XVII Casa Cor Paraná traz quarto para filho gay

Inaugurou nesta sexta-feira para o público a edição 2010 da Casa Cor Paraná, franquia paranaense da mais tradicional exposição de arquitetura e design do Brasil, que este ano está em sua 17ª edição no estado. O local escolhido este ano, que tradicionalmente é reformado e devolvido para a entidade que cedeu o espaço, é a Casa de Retiros Mossunguê, em Curitiba. Entre os 67 ambientes apresentados, um chama a atenção, é o quarto do moço, que este ano ganhou uma versão gay.

Na casa principal do evento, onde são apresentados todos os ambientes de uma casa para uma família, além do quarto do rapaz, surpreende o fato dos “pais” dormirem em quartos separados. A família moderna tem também um lindo salão de eventos, em clima de espaço gourmet. Vale a pena visitar o evento que este ano traz o conceito “morar verde”.

O quarto do moço foi idealizado pela dupla de arquitetos Daniel Casagrande e Luiz Maganhoto. Segundo Casagrande, o escritório deles tem muitos clientes gays e esta foi uma forma de tratar de um nicho que é pouco explorado. E o quarto é caprichado nos detalhes. Uma grande foto de um corpo com um tribal, cabeças de veados brancas ao lado da TV de LCD que passa o DVD de Whitney Houston, cristais nos rodapés e sobre a cama, uma máscara veneziana e até uma escrivaninha em formato fálico já dizem tudo. Para quem não entender, basta dar uma olhada nos livros e objetos de arte do quarto, muitos deles retirados da casa dos arquitetos. Se ainda não caiu a ficha, tem vários exemplares da revista Veja com o título “Ser Jovem e Gay”, espalhados pelo quarto.

“Ele tem 23 anos, um cara que viaja muito, curte coisas boas, design, é apreciador do corpo, dos esportes, é da geração saúde”, resume Casagrande o personagem que os inspirou e que, segundo ele, ajuda a combater preconceitos, já que sempre mostram o homossexual de forma estereotipada. Os espelhos ajudam a ampliar o ambiente e também a reforçar o lado narcisista do rapaz. As diversas estampas de animais remetem ao lado "animal", ou instintivo do rapaz que habita o quarto. A iluminação é toda pontual, cênica, com feixes cruzando o ambiente, como se fosse um palco. O tapete feito sob medida divide os ambientes (closet, escritório e cama) com suas diferentes padronagens.

O teto é de gesso rebaixado em forma de tribal. A cadeira da escrivaninha remete a asas, assim como a foto do dono do quarto com asas de anjo que está na estante, explicou Maganhoto, que disse ser uma referência aos anjos, que não tem sexo. Na estante, há muitos livros de arte e peças de design, como o moderno cuco italiano, todo colorido e de plástico. Você poderá notar a palavra LOVE em uma réplica da escultura existente em Nova York, ladeada por pares de itens iguais, simbolizando o amor entre iguais, explicou novamente Maganhoto. No armário, todo de acrílico por dentro, uma gaveta com divisória para guardar jóias e bijoux deixa a todos impressionados e as portas tem ainda sistema de amortecimento para não baterem e não prenderem o dedo.

A cama e a escrivaninha foram desenvolvidas exclusivamente a partir de desenhos dos arquitetos. Há também duas peças de aço que quebram com o vidro da mesa a predominância das cores preto e branca. Casagrande explicou que chegou a sugerir que o quarto entrasse no anuário do evento com menção a sexualidade do dono do quarto, com o nome “quarto do rapaz gay” mas que o evento não costuma mudar a nomenclatura dos ambientes, sendo padrão em todas as cidades, por isso ficou “quarto do moço” mesmo. Tanto faz, o cômodo está um arraso e só não vê quem não quer. Mas, se eu fosse você, ia lá conferir de perto...

Fotos: Gerson Lima

Casa Cor Paraná 2010
Quando: até 29 de Junho - Ter. a Sab., das 13h às 21h; Dom. e Feriados, das 11h às 19h
Special Sale: 28 e 29 de Junho
Onde: Casa de Retiros Mossunguê - Ecoville  - Rua Francisco Juglair, 171 - Curitiba - PR  (Ao chegar em frente ao Park Shopping Barigui há placas indicando a direção, e do shopping parte uma van até o local)
Quanto: R$ 26,00 inteira, R$ 20 (Clientes Cartão Balaroti, Gazeta do Povo e TVA) e R$13 meia entrada (idosos, estudantes até ensino médio)

Categoria: 




Comentários

Também concordo com o Paulo Edú, fui visitar em São Paulo um prédio inteiro construído para o público gay. O prédio levava em conta a praticidade e o fato dos gays receberem amigos e terem mais espaços. Acho que este negócio de plumas e objetos decorados com oncinhas está totalmente fora de moda.

gente que quarto horroroso, quem vai querer dormir nun treco desses? :"Uma grande foto de um corpo com um tribal, cabeças de veados brancas ao lado da TV de LCD que passa o DVD de Whitney Houston, cristais nos rodapés e sobre a cama, uma máscara veneziana e até uma escrivaninha em formato fálico já dizem tudo. Para quem não entender, basta dar uma olhada nos livros e objetos de arte do quarto, muitos deles retirados da casa dos arquitetos. Se ainda não caiu a ficha, tem vários exemplares da revista Veja com o título “Ser Jovem e Gay”, espalhados pelo quarto." Se isso não esteriotipado oque é então?

Nunca vi em mostras e eventos o "dormitório do filho hetero"... Acho válido a exposição e a abertura de espaço na midia e no público de poder aquisitivo maior, o qual visita a CasaCor. Contudo não acredito que tenha sido a melhor representação dos gays: tigrados, zebrados, homens nús... meu quarto não é assim e tampouco dos outros gays que eu conheço.

Desculpa... mas esse filho pode até dizer que tem 23 anos e que curte cuidar do corpo e tudo mais... mas o que eu mais vejo morando neste quarto é um filho de 30 e pokos anos... que ainda não pode/quer morar sozinho, porém tem recursos para emperiquetar seu quarto.... Combater estereótipo? *plumas *quadro com homem nu *Formato fálico (espero que no quarto do irmão hetero tenha uma escrivaninha em forma de pixirica!!) *Prints animais... soo oveerrr!!! Cada um é cada um... mas esse quarto tá mais para escritório administrativo de balada, onde o dono ocasionalmente dorme e promove orgias, do que um quarto de um cara gay de 23 anos... No fundo eu acho que os dois arquitetos fizeram o quarto para eles... sem pensar no mercado!

gostei afinal moro so e meu ap eh assim e meus amigos adoraram ... batalhei muito para sair, por mais que meus pais aceitassem minha homossexualidade ...nada contra a esse tipó de decoração eu gostei...

Definitivamente não gostei. Primeiramente o quarto, como disse o colega, parece um escritório adm de baladas. Além disso, é muito poluído, carregaram muito no preto e esteriotipa em demasiado o moço gay. Veados brancos - kkk quase morri... Ser chamado de veado já não é legal... Assim não dá... Esperava um quarto mais clean, leve como a alma gay. E sem falos pendurados ou espalhados. Afinal, os gays não somos máquinas de fazer sexo, nem pensamos nisso a cada instante. É apenas um traço da nossa identidade.

É ACHO QUE SE EU PODESSE DARIA UM DESSE PRA O MEU FILHO GAY MAIS FALTA GRANA PRA TANTO MAIS LHE DOU AMOR E CARINHO UM DIA QUEM SABE É DE MAIS.

AINDA ESPERO POR ESSE QUARTO LINDO PARA O MEU FILHO ELE É MUITO ORGANIZADO UM FILHO MARAVILHOSO NAO MIM DA TRABALHO E MERECE UM PRESENTE DESSES OK MUITO OBRIGADO

Também concordo com o Paulo Edú, fui visitar em São Paulo um prédio inteiro construído para o público gay. O prédio levava em conta a praticidade e o fato dos gays receberem amigos e terem mais espaços. Acho que este negócio de plumas e objetos decorados com oncinhas está totalmente fora de moda.

gente que quarto horroroso, quem vai querer dormir nun treco desses? :"Uma grande foto de um corpo com um tribal, cabeças de veados brancas ao lado da TV de LCD que passa o DVD de Whitney Houston, cristais nos rodapés e sobre a cama, uma máscara veneziana e até uma escrivaninha em formato fálico já dizem tudo. Para quem não entender, basta dar uma olhada nos livros e objetos de arte do quarto, muitos deles retirados da casa dos arquitetos. Se ainda não caiu a ficha, tem vários exemplares da revista Veja com o título “Ser Jovem e Gay”, espalhados pelo quarto." Se isso não esteriotipado oque é então?

Nunca vi em mostras e eventos o "dormitório do filho hetero"... Acho válido a exposição e a abertura de espaço na midia e no público de poder aquisitivo maior, o qual visita a CasaCor. Contudo não acredito que tenha sido a melhor representação dos gays: tigrados, zebrados, homens nús... meu quarto não é assim e tampouco dos outros gays que eu conheço.

Desculpa... mas esse filho pode até dizer que tem 23 anos e que curte cuidar do corpo e tudo mais... mas o que eu mais vejo morando neste quarto é um filho de 30 e pokos anos... que ainda não pode/quer morar sozinho, porém tem recursos para emperiquetar seu quarto.... Combater estereótipo? *plumas *quadro com homem nu *Formato fálico (espero que no quarto do irmão hetero tenha uma escrivaninha em forma de pixirica!!) *Prints animais... soo oveerrr!!! Cada um é cada um... mas esse quarto tá mais para escritório administrativo de balada, onde o dono ocasionalmente dorme e promove orgias, do que um quarto de um cara gay de 23 anos... No fundo eu acho que os dois arquitetos fizeram o quarto para eles... sem pensar no mercado!

gostei afinal moro so e meu ap eh assim e meus amigos adoraram ... batalhei muito para sair, por mais que meus pais aceitassem minha homossexualidade ...nada contra a esse tipó de decoração eu gostei...

Definitivamente não gostei. Primeiramente o quarto, como disse o colega, parece um escritório adm de baladas. Além disso, é muito poluído, carregaram muito no preto e esteriotipa em demasiado o moço gay. Veados brancos - kkk quase morri... Ser chamado de veado já não é legal... Assim não dá... Esperava um quarto mais clean, leve como a alma gay. E sem falos pendurados ou espalhados. Afinal, os gays não somos máquinas de fazer sexo, nem pensamos nisso a cada instante. É apenas um traço da nossa identidade.

É ACHO QUE SE EU PODESSE DARIA UM DESSE PRA O MEU FILHO GAY MAIS FALTA GRANA PRA TANTO MAIS LHE DOU AMOR E CARINHO UM DIA QUEM SABE É DE MAIS.

AINDA ESPERO POR ESSE QUARTO LINDO PARA O MEU FILHO ELE É MUITO ORGANIZADO UM FILHO MARAVILHOSO NAO MIM DA TRABALHO E MERECE UM PRESENTE DESSES OK MUITO OBRIGADO

Comentar

Conteúdo relacionado