Colunas

As bermudas são proibidas ou Ridicularias no Brasil

Há, no Brasil, uma exigência de comportamento que me surpreende: a de turistas trajarem calças em dados ambientes (pelo que se lhes proibe, neles, o acesso de bermudas), como no prédio antigo da relação de Belo Horizonte, no palácio das Princesas de Recife (sede do governo pernambucano); pelo que me constou, também no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, no Rio de Janeiro, famosa pelos seus quarenta graus de temperatura, na canícula.
 
É verdade que, aos domingos, na visitação do palácio das Princesas, admite-se qualquer traje: chinelos, bermudas, mini-saias e



A desprofissionalização dos DJs e as exigências do mercado

Sempre dividi os deejays em duas categorias na hora de promover ou escolher os meus prediletos: os profissionais e os amadores. Aqueles que vivem deste ofício e buscam maior formação de um lado, e aqueles que fazem por mero hobby, passatempo ou complemento de suas rendas. Talvez por ver e viver a situação da profissão de jornalista, invadida por blogueiros e pessoas que acham que escrever notícias e criam uma marca online e acham que opinar é liberdade de expressão com garantia constitucional e não precisa de um diploma, sempre me identifiquei com os dramas que vivem os DJs amigos.



Etiqueta sexual não é crime!

Sexo para mim já foi casual, mas é intimidade. É ótimo quando se ama, mas é bom sempre. 
 
Independentemente do que seja para você, em uma coisa é precisamos concordar: respeito ao parceiro é mais do que necessário, é afrodisíaco!
 
Escrevo isso porque, em tempos de libertação sexual via apps de relacionamentos e afins, parece que as pessoas perderam o rumo... 
 
Como a oferta é tamanha e as dificuldades são quase nulas, basta ter local, meio de transporte e disposição para que um encontro recheado de segundas intenções aconteça.



A nossa culpa nos atentados de Paris e na tragédia de Mariana

Temos a capacidade de nos comover e rotular de tragédia toda forma de acontecimento que nos choca, geralmente com mortes e flagelo de outros, mas raramente analisamos de forma profunda a nossa contribuição para que isso tenha ocorrido. Somos, no fundo, insensíveis e hipócritas. Costumo indagar o papel do usuário de drogas “recreativas” na trilha de sangue do tráfico. Normalmente o consumidor final não tem contato com o submundo violento do mundo do narcotráfico, por isso, nada estraga as suas “viagens”.



Encalhados S/A

Estamos sozinhos por escolha, ou estamos escolhendo demais?
 
Não está sendo fácil pra ninguém. Esse mercado dos solteirões está ficando cada vez mais inviável. A grande maioria das pessoas está se colocando na vitrine de forma inconsequente, escancarando o produto, incrementando o rótulo com informações fúteis, criando uma campanha de marketing monstruosa sobre si mesmas, fazendo o diabo para tentarem se vender a qualquer custo.



Quando o instinto de sobrevivência nos faz anular o instinto de felicidade

Não há dúvidas que descendemos dos macacos. Alguns comportamentos humanos são tão impregnados por nossos ancestrais que não deixam dúvidas de que temos muito mais da selva em nós do que imaginamos. Em uma simples experiência, em um elevador, três pessoas entram e se colocam viradas voltadas para o lado contrário da pessoa que ali estava. Em questão de segundos, a cobaia humana também vira: quer fazer parte do grupo. O que chamamos algumas vezes de sociabilidade tem outro nome: instinto de sobrevivência.



Páginas