Cassandra Rios: Eu sou uma lésbica e o medo de uma única verdade

Por Marina Hall
 
Não, não venho contestar Sigmund Freud. Quem sou eu? Talvez, adicionar, pretensiosamente, em suas lições sobre psicanálise, um adendo breve a respeito da homossexualidade. Ou bastaria dizer: sexualidade.
 
É fato que a literatura, como todas as outras formas de expressão e arte escrevem e reescrevem o Complexo de Édipo, tornando-o vivos nos possíveis enredos sociais fictícios (ou não). Lembrando que essa teoria freudiana refere-se ao desejo infantil masculino pela mãe, tornando, inconscientemente, o menino filho espécie de rival do pai. O contrário, segundo o psicanalista, aplica-se à menina, que apaixonada pelo pai quer roubar o lugar da mãe. Porém, e nos casos homossexuais? Bi? Trans? A teoria não se aplica?
 
De acordo com Freud, a homossexualidade estaria relacionada com a incapacidade de o ser humano se desprender do próprio corpo, desejando alguém com corpo igual ao seu. Primeiramente, o fato é que nenhum corpo é igual ao outro. Nem o de dois homens, nem o de duas mulheres... Logo, onde estaria o universo infantil dos homossexuais? Infância responsável pelos traumas, valores, descobertas sexuais... Assim como provavelmente a criança heterossexual já aprende sua “função” social (de fêmea/macho, princesa/cavaleiro, ativo/passivo) desde os primeiros contatos com os outros humanos, a criança lésbica, gay, trans, bi também já inicia suas descobertas sexuais, porém que muitas vezes, na maioria, têm as descobertas sexuais propositalmente direcionadas para a heterossexualidade. Quem faz isso? Quem as direciona? Oh! Não me diga que não sabe! Sim! A família, a escola, a religião, as artes, a mídia, as sociedades... Salvo raríssimas exceções.

Se você não acreditou que uma criança pode ser homossexual e que isso ocorre por natureza, assim como ser hétero, provavelmente é porque na sua infância e vida posterior tudo o que lhe foi apresentado fala de uma única verdade: a língua da família-modelo: homem (chefe) + mulher + filhos = perfeição. Inclusive, agregando a isso os famosíssimos contos de fada (infantis? - Bruno Betthelheim). Como não ficou claro? A princesa (sexo feminino) briga com a bruxa rival (sexo feminino), no fim, resolve seus problemas com auxílio de alguém que ama, um príncipe (sexo masculino) e com ele vive feliz para sempre. Essa é sim uma verdade, doce e poética, mas não pode ser a única!
 
É, mas como disse Maria da Glória Azevedo, no posfácio de As guardiãs da magia, de Lucia Facco, a literatura é um bicho que consegue desfazer os nós que se lhes impõem. Como assim? Quer dizer que não adianta forçar o silêncio das pessoas, principalmente das artes, em algum momento a voz silenciada se pronunciará. É o que fez, por exemplo, Cassandra Rios. Silenciada, ignorada e sentenciada ao pornográfico pela crítica canônica, vendeu mais livros que muito best-seller, inclusive o romance Eu sou uma lésbica – que conta a trajetória de uma lésbica apaixonada desde a infância pela vizinha e amiga de sua mãe. Cá está a infância lésbica acrescida às lições de Freud: Narrado em primeira pessoa, Flávia, com 7 anos, vive embaixo da mesa da sala de sua casa, observando as pernas das amigas da mãe; uma das pernas, a de Kênia, a encanta tanto que chega ao ponto de cheirá-la e lambê-la fingindo ser um gatinho sob a toalha. Flávia delira com a presença da moça de sandália colorida e  a deseja como sua – assim como o menino deseja a mãe no Complexo de Édipo. A mãe de Flávia, no entanto, não é desejada com fervor sexual, mas admirada e amada com afeto de filha, sendo comparada constantemente com Kênia. O pai sequer é mencionado. Entretanto, isso não significa que a figura do pai não é importante, apenas não é fortalecida nesse romance. 
 
Com o desejo ardente por Kênia, a menininha vê como rival o marido da mulher, Eduardo. Pouco tempo depois das primeiras relações carnais das duas amantes secretas (sim, Kênia sede aos desejos da menininha), a mulher se muda para a Itália a fim de curar o câncer de Eduardo, que por sua vez, acaba discretamente assassinado, numa passional pulsão de morte, pela amante de Kênia, que dera a ele sopa com vidro em pó horas antes de partirem para Europa. O crime é revelado somente no fim da narrativa, depois da história da adolescência lésbica de Flávia, surpreendendo quem lê pela atitude insuspeita da garotinha de 7 anos. O que quero dizer com isso? Não! Não é um incentivo para que mate os seus rivais sexuais! É muito mais simples: desde crianças desejamos nosso “objeto sexual”, seja homem ou mulher e isso existe, ainda que inconscientemente, ainda que tentem reprimir ou desqualificar esse desejo usando teorias de Freud, que aliás, que eu saiba, nunca disse existir uma única verdade; ou qualquer outra ideia, seja religiosa, seja sei lá qual... É sim, bi, lésbicas, trans, gays existem e é desde que existe gente no mundo, por natureza, desde a misteriosa infância e não por desvio, anomalia sexual. Infelizmente, criam distinções sexuais para nos segregar. Tolice! Porque precisamos/dependemos uns dos outros. Não adianta esconder, onde estão os contos de fada que nos façam sentir normais e possíveis na infância, na juventude? Esse é um dos motivos da literatura de Cassandra Rios: ser lida para que não corramos o risco de vivermos sob a voz de uma única verdade.
 
Foto: Cassandra Rios

Tags: 




Comentar

Conteúdo relacionado