Campanha causa polêmica nos EUA por pegar pesado contra o HIV

Uma campanha tem deixado os militantes gays e pessoas que lutam contra a epidemia do HIV nos Estados Unidos em pé de guerra contra a cidade de Nova York. Na contramão do consenso de que é preciso respeitar os soropositivos e passar mensagens otimistas, e que elevem a auto estima de todos na prevenção do HIV, o Departamento de Saúde da cidade de Nova York fez uma campanha chocante.

Ela não usa mortos ou pessoas não saudáveis, mas alerta para uma verdade que é omitida das principais campanhas para o uso da camisinha: que o HIV leva a morte, mesmo com os remédios. A campanha intitulada “Nunca é só o HIV” destaca as doenças oportunistas que acompanham quem tem o vírus. Com uma locução de trailer de filme de suspense e cenário escuro, a campanha destaca homens de todas as idades e raças, e deixa claro: não brinque com a sua saúde.

A narração diz: “Quando você pega o HIV, não é apenas o HIV. Você desenvolve um alto risco de pegar dúzias de doenças, mesmo que tome remédios. Como a osteoporose, uma doença que dissolve os seus ossos. Ou demência, uma condição que causa uma perda de memória permanente. Ou 28x mais chances de ter um câncer anal. Nunca é apenas o HIV. Fique livre do HIV. Sempre use camisinha”, enquanto mostra pessoas comuns. O vídeo é claramente voltado aos homens, sobretudo aos homossexuais, ao falar em câncer anal e mostra casais gays no leito de morte. A campanha foi lançada no último dia 1° de dezembro, Dia Mundial de Combate na Luta contra a Aids.

Assista e opine:


Categoria: 




Comentários

uma campanha desse nivel,só poderia sair da cabeça de pessoas que gostam de espalhar o panico e mal preparadas para dar opinioes.

Com certeza trata-se de uma campanha absurda e desenvolvida por pessoas despreparadas. Se ao menos tivessem colocado uma mulher, ou casal heteroafetivo, teria sido mais inclusiva e mais realista pois não são apenas homossexuais que contraem o vírus, mas qualquer pessoa corre grande risco se não usar algum tipo de prevenção no ato do sexo. E principalmente a aura de suspense afasta as pessoas do teor da mensagem e pode causar grande preconceito contra os soropositivos, pois devemos prevenir sim, mas causar pânico não.

Olha, esta campanha é voltada para as pessoas que não são portadoras, infelizmente é chocante para a pessoa que é portadora. Más não tem outro jeito essas campanhas tem que ser feitas, assim como é feitas as campanhas para as pessoas que são soro positivas. Trabalho voluntáriamete com pessoas que vivem com HIV/AIDS a quinze anos, pela minha experiência vejo que este tipo de campanha tem que ser feito. Cuidamos com carinho, com respeito, dedicação e principalmente convivendo com estas pessoas a gente aprende a respeita-las. Esta campanha é uma verdade nua e crua, temos que aprender a superar estas dificuldades no nosso dia a dia, mesmo que as vezes nos dói um pouco. Cuidamos de pessoas que vivem com este virus com todo respeito e temos que lutar com toda força para que outras pessoas não se contaminem. Não é fácil, más temos que continuar seguindo em frente.

uma campanha desse nivel,só poderia sair da cabeça de pessoas que gostam de espalhar o panico e mal preparadas para dar opinioes.

Com certeza trata-se de uma campanha absurda e desenvolvida por pessoas despreparadas. Se ao menos tivessem colocado uma mulher, ou casal heteroafetivo, teria sido mais inclusiva e mais realista pois não são apenas homossexuais que contraem o vírus, mas qualquer pessoa corre grande risco se não usar algum tipo de prevenção no ato do sexo. E principalmente a aura de suspense afasta as pessoas do teor da mensagem e pode causar grande preconceito contra os soropositivos, pois devemos prevenir sim, mas causar pânico não.

Olha, esta campanha é voltada para as pessoas que não são portadoras, infelizmente é chocante para a pessoa que é portadora. Más não tem outro jeito essas campanhas tem que ser feitas, assim como é feitas as campanhas para as pessoas que são soro positivas. Trabalho voluntáriamete com pessoas que vivem com HIV/AIDS a quinze anos, pela minha experiência vejo que este tipo de campanha tem que ser feito. Cuidamos com carinho, com respeito, dedicação e principalmente convivendo com estas pessoas a gente aprende a respeita-las. Esta campanha é uma verdade nua e crua, temos que aprender a superar estas dificuldades no nosso dia a dia, mesmo que as vezes nos dói um pouco. Cuidamos de pessoas que vivem com este virus com todo respeito e temos que lutar com toda força para que outras pessoas não se contaminem. Não é fácil, más temos que continuar seguindo em frente.

Comentar

Conteúdo relacionado