Após homofobia em bar, ativistas fazem protesto com beijaço

O professor de inglês Diego Nunes, 27 anos, escolheu o Bar do Ceará, no Centro de Curitiba para tomar uma cerveja  quando ele e o companheiro foram hostilizado após trocarem um beijo. “Aqui não heim”, teria dito o atendente com um soco sobre a mesa em que estavam. Atônitos, os rapazes terminaram a bebida e foram embora. O fato ocorreu na noite desta segunda-feira, dia 05 de junho. O Bar fica próximo a Catedral de Curitiba com a igreja matriz em um extremo da rua e a boate gay mais tradicional da cidade na outra, a Cats Club.

“Até pensamos em fazer algum alarde ali mas não sabemos com quem estamos lidando e ficamos com medo do que poderiam fazer com a gente depois disso... Então pensamos em fazer a denuncia pelas redes sociais. Extremamente constrangidos terminamos nossa cerveja e fomos embora. Gostaria de agradecer ao homem e uma mulher que estavam em uma mesa ao lado e se solidarizaram com a gente e se dispuseram a serem testemunhas do caso”, afirmou Diego em seu perfil nas redes sociais.
 
“É muito triste que hoje em dia ainda exista essa diferenciação de quem pode beijar em um lugar público ou não, pior ainda em um estabelecimento onde os clientes devem ser bem atendidos e se sentirem respeitados e acolhidos independente de quem seja. Ou pior ainda, se sentir incapacitado até mesmo de questionar algo do tipo por ter medo de ser perseguido na rua depois ao sair... Peço que quem for de Curitiba ajude a difundir essa denúncia e compartilhe esse post. Obrigado. Por uma Curitiba sem homofobia!!”, declarou o jovem.

​Após a denúncia nas redes sociais, a APPAD, Associação Paranaense da Parada da Diversidade, organizou um beijaço para protestar contra a proibição do bar, que ainda não se manifestou. O Beijaço contra a LGBTfobia está marcado para esta sexta-feira, a partir das 19h30, na Praça Tiradentes. Confira o evento aqui.

 
 

Categoria: 

Tags: 




Comentar

Conteúdo relacionado