São Paulo tem bairro gay informal e construtoras investem no filão sem levantar bandeiras

Já não é de hoje a predominância de gays, lésbicas, travestis e transexuais no entorno da região da Rua Frei Caneca e Praça da República em São Paulo. Assim como as demais metrópoles do mundo como Nova York e Paris tem seus bairros gays sendo Greenwich Village e Marais, respectivamente, São Paulo também pode se orgulhar de ter um bairro conhecidamente gay, mesmo que não oficial. Muitos estabelecimentos já ostentam a bandeira gay, anunciando dedicação ao público LGBT, como acontece em outros países.

Estudos na área da habitação comprovam que a população gay tem sofrido um grande aumento na região central muito embora as principais construtoras não assumam esta posição. Mas é notável o aumento de empreendimentos imobiliários na região com perfil para solteiros. O público para tal empreendimento se divide em compradores e investidores, muitos destes pessoas solteiras, sem filhos e com alguma experiência em morar fora do país, como apontam pesquisas técnicas realizadas no local. Geralmente este público procura moradia próxima ao local de trabalho e com alguma forma de diversão próxima, como restaurantes e bares. 
 
A prefeitura de São Paulo como a maioria das capitais possui diversos projetos de revitalização de áreas centrais, isto inclui a construção de novos prédios residenciais e comerciais além de restaurantes, bares e boates. Este crescimento imobiliário deverá se expandir pelos próximos cinco anos até que os chamados “novos moradores” se instalem e povoem a região central de São Paulo.
 
Para a cidade que só tem a ganhar com este público, uma vez que a população LGBT se mostra mais exigente por serviços e antenado com as novidades mercadológicas na área da construção civil. A região da Consolação é umas das mais procuradas e também mais valorizadas de São Paulo. 
Com esta “migração”, a tendência do mercado é aumentar ainda mais os valores trazendo consigo a melhoria e implementação de novas atrações para a região. Quem ganha não são somente os paulistanos mas também o país como um todo por ter uma metrópole como São Paulo um bairro assumidamente gay, fazendo com que o turismo para este público aumente ainda mais.
 
Desde 2001, há projetos nesse sentido, que não foram ainda oficializados, de tornar parte da região central oficialmente um bairro gay. A organização Casarão Brasil chegou a propor a revitalização e transformação da região da Frei Caneca em bairro gay na Prefeitura, mas não recebeu apoio de antigos moradores do local. É uma questão de tempo e visão de mercado.
 

Categoria: 

Tags: 




Comentar

Conteúdo relacionado