Colunas

Manual básico de como fisgar alguém

Depois de anos de namoro, o indivíduo novamente solteiro perde a noção de como conquistar uma pessoa. Fica ainda mais esquisito quando essa pessoa passa para a freqüentar meios antes desconhecidos como o ambiente da internet ou baladas. A pedidos, elaboramos um “manual básico de como fisgar alguém na boate”. Parece fútil mas é quase um trabalho social de readaptação para solteiros encalhados.




Guia para sair do armário

Este guia foi escrito para homossexuais e bissexuais de todas as idades que estão a pensar em se assumir. Sabemos que tomar a decisão de se assumir pode ser assustadora e desgastante. Por isso fizemos este guia. Acreditamos que informação útil e as experiências de outras pessoas em se assumirem podem lhe preparar para algumas das conseqüências que resultarão de se assumir perante a família e amigos.



É o fim do nosso amor?


Término de namoro dá mais do que novela: Dá saga épica em trinta e nove volumes e duas reedições...

Essa semana, recebi um e-mail de uma leitora que acabou de brigar com a namorada. Depois de sete anos vivendo na mesma casa - e do processo de adoção de quatro gatos - as duas se separaram.

Ela queria conversar, então marcamos de nos encontrar em um barzinho, onde poderíamos conversar. Ela, inconsolável, me revela o motivo da separação: "Foi a Sandra Bullock!".




Fantasma chamado Ex

De todos os medos e aflições que rondam uma relação, nada assusta mais do que o personagem do ex-namorado. Amores mal resolvidos e ainda mais a presença de alguém que já esteve no lugar do atual, parecem desestabilizar muitos namoros por aí. A comparação é obrigatória? Como era o ex na cama? Por que terminou? Quanto tempo ficaram juntos? A competição com os anteriores é natural e o medo de perder esse jogo mais compreensível ainda.




Sem preconceito?

O preconceito está a cada dia mais velado, discreto. É comum as pessoas falarem que não têm nenhum tipo de preconceito, que aceitam as diferenças numa boa. Mas a grande verdade é que a discriminação ainda existe, está cada dia mais enraizada em nossa cultura e se revela de forma quase impercebível.




Chá de panela? Nunca mais!

Ontem eu fui a um chá de panela.

Para quem não sabe como funciona, eu vou dar minhas impressões de marinheira de primeira e única viagem, porque esse foi o primeiro - e último - chá de panela que vai ver minha cara.

A noiva é uma amiga que eu tinha. Eu digo "tinha" porque, há aproximadamente três anos, ela foi recrutada por um grupo malicioso e aliciador, conhecido como Igreja Batista.



Páginas