Futebol está mais tolerante à homossexualidade

O futebol culturalmente sempre foi um esporte voltado aos homens, e estes, em sua grande maioria, heterossexuais. Durante mais de um século, quase nunca se ouvir falar de gays no futebol ou relacionar a homossexualidade com o esporte. Um dos primeiros casos que tomou repercussão internacional foi o do jogador britânico Justin Fashanu que assumiu sua orientação sexual em 1990 e cometeu suicídio em 1998.

Mas de acordo com uma pesquisa realizada na Grã Bretanha pela Universidade de Staffordshire, o futebol inglês se apresentou extremamente receptivo e tolerante à homossexualidade no esporte. A pesquisa conduzida por Ellis Cashmore, professor de cultura, mídia e esportes, e Jamie Cleland, especialista em sociologia, apontou que 93% dos mais de 2 mil torcedores que responderam à enquete on-line consideram que no futebol não há espaço para a homofobia e acreditam que haja, de fato, jogadores gays não assumidos em times no país.

“Por muito tempo, os torcedores foram caracterizados como se fosse Neandertais, o tipo de macho primitivo que acredita que a homossexualidade ainda é um tabu. Na verdade, eles mudaram”, disse o professor em entrevista à agência internacional de notícias Reuters. “Temos uma nova geração de fãs, e incluo técnicos e jogadores nisso. Eles não se importam tanto com a orientação sexual de alguém. Claro, os atletas convivem com um pesado legado. Seria bastante difícil um jogador assumir ser homossexual no auge de sua carreira”, concluiu.

Atualmente sabe-se que o esporte que impere no gosto dos brasileiros não é exclusivamente heterossexual. Prova disso é copa de futebol gay realizada anualmente pela Associação Internacional de Futebol de Gays e Lésbicas. Fora esse evento esportivo, o mundo também já presencia o Gay Games, este ano realizado na Alemanha, e o famoso World Out Games, realizado em Copenhague em 2009.

O resultado que surpreendeu os ingleses parece estar meio distante de se tornar realidade no Brasil. Pois, a cultura brasileira insiste em tomar a expressão “veado”, relacionada à homossexualidade, como um xingamento e é pronunciado muitas vezes com o intuito de ofensa. Quem costuma ir aos jogos em estádio ou assistir aos jogos pela televisão contendo alguma concentração de torcedores, certamente ouvirá em algum momento a expressão sendo proferida por alguém e muitas vezes direcionada aos juízes da partida.

No Brasil alguns casos envolvendo homossexualidade ficaram conhecidos. Em 2007, o então jogador do São Paulo, Richarlyson, teve sua heterossexualidade altamente questionada no país. Mas, ainda que para muitos fosse evidente que o jogador fosse gay, Richarlyson sempre negou. Contudo, deveria haver, em minha opinião, uma pesquisa que revelasse quantos gays gostam de futebol e tem interesse de ir aos jogos e qual é a percentagem dos torcedores que são indiferentes aos homossexuais no futebol.




Comentários

Bom aqui no Brasil,a questão da homossexualidade ainda esta muito longe de ser ebcarada de forma aberta ,principalmente por que em sua grande maioria dos homens em algum perido da vidativerem alguma expe^riência homo,e se tratando de futebol então... Já ouvi vários relatos sobre o assunto inclusive de jogadores que saem dos seus estados para se aventurarem para não ter os seus nomes manchados. Os sites de relacionamentos estão ai ,basta fazer umabusca mnunciosa que iremos encontrar homens que são fanaticos por futebol e mais que gostam de um om pelado após o jogo. Aqui no BRASIL É MELHOR DEIXAR A HOMOSSEXUALIDADE SE TRATANDO DE FTEBOL DEBAIXO DOS PANOS OU MELHOR DIZENDO DENTRO DO ARMÁRIO.

Comentar

Conteúdo relacionado