Arquivo importado

O fim da odisseia barbuda na Terra

Redação Lado A04 de Fevereiro, 201501h04m

COMPARTILHAR

TAGS


Certo tempo atrás, li alguns posts no ‘Facetruque’ afirmando que a aventura barbuda na Terra chegaria ao fim porque a onda beard havia atingido o topo e, tudo que sobe desce (algumas coisas nem sobem, mas isso são outros 500).
Voltando ao assunto, ano passado, o jornal New York Times declarou o fim da cultura hipster, que levaria consigo a moda de usar barba. Cientistas australianos atestaram que, por ter virado mania mundial, ela deixaria de ser usada e só voltaria a ser tendência muitos anos depois. Como se não bastasse, uma pesquisa norte-americana afirmou ainda que homens sem barba tinham mais chances de conseguir emprego.

Essas três previsões – erradas – serviram para uma coisa: provar que a barba ainda está com tudo, e que o exército mundial dos barbudos tem poder.

Com certeza, a Gillette teve parte nessas previsões, porque ser barbudo passou a fazer muito sucesso e, com isso, as vendas de lâminas e barbeadores caíram mais do que a popularidade (e o desempenho) da seleção brasileira na última Copa.

Só que a empresa se deu muito mal, pois as tendências fashion apontam que a barba vai continuar, deve ser mais curta e arrumada, e mais longa só ao usar o cabelo maior, preso no tal coque samurai…

Eu sempre optei por não fazer a minha porque acho um saco, murcho e sem bolas. Anos atrás, quando trabalhava em um banco, até inventei para minha chefia que tinha alergia à lâmina de barbear e que por isso precisava ficar de barba. Colou.

Caso não saiba, existe diferença entre ‘fazer’ e ‘aparar’ a barbicha. E graças ao clube dos barbudos, zilhões de barbearias surgiram. Sentar (ui!) em uma cadeira para aparar a barba passou a ser tri legal, tchê!

Duas coisas que não sabia quando optei pela ‘praticidade’ é que ser barbudo dá trabalho (e traz mais gastos financeiros), e que existe uma linha muito tênue entre ser prático; ter preguiça de fazer a barba; ser estiloso e parecer mendigo.

Aliás, eis uma coisa que ninguém previu, mas aposto que será tendência: o look mendigo. Homens deixarão de gastar o dinheiro dos bons drinks em barbearias e salões de cabelereiros descolados, e passarão a sair com cabelos e barbas grandes e desgrenhados pelas ruas desse mundão.

Beijos, Gillette! Lancei uma tendência muito mais Mara Maravilha mundo afora, agora vou torcer para virar realidade e assim serei beneficiado!
 

P.S.: Apenas para constar, não tenho nada pessoal contra essa marca. Mas li que foi ela quem criou a necessidade de a mulher raspar o sovaco e as pernas para vender mais produtos… E já que a moda é ser retrô, e como #somostodosmacacos, ter pelos é mais natural, ecofriendly, e totalmente cruelty free.

Leandro Allegretti pretende voltar a escrever para o blog doqueosgaysgostam.com e torce pelo dia em que poderá sair pelas ruas desgrenhado como um homem das cavernas, sem ser julgado e/ou internado em um manicômio.

 
 
Redação Lado A

SOBRE O AUTOR

Redação Lado A

A Revista Lado A é a mais antiga revista impressa voltada ao público LGBT do Brasil, foi fundada em Curitiba, em 2005, pelo jornalista Allan Johan e venceu diversos prêmios. Curta nossa página no Facebook: http://www.fb.com/revistaladoa

Banner Marcação 1000x220

COMPARTILHAR

TAGS


COMENTÁRIOS
valentino outlet online valentino outlet online valentino outlet online valentino outlet online valentino outlet online valentino outlet online casadei outlet online casadei outlet online casadei outlet online casadei outlet online casadei outlet online casadei outlet online balenciaga pas cher chaussures balenciaga pas cher chaussures balenciaga pas cher chaussures balenciaga pas cher chaussures balenciaga pas cher chaussures balenciaga pas cher balenciaga outlet saldi italia balenciaga outlet saldi italia balenciaga outlet saldi italia balenciaga outlet saldi italia balenciaga outlet saldi italia sac lancel pas cher balenciaga pas cher