Curta com temática trans no Sertão é selecionado pela TV Cultura e Rede Globo

Fruto de um projeto universitário, o curta-metragem “Tica, a Rainha do Reisado”, teve sua proposta de produção audiovisual aceita pelo projeto Curtas Universitários, do canal educativo Futura em parceria com a Rede Globo e a Associação Brasileira de Televisão Universitária (ABTU), importante elo entre o conhecimento científico e a população. 
 
A iniciativa de produção do curta partiu do programa Sertão Transviado, da Universidade federal do Cariri (UFCA), associado à Pró-reitoria de Cultura (PROCULT), em Juazeiro do Norte/BA. A proposta foi uma das escolhidas entre mais de 195 projetos inscritos, de acordo com publicação do site Globo Universidade. Os estudantes responsáveis pelos curtas ganharam ainda um workshop sobre audiovisual nos Estúdios Globo, que aconteceu nos dias 28 e 29 de junho deste ano, na cidade do Rio de Janeiro/RJ. O professor Paulo Cajazeira, de Curitiba, é quem incentivou seus alunos de Comunicação a participarem do concurso e acompanhou todo o projeto.
 
“Tica, a rainha do Reisado” terá como protagonista Francisca da Silva, uma mulher transexual de 54 anos que causou alvoroço na cultura popular da região do Cariri, em Juazeiro do Norte. Reisado é uma comemoração folclórica do dia 06 de janeiro que festeja o Dia De Reis. Na festa, crianças e adultos se fantasiam para homenagear os três reis magos que levaram ouro, incenso e mirra ao menino Jesus, quando de seu nascimento. No Cariri, a população percorre as ruas levando muitas cores e brilhos, num festejo religioso que passa de porta em porta contagiando os moradores. 
 
Dentro desse contexto religioso do Reisado, o curta que será concluído até 2018 e exibido no Canal Futura, procura discutir a atuação da personagem Tica como transexual em meio a uma tradição que embora muito festiva, ainda mantém o conservadorismo religioso.  A reflexão contempla as variações com que o Reisado pode ocorrer, ampliando a participação social e folclórica de todos os grupos da sociedade, inclusive os LGBTs. 
 
Com ampla colaboração à pesquisa e extensão, o programa Sertão Transviado também desenvolve projetos jornalísticos voltados à promoção e visibilidade LGBTQI, e abordará em sua 5ª edição a ser publicada em setembro, a relação das Drag Queens com os artesões: “é como se as drags fossem corpos talhados na espuma do corpo, assim como uma madeira bruta prestes a ser talhada” , afirma Ribamar Oliveira, bolsista do projeto. 

(R.L.)

 

Categoria: 

Tags: 




Comentar

Conteúdo relacionado