Aprendendo a ser blasé

Desde que meu primeiro relacionamento amoroso terminou, aprendi que manter nossas amizades é a melhor coisa que podemos fazer por nós mesmos.

Sei que muitos dos meus amigos não entendem o porquê ainda estou solteiro. Acho que também por este motivo, um desses amigos resolveu abrir meu Tínder para ver como converso com desconhecidos. Resumindo, ele acabou comigo. Disse que tenho que ser mais blasé. Não chamar ninguém para “tomar café”, pois é coisa de velho - não que haja algo errado nisso, leitores senhores - o mais cool é chamar para tomar “breja” num boteco decadente.

Enfim, esse amigo riu do meu approach, mas queria realmente me ajudar a arrumar um namorado. Portanto, não guardo a mínima mágoa dele. Mesmo assim, não acho que estou errado em ser do jeito que sou.

Mas, pelo o que percebo, para ter mais chances de um relacionamento sério um dia, quem sabe, se Deus permitir, a Lua e as estrelas também, você e eu devemos apenas dizer um “Opa. Beleza?” em vez de “Oi, tudo bem? O que está fazendo de bom?”. E o mais importante, se o cara responder, jamais emendar com frases engraçadas ou alegres.

Não seja você, seja alguém mais apático. Menos espontâneo. Ninguém quer saber dos seus sentimentos nem dos seus desejos. Felicidade demais incomoda. Te faz parecer idiota.

Sinto na pele que talvez, se tivesse sido mais blasé em mais de uma dúzia de oportunidades, teria chegado mais longe... O quão longe é uma incógnita, mas, no fundo, já que nada dura para sempre, creio que não perdi tanto assim.

O que posso dividir contigo é o fato de que, toda a vez que me abri, disse que me interessava por fulano ou comentei que tenho o desejo de estar em um relacionamento sério, fui rotulado de carente e até de doido. Então, leve tudo isso em consideração quando estiver paquerando. Aprenda com meus “erros”: Não seja verdadeiro 100% do tempo.

A pessoa fez algo que te irritou? Dane-se ela e o seu desejo de manda-la se danar. Engula. Você apenas terá o direito de botar tudo para fora se forem mais do que paqueras ou ficantes. E assim, quem sabe, um dia você poderá chamar esse alguém de namorado.

A vida é feita de escolhas. Eu opto por permanecer do meu jeito, o preço disso é não ser bem sucedido em relacionamentos amorosos. Você pode escolher ser outro. Ou quem sabe apenas nasceu com a sorte de ter sorte em relacionamentos. Que bom para você! Felicidades.

Leandro Allegretti escreve para doqueosgaysgostam.com, está solteiro faz tempo e acredita que amor verdadeiro é aquele que sente por pizza de calabresa com cobertura de mozzarella.

 
 

Tags: 




Comentários

Nossa, se eu soubesse

Nossa, se eu soubesse escrever bem diria que esse texto foi escrito por mim ^^ Estou contigo Leandro (ou seja: sozinho), aonde foram os tempos onde espontaneidade e humor eram apreciados? Qual é o problema em tomar café, ou escrever "oooi" ou "oiii" em vez de "E aí. Beleza cara?" Minha esperança é encontrar outra alma feliz (e gostosa) pra passar a vida... Enquanto isso, minha pizza de Atum com Catupiri vai quebrando o galho ;)

Comentar

Conteúdo relacionado