Coluna Vertebral

Antonio Alberto Pereira de Sousa

Sobre as teorias da origem da homossexualidade

Sobre o prazer de se acreditar no que bem entender
Ou sobre as conversas que não devem acontecer num primeiro encontro
Ou sobre as teorias que teorizamos
Ou sobre a utilidade da genética

Bom, fui me encontrar com esse cara, fomos num bar na Davie Street chamado Score, sentamos, bebemos e eu estava jogando toda minha lábia pra cima dele, é óbvio. Não que eu precisasse tanto assim, mas depois de término de namoro é bom testar pra ver se as habilidades ainda estão funcionando.




Cruising Parks

Nossa, me senti com quinze anos novamente... e isso é ruim. Seria bom se eu tivesse 50 anos, eu acho. Mas eu tinha 15 anos há apenas 6 anos atrás, não sinto saudade. Senti que tinha 15 anos porque fui caçar no parque, nossa, me senti no parque Barigui... Que vergonha!

Bom, conheci esse cara na internet (hey, isso é muito difícil aqui em Abbotsford, fiquei até assustado!). Um hindu. Bonito o cara, não era desses hindus barbudos com um lenço na cabeça e que não tomam banho. Ele tinha um sotaque estranho, mas eu provavelmente tinha um sotaque estranho pra ele também.




Sobre todas as coisas

Desisti de boates. O pior é que desisti de boates na mesma noite que decidi ser drag queen. O problema com a minha idéia de ser drag queen é que eu sou masculino demais pra isso, mas eu seria uma ótima drag queen, se fosse super magro, sem pêlos e miasse. Eu acho que mio. Toda bicha mia, não tem uma que não mie. Não adianta vir com essa história de que não, porque, na pista de dança todo mundo bate cabelo e faz carão. Apenas aquelas inseguras de si ficam todas retraidas, e, cuidado heim, isso dá câncer. Isso de ficar se retraindo. Desde os Menudos já se sabe disso (“Não se reprima!




Tira essa viseira!

"Tenho meditado e sofrido, embalada com esse corpo e seu aquático jazigo... pen san do que se a mim não deram esplêndida beleza, deram-me a garganta esplandecida, a palavra de ouro, a canção imantada..." Só pelas "palavras de ouro", porque cantar, só no chuveiro pra mim. Comecei citando esse trecho da Canção IX, Hilda Hilst, pois estou tendo momentos revolucionários e quase cotidianos de epifania.




Glorificai, idiotas, glorificai!

Eu sempre achei que pra alguém acreditar em Deus tinha que ser muito burro. Mas isso é passado! Agora a coisa se complicou; pra alguém acreditar em Deus tem que ser muito burro, ignorante e louco de esperto!

Acreditar em Deus é uma das coisas mais espertas ever! Quem não quer ir pro paraíso?
I mean, você tem duas escolhas:

1 - Ou faz do jeito Dele e vai pro céu

2 - Ou faz do teu jeito e vai pro inferno

...




Relatos de uma bicha no Canadá - Parte 2

Chegar a conclusões nesse lugar é impossível, a única possibilidade aqui não existe, e esse é o perigo. Where lie your desire?

Entende? Tudo, tem tudo aqui, tudo o que você quiser, mas nada ao seu alcance. Ao mesmo tempo em que tudo está ao alcance inerte das suas mãos, o tempo te curte, como o vinho.

Afinal, é o que dizem: homem é como vinho, melhora com o tempo, mas depois de muito tempo, azeda e vira vinagre.

And there is where lies the dangerous thing.
Who is able to say when it is wine or bitter?



Vontades que passam não me servem de nada

Vou escrever. Senão, eu morro.
Não um morro, eu morro mesmo. A vontade é tanta que vomito.
Sabe, sou autista, não sou autista de verdade, mas me sinto autista... eu vou ao bar com fones de ouvido. As pessoas nunca me pararam pra dizer nossa, você É autista. Acho que eu me sentiria feliz se isso acontecesse, porque prestariam atenção suficiente em mim pra se sentirem incomodados e proferirem tal obstante frase, mas não. Nunca disseram isso.




Para insultar os arrogantes e poderosos

Eu usaria drogas. Todas elas, de uma vez. Usaria sem culpa... se soubesse que não fazem mal ou desconhecesse o perigo (Já me acho um hipócrita por beber). Ruim não deve ser. Provavelmente é maravilhoso.Fora os danos psico-biológicos, ainda restam os danos sociais, com certeza piores.

Se o cara fica louco ou sem fígado, o problema é dele! Azar. Avisado ele foi.
Agora, toda a criminalidade (em geral) que isso acarreta, é problema nosso. Assaltos, homicídios, latrocínios e até a estética social, porque não?




Sobre a frustração de não ser bissexual

Não sei se esse é um bom momento para escrever. Tudo que vier a partir de agora será muito tendencioso... com gotas de tesão e lágrimas de tesão contido... alguma pitada de raiva, talvez... e, com certeza, litros de amargura... não aquela amargura alcoólica, que colocamos em drinks sofisticados... antes fosse! Aquela amargura me deixaria feliz! Mas essa amargura é aquela de sempre, aquela que destrói tudo aquilo que poderia ser bonito e grande, mas não será.




Trabalho: direito ou dever?

A cena é a seguinte: cidade grande; capital; cinco horas da manhã; milhares de pessoas acordando, cansadas, para irem trabalhar.

A outra cena: cidade grande; capital; cinco horas da manhã; um artista plástico acorda, bem disposto, entusiasmado e empolgado; deseja retratar em uma tela o sonho que tivera.

Outra cena: cidade grande; interiorana; cinco horas da manhã; um mulato rústico acorda, sem saber de si; engole algo; o Sol não acordou totalmente ainda; pega a enxada e vai carpir um terreno que não é seu.




Geração Saúde

Olha, como é legal ser saudável! Caminhar, fazer abdominais, suar, beber litros d’água, dormir e acordar cedo, flexões, barras, comer só coisas leves, frescas e, de preferência, sem calorias... já falei dos litros de água?

Bom, é tudo mentira, isso não tem NADA de legal! É horrível!
Ser da geração saúde está fazendo mal pra minha saúde!
Essa coisa de acordar cedo, andar quilômetros e depois voltar, fora os 325 tipos diferentes de abdominais que você tem que fazer pra partes do seu corpo que você nem sabia que existiam, até então.




O mundo é podre e a humanidade não presta


Domingo ensolarado em Curitiba (coisa raríssima!), eu, todo feliz, de bermuda, boné, chinelo (outra coisa rara!) e óculos... porém, solito... sozinho... alone... by myself... porque, nessa cidade linda e maravilhosa, os gays só pensam em trepar! Trepar! Trepar!

O que tem de errado com viver uma vida que não seja só sexo?! Será que é muito hormônio, o clima, o vento, a conjugação do Sol em relação à constelação de Andrômeda, o que, meu Deus?! O que?!




Utópico?

Um professor corrigiu um texto meu, no qual eu falava sobre o trabalho.
Eu argumentava que está na constituição, que é questão de honra e que o homem (espécie) tem direito ao trabalho, para poder suprir sua família e tudo o mais quanto lhe der vontade e blá blá blá.

Após todas as correções orto-gramaticais (eu sei que vocês quatro, meus leitores, já perceberam que eu erro bastante), leio uma observação, “utópico, perderia nota em conteúdo”.

Utópico?
Utópico, adj Referente a Utopia;




Raça...? Humana!

Estamos próximo a mais uma prova da Universidade Federal do Paraná (diga-se de passagem, está de parabéns por suas propagandas sobre diversidade) e eu, como todo bom vestiba, não optei por um curso ainda. Mas já sei o que declarar no questionário sócio-econômico.

“Quanto à raça, você se declara:”
- Humana

Em cor, estou entre rosa e ver-limão...
No quesito preconceito, a UFPR consegue se superar.

Declarar cor no Brasil?




Páginas