Estudante homofóbico de Direito agride gays em manifestação pela Ética e Cidadania em Curitiba

Peço desculpas por escrever esta mensagem em primeira pessoa, fugindo às regras de envio de pauta do jornalismo, mas a escrevo com o coração doído de uma situação de extremo preconceito que aconteceu em Curitiba, a cidade onde moro desde que nasci, agora há pouco, nesta noite de terça feira, dia 08/06/2010, e peço que ajude a divulgar este caso, para que possamos identificar o tal sujeito que fez a violência, para que isto não continue.

Manifestantes pediram na noite de hoje, no centro de Curitiba, a destituição do presidente da Assembléia Legislativa do Paraná, Nelson Justus (DEM), por causa de denúncias envolvendo desvio de dinheiro dos cofres da Casa. A concentração foi promovida pelo movimento "O Paraná que Queremos" e organizada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR).

Fui liberada de minhas aulas da Faculdade de Artes do Paraná, onde curso o segundo ano de bacharelado em interpretação, para participar deste importante movimento político que Curitiba, junto com outras 12 cidades, organizou pela ética e transparência.

Do nada, um dos alunos usando uniforme de agasalho da Faculdade de Direito da UniCuritiba, começa a gritar calorosamente, atacando um grupo de quatro homossexuais que empunhavam durante a manifestação a bandeira rainbow (arco-íria) do movimento LGBT. A bandeira rainbow era somente uma dentre outras tantas de movimentos e partidos que ali estavam lutando por este mundo melhor e mais justo.

Eu estava com minha amiga, perto deste grupo com a bandeira rainbow e comecei a perceber um rapaz exaltado, que aos poucos foi se tornando violento, e sendo segurado pelos seus colegas de curso de Direito. Este grupo de estudantes de Direito estavam formando uma espécie de bateria organizada na manifestação da Boca Maldita. Comecei a perceber que um dos meninos que segurava o standard rainbow, começou a baixar a bandeira que segurava e começou a ficar com expressão de assustado e medo. Foi então que me aproximei e vi a gravidade do fato.

O tal estudante de Direito, fiquei sabendo depois por pessoas que estudam nesta faculdade, é uma espécie de líder do movimento ou centro acadêmico de lá e está nos últimos anos do curso da Faculdade de Direito de Curitiba, estava violentamente ameaçando agredir e tirar a força o grupo de homossexuais. Eu e minha amiga escutamos quando ele falou: “Tirem esta bandeira de viados daqui de trás de nossa manifestação e bateria. Não queremos nossa imagem vinculada a nada de vocês”.

E minutos antes de tudo isto acontecer, estes mesmos estudantes, que chegaram ali na parte da frente do palco, pouco antes da manifestação acabar, por volta das 20:30h, foram tomando conta deste espaço, empunhando seus instrumentos as pessoas à sua volta, dizendo que a bateria queria passar. Sem o mínimo respeito e usando de força e causando “empurra-empurra”.

Eu e minha amiga, vendo o pequeno grupo de quatro homossexuais que tinham faixa etária entre 14 e 20 anos, sendo praticamente achincalhado em praça pública, por este acadêmico de direito. Nos aproximamos, tomamos a frente e começamos a dar força e coragem aos homossexuais que estavam com medo até de serem violentamente agredidos, não deixando que eles saíssem dali daquela maneira e tentando mostrar ao tal estudante de Direito o absurdo de sua atitude de preconceito e homofobia.

O estudante de Direito gritava cada vez mais e tentava partir para a violência física, inclusive sobre eu e minha amiga que nos juntamos ao grupo discriminado. Só não conseguiu porque foi segurado por uma rodinha destes amigos de bateria da mesma faculdade, que o impediram. Mas nada fizeram em defesa da liberdade de manifestação de todos, contra o colega preconceituoso.

No final, o grupo de jovens homossexuais ficou com medo de ir embora, passei meu fone e agradeci pela consciência política deles e por não terem baixado a cabeça e terem vergonha do que eles acreditam. Escrevo com o coração em dor este e-mail, pedindo ajuda ao seu meio de comunicação que me ajude a identificar quem é este estudante, pois somente assim poderemos talvez ensinar um pouco de cidadania e direitos humanos, pois parece que esta matéria não está sendo levada a sério por alguns acadêmicos e futuros “doutores da lei” do nosso país.

Sei que este aluno, e espero não perder as esperanças nisto, é um caso raro e sui generis de preconceito extremo dentro da Faculdade de Direito da UniCuritiba, pois eu mesma, já fui aluna por dois anos da mesma faculdade, quando na mesma só havia o curso de Direito e nos ensinavam a igualdade e respeito ao próximo já no início de nossa vida acadêmica.

Triste episódio acontecido nesta noite do dia 08/06/2010. Peço que se você, que esteve perto do acontecido e sabe quem é este estudante, ou é amigo de bateria do mesmo e não concorda com este fato absurdo e calou-se na hora por “amizade”, que possa estar nos apontando o referido cidadão para que as devidas medidas sejam tomadas ou, no mínimo, um encaminhamento seja feito.

Sem dúvida, o Paraná que queremos, não inclui as atitudes como a deste infeliz estudante.

Obrigada pela ajuda possível e chega de intolerância!!!!

Foto: Guilherme Pupo




Comentários

Eu participei desta manifestação, inclusive liguei para um amigo para que ele pudesse levar sua bandeira arco-íris para a manifestação, afinal de contas havia no local diversas bandeiras sendo representadas. Confesso não ter notado a presença da bandeira GLBT e agora tenho consciência do motivo de tal falta. Espero que esse estudante seja realmente reconhecido como sendo uma pessoa de atitude homofobica e que este triste episódio não cale nossas bocas nem baixe nossas bandeiras.

Eu fui aluno da Unicuritiba em 2004. Fui chamado de homossexual por uma colega, acabei sendo agredido lá dentro, a universidade não fez nada. A UNICURITIBA é ditatorial e homofóbica.

Maitê, Infelimeznte já tivemos muitas conquistas mas nos deparamos com atitudes assim, mas nossa posição firme de luta é que vai impedir que isto perpetue. Parabéns Maitê! Admiro muito seu trabalho e a ajuda que deste ao pessoal, pois muitas pessoas não teriam feito nada.

Alguem tem alguma prova? ou essa é mais uma daquelas denuncias que como sempre a militancia faz apenas da palavra de um contra a de outro?

Olá Saulo.. lamentável seu triste comentário.... é logico que procede e estamos esperando as imagens da camera de segurança da rua XV...uma pena que tem gente que ainda não se percebe da crueldade do mundo... e ainda pensa em paradas somente para comemoração... me pergunto: Do que mesmo? Junior.. seu relato só reforça o que já sabemos.... e se quiser fazer a denúncia, nunca é tarde viu querido? conte comigo.... Cláudio e Daniel... legal a participação de vocês.. JUNTOS somos fortes e será mais difícil de nos exterminarem como desejam...

E então? alguma coisa aconteceu? conseguiram provas? o aluno foi localizado ou penalizado?pelo jeito não né..

Seja qual forem os resultados de cada caso de homofobia, não podemos ficar calados diante desse grande mal.

inadimicivel que alunos inclusive de direito façam apologia a discriminação e preconceito,que tipo de cidadãos nossas faculdades brasleiras estão formando,de inicio que tipo de profissionais,advogados serão estes tais homofobicos.cobramos atitudes ja,urgentes. e lembre-se glbts as eleiçõe estão ai,votemos em quem tem compromisso com nossa causa.

Cara Maite: Voce demonstrou um ATO EXPLICITO DE CIDADANÍA, ao passo que este covarde e arrogante "macho" primitivo, com certeza não se apresentará, pois, os covardes têm como caracteristica peculiar a COVARDIA E A TRUCULÊNCIA. Um forte abraço e continue com suas convicções de uma verdadeira cidadã.

Comentar

Conteúdo relacionado