste site..Arthur concordo plenamente, e garanto que muita gente também, principalmente a maioria não militante, entre outras coisas mais como em pleno 2010 acharem uma calça que deixa partes a mostra ainda choca de um modo legal e não vulgar..

Comentar

Conteúdo relacionado