Blog do Johan

Allan Johan

O fator Dourado no Big Brother Brasil 10

Marcelo Dourado já entrou para a história por ser a pessoa que mais ficou confinado na casa do reality show Big Brother Brasil, depois de ter participado da quarta edição do programa e estar também na décima casa. Mas desta vez o ex-lutador gaúcho está como um dos favoritos ao prêmio de um milhão e meio de reais e enfrenta esta semana dois “coloridos”, Dicésar e Angélica no Paredão.




BBB 10 é ótimo exercício contra a homofobia, principalmente a internalizada

Há 3 dias começou o BBB mais gay de todos. Uma drag, um gay assumido e uma lésbica. Vários simpatizantes, alguns bissexuais no armário de certo e com certeza alguns homofóbicos na casa. Apesar de militante gay, gay assumido, assumo: o programa está conseguindo me chocar e criar um mal estar. E conversando com amigos percebi que não sou o único.




Tensão de fim de ano

O fim de ano tem tudo para ser estressante. Altos gastos com presentes de Natal, é preciso fechar o ano, as contas, fica-se pensativo com o verão, é preciso estar em forma. É sunga, viagem, réveillon, festas exclusivas caríssimas... O calor, suor, encontros de família, é todo mundo te cobrando presentes e espírito natalino. Você louco para ir para a praia, curtir o verão mas precisa ainda passar pela ceia, que é um ataque direto aos seus planos de secar... Enfim, fim de ano é tempo de paz.




Religião e intolerância – mensagem aos evangélicos

O cara religioso não concebe que uma outra pessoa não acredite em um Deus. Há até discordância quando uma pessoa é de uma religião diferente. Mas o ateu é pior do que o próprio demônio. Discutir com pessoas que colocam a ideologia religiosa como premissa em suas vidas é inútil. Eles não admitem a ciência, a sociologia, as leis humanas. Para eles, Deus está acima de tudo, e a lei é regida pela Bíblia.
 




10 motivos para acreditar que o Brasil é o país do futuro

A despeito dos problemas que temos em nosso país, fizemos uma lista para que nossos leitores vejam com outros olhos o momento que o Brasil passa. Ainda falta muito, mas basta acreditar.

1 – O país foi o que menos sofreu com a crise econômica mundial, graças às medidas preventivas tomadas ao longo dos últimos 12 anos, que acabaram com a inflação e protegeram o mercado financeiro de bolhas e especulações.




A ´puta´ da Uniban

Correu o mundo a notícia de que uma estudante da Uniban, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foi escorraçada após ir à aula com um vestido curto que mostrava suas pernas, no dia 22 de outubro. Homens e mulheres faziam coro e ela era chamada de “puta”, “piranha”, em vídeo postado na internet que demonstra a perseguição e a coação à jovem loira vestida de vermelho, a cor do pecado. Assustada, foi cercada em sua sala de aula e foi preciso a polícia para escoltá-la embora. Ela se foi aos prantos, no meio de mais de uma dezena de policiais.




Cadê a criatividade e luxo das baladas curitibanas?

Estou meio fora das baladas e ouço muitos amigos reclamando. Não é protesto, vamos tentar colaborar com a cena e resgatar a criatividade. Não estou generalizando mas o fato é comum e merece ser abordado. Deixando claro que me refiro às baladas curitibanas. Não fiquei sabendo de festa de Halloween por aqui em balada gay, tirando as da Manhattan, 1001 e SPM, que parecem que foram bacanas, sempre são, cheias de drags e animação. Mas e as outras?




Onde mora a felicidade?

Há algum tempo, quando me perguntam como estou, costumo responder que “se melhor estraga” ou então “só ganhando na Mega Sena para ficar melhor”. As duas frases refletem muito bem a fase que estou passando. Volta e meia a crise dos quase 30 me pega e eu fico preocupado com a forma física ou com as coisas que ainda não fiz na vida. Nessas horas, olho para trás, vejo quantas coisas fiz e penso que talvez eu tenha vivido uns 150 anos.




Parada da Diversidade de Curitiba: 150 mil pessoas e nenhum policiamento

Quem participou da XII Parada da Diversidade em Curitiba, no último domingo, ficou encantado com o evento que foi uma bela demonstração de organização e união, quando famílias, gays, lésbicas, transexuais, travestis, bissexuais, héteros e diversos segmentos da sociedade desfilaram com as cores do arco-íris pela Avenida Cândido de Abreu, no Centro Cívico. Só faltou uma maior participação dos governantes.




Músicas da minha vida

Aquele cheiro, aquela comida, aquele lugar, tudo sempre nos traz lembranças, muitas delas aparentemente esquecidas em nossa memória. As músicas são como trilhas sonoras da nossa existência, dizem muito quem somos ou fomos e trazem à tona fases do nosso passado. Todo mundo deve ter músicas que gostaram, algumas nem tão de bom gosto assim, mas que nos fazem lembrar muita coisa.




Morte em vida – A mãe do Diego

Esta semana, conversei com a mãe de um menino homossexual que se matou há quase cinco anos. O caso na época foi comentado na comunidade, assim como todo caso de suicídio, que infelizmente é uma realidade. Quem mora em região de prédios sabe que é mais comum do que se pensa. Diego se jogou do escritório de seu pai, aos 23 anos, do décimo sétimo andar, em plena rua XV de Novembro, em 2004, no Centro de Curitiba.




Por que as pessoas não denunciam a homofobia?

O sentimento normal de uma pessoa que foi vítima covarde de uma agressão é querer denunciar o fato, buscar reparação ou conforto. Passa-se ainda pela vontade de querer ver a Justiça sendo cumprida, mesmo que pelas próprias mãos. Porém muitos gays passam por um sentimento de culpa, pressão familiar e até mesmo vergonha e acabam preferindo esquecer o que passaram a tentar evitar que isso aconteça novamente.




Comercial do Doritos: Homofobia ou não?

Um comercial dos salgadinhos Doritos feito pela agência brasileira AlmapBBDO está dando o que falar. Na propaganda, quatro amigos no carro ouvem a música “YMCA” do Village People, comendo o produto, quando um deles começa a fazer a coreografia famosa. Todos olham, quando surge uma embalagem do produto e uma sirene de reprovação e a frase: “Quer dividir alguma coisa com os amigos, divide um Doritos.”




Mudar é bom

Quase sempre nos acomodamos em diferentes aspectos de nossa vida. Seja nos relacionamentos, nos fornecedores, ou mesmo em aceitar aquela cor de parede que achamos horrível. Conformamos-nos com o aumento da passagem do ônibus, a subida da gasolina, com o preconceito, com aquele parente chato que “suportamos”, mais por preocupação de se incomodar do que por bondade interior.




White Party é gay, White party é beneficente

Depois de receber o milésimo convite para uma White Party, resolvi falar um pouco da festa gay mais tradicional que há 25 anos arrasta uma multidão de gays norte-americanos para a Miami, Flórida. Nunca fui, mas tenho amigos que já foram e dizem que é impressionante. Festa com povo de branco sempre teve, vide o Reveillon, mas a White Party é muito mais do que isso e a tradição está se perdendo com as festas que estão surgindo com o nome, em todo mundo. Já tem White Party até no circuito hétero, vai ter uma na Pacha de Floripa!!!




Páginas