Casal hétero denuncia homofobia em tradicional restaurante da Avenida do Batel em Curitiba

Homofobia não incomoda apenas os gays. Em um ato de cidadania impressionante, um casal hétero de Curitiba denunciou a homofobia gritante que presenciou no tradicional restaurante A Pamphylia, na Avenida do Batel. Por curiosidade, Pamphylia, em grego, significa: “terra de todas as tribos”. Pelo jeito não é o que acontece neste restaurante italiano famoso por suas sopas.

Os namorados Wikerson Landin e Raquel Praconi foram jantar no restaurante neste domingo e saíram de lá atônitos com os comentários em voz alta de dois garçons direcionados a um casal gay que sentava próximo.  Depois de falarem forma pejorativa sobre um casal gay na mesa 42, que Landin não soube precisar se eram dois homens ou duas mulheres, ouviu uma das garçonetes dizer: “deveria haver uma lei proibindo isso, afinal onde já se viu ficar se beijando desse jeito”. 
 
Ao reclamarem do tratamento aos outros clientes ao pagarem a conta, o casal teria sido confrontado por um dos garçons, identificado como Elias, que afirmou que o local não era para “desse tipo de coisa”. Até o gerente da casa teria sido complacente e disse que se houvessem crianças no recinto a casa teria que intervir: “caso aconteça coisas assim, como casais homossexuais se beijando na frente de crianças, a casa iria intervir, pois os clientes não são obrigados a ver isso”, contou o cliente que disse que o local era um dos seus prediletos mas que não irá retornar, já que ele mesmo, por outro motivo, poderia ser alvo de comentários maldosos por parte dos garçons indelicados.

 
Se você conhece quem era o casal gay citado, peça para entrarem em contato conosco. Parabéns ao casal que reagiu e não se calou frente a esta injustiça. Confira o depoimento denunciando a situação constrangedora:

 
“É com muito pesar que relato um incidente ocorrido na noite de hoje (26) no restaurante A Pamphylia, localizado no bairro Batel, em Curitiba. Antes de tudo, quero deixar claro que tinha essa casa com uma das minhas preferidas na cidade – característica que infelizmente não poderei associar mais a este lugar.
 
Eu e minha namorada fomos à casa hoje por volta das 21h. Comida muito boa, ambiente agradável até que percebemos, diante de nós dois garçons conversando sobre alguns dos clientes da casa. Os comentários em tom pejorativo se direcionavam à “mesa 42”, que segundo eles recebia naquele momento um casal gay (não sei se homens ou mulheres), que estaria se beijando ali.
 
Uma das garçonetes ressaltava a todo instante que devia “haver uma lei proibindo isso, afinal onde já se viu ficar se beijando desse jeito”, fato que contava com o apoio do outro garçom, este chamado Elias. Depois de um tempo eles saíram da posição em que estavam, foram servir outras mesas, mas posteriormente voltaram para o mesmo ponto – diante de nossa mesa – em que voltaram a falar sobre o assunto.
 
Os comentários, em voz alta e que podiam ser ouvida perfeitamente não só pela nossa mesa, mas por outros presentes, deixaram incomodada a minha namorada que, quando nos levantamos para pagar a conta, se dirigiu ao garçom Elias para dizer que “esse tipo de comentário não é correto e falar mal de outros clientes, diante de clientes é desrespeitoso e errado. Afinal, o que garante que depois de sairmos do lugar não seríamos os próximos alvos dos comentários”.
 
Para nossa surpresa o garçom Elias respondeu os comentários de forma ríspida, afirmando que todos tem direito a ter uma opinião e deixando claro que ali não era lugar “desse tipo de coisa”. Durante a “conversa”, quando indagado se gostaria de ouvir comentários desse tipo relacionados a ele, respondeu que “se garante e come mulher”.
 
Ao pagar a conta, comunicamos os fato a o gerente, que pediu desculpas pelo ocorrido, mas “remendou” a situação de forma ainda pior, afirmando que “caso aconteça coisas assim, como casais homossexuais se beijando na frente de crianças, a casa iria intervir, pois os clientes não são obrigados a ver isso”.
 
Enquanto pagávamos a conta e descrevíamos o fato para o gerente, o garçom Elias passou pelo caixa e, de maneira grosseira e estúpida, bateu a punho na mesa e disse “falei mesmo”, se dirigindo à cozinha. Apesar da promessa de que “os garçons não devem comentar coisas assim em público” e que “vamos conversar com ele porque isso não pode acontecer”, o que se viu foi não só um ato de homofobia, como um total desrespeito ao cliente.
 
Tendo em vista a maneira pouco receptiva com que a reclamação foi ouvida, é de se imaginar que nenhuma providência seja tomada – o que infelizmente deve fazer com que as coisas fiquem por isso mesmo. Se reclamar diretamente com o garçom não resolveu e reclamar com o gerente muito menos, infelizmente não me sinto à vontade par voltar ao lugar (que torno a dizer, era tido por mim como um dos melhores de Curitiba).
 
Ficaria muito feliz de saber que essa reclamação surtiu algum efeito ou que eventuais providências foram tomadas. Mais do que o ato homofóbico relatado acima, deixo a reclamação de um cliente insatisfeito que viu os funcionários da casa fazendo piadas em voz alta e comentando em tom jocoso suas opiniões sobre os frequentadores da casa. Deixando de ir ao local, fico ao menos com a certeza de que não serei alvo de comentários por estar agindo desta ou daquela forma em uma das mesas”.

 

Categoria: 

Tags: 




Comentários

Parabéns!!!

Parabéns!!! Já passou o tempo de pena pela ignorâncias alheia. Vivemos em um contexto em que informação está cada vez mais ao fácil e rápido alcance. Já nos afastamos, há muito, do tempo em que o simples "não sabe o que fala... não vou perder tempo" não é mais suficiente e de bom tom (se é que já foi algum dia). Perder tempo é guardar a indignação para si, é se omitir diante de abusos e afrontas contra a liberdade (seja de quem for). A voz que silencia contribui tanto para um mundo melhor quanto a que profere absurdos.

se eu ouvir isto,

se eu ouvir isto, discretamente iria chamar a midia na porta do restaurante e armar o maior barraco , todo mundo na delegacia , ai sim creio de depois desta o restaurante fecha as portas e estes gerente com sindrome do p.p. iria procurar emprego em uma bar gls , se conseguir que depois da cara dele na midia , vich nunca mais kkkkkk

Parabéns ao moderno casal.

Parabéns ao moderno casal. Casos lamentáveis de homofobia e intolerância tem aumentado assustadoramente em todo o país, graças ao incentivo de pessoas formadores de opinião como políticos e pastores que pregam diariamente o ódio, preconceito, homofobia, racismo, intolerância e consequência disto, a violência. Isto é uma vergonha!

Pessoas inteligentes de

Pessoas inteligentes de cultura e de caráter agem assim,eu acho que a culpa nem é tanto assim do garçom,por tornar a sua ignorância pública,como ele existem milhares espalhados pelo comércio.O empresário que contrata é quem deveria preparar melhor seus funcionários, e exigir e ensinar como valor primordial no atendimento,a educação e discrição.Mas na terra tupiniquim gente,vai demorar para acontecer.Parabéns ao casal,pela coragem e mostrarem que o mundo não esta totalmente perdido.Este restaurante nunca mais,e vou relatar o ocorrido ao meu rol de amizades.

Um dia, espero, o preconceito

Um dia, espero, o preconceito será silenciado - não digo que acabará completamente, mas terá que se recolher à sua insignificância, ao silêncio mudo, pois assim será, se não por uma tomada de consciência pela força da Lei que ordenará que se prevaleça o direito e o respeito. Se Deus quiser!

Imagino que deve ter mudado

Imagino que deve ter mudado de dono, pois frequentava nos anos 80 e 90 com meu companheiro e amigos e nunca tive nenhum tratamento preconceituoso, fico triste em saber que "os tempos" mudaram pois é uma das melhores casas de Curitiba senão a melhor....

Trabalho como supervisor de

Trabalho como supervisor de Atendimento no Bar Bond Papia em Pinhais e frequentemente recebemos casais gays que vez ou outra trocam carinhos afetuosos. Realmente é novidade para os profissionais acostumados com casais héteros vivenciarem cenas de beijos. Mas constantemente estamos orientando nossos atendentes de forma a enxergarem todos como seres Humanos. O que falta hoje é treinamento e orientação para estes funcionários. Mas não podemos julgá-los afinal esta mudança de comportamento de os "gays" saírem do armário e tranquilamente expor em público suas formas de amar ainda é muito novo. Fica a dica pra Casa Orientar e Treinar seus atendentes para um melhor atendimento.

Comentar

Conteúdo relacionado