Casamento gay nos quadrinhos Archie gera polêmica nos Estados Unidos

Uma das mais populares séries em quadrinhos dos EUA, “Archie”, criada em 1939, foi alvo de protesto por parte de grupos conservadores esta semana. Acompanhando as histórias dos adolescentes Archie, Betty e Veronica, o enredo de Archie, está nas bancas há 70 anos. A editora descreveu o casamento de Kevin Keller, primeiro personagem gay da série, na última edição, como "um momento histórico".

O casamento gira em torno do soldado Keller que, ferido na guerra do Iraque, é internado em um hospital e se apaixona pelo médico Clay Walker. O matrimônio é realizado na cidade fictícia “Riverdale”, palco da maioria das aventuras do gibi.

Após o lançamento da edição especial de casamento gay, que já esgotou em bancas e livrarias norte americanas, o grupo conservador One Million Moms, formado por mães que já protestaram contra a escolha de Ellen Degeneres, lésbica assumida, como garota-propaganda da rede de lojas JCPenney, solicitou que a loja de brinquedos Toys R Us tirasse as revistas de suas prateleiras. Contudo, a loja se negou a atender o pedido.

O presidente-executivo da Archie Comics, John Goldwater disse que a empresa apoia a nova edição. "Riverdale é um lugar seguro e acolhedor que não julga ninguém. É uma versão idealizada do que venha a se realizar na América algum dia", afirmou.

Categoria: 




Comentários

esses conservadores idiotas não se mancam? agora eles são minoria... eles que não comprem lá, boicotem, deixem de ler a revista se quiserem, não vão sentir a menor falta deles, já que seu mercado consumidor é minimo, ridiculo e está ficando a cada dia menor...

Kris, é um milhão de mães que não tem um filho gay e acham que foi por conta da criação delas, e não sorte, e acham que são melhores do que as mães que tem um filho gay... o que devia acontecer é todas essas mães descobrirem que alguns dos seus filhos não gays, na verdade são gays enrustidos de medo das mães...

esses conservadores idiotas não se mancam? agora eles são minoria... eles que não comprem lá, boicotem, deixem de ler a revista se quiserem, não vão sentir a menor falta deles, já que seu mercado consumidor é minimo, ridiculo e está ficando a cada dia menor...

Kris, é um milhão de mães que não tem um filho gay e acham que foi por conta da criação delas, e não sorte, e acham que são melhores do que as mães que tem um filho gay... o que devia acontecer é todas essas mães descobrirem que alguns dos seus filhos não gays, na verdade são gays enrustidos de medo das mães...

Comentar

Conteúdo relacionado