Cultura

Teatro: Whitman por Cesar Almeida

O diretor César Almeida transforma a poesia do maior poeta norte-americano Walt Whitman (1819-1892) em uma superprodução híbrida de literatura e teatro underground. Personagens “puros” que remetem ao universo infantil em cenas de luta e caindo nas tentações carnais, além de uma cena onde George Bush e Bin Laden fazem as pazes em uma simulação de sexo oral e beijo, são alguns dos pontos altos da peça.




Calando a história

Os filmes americanos não são o melhor exemplo de cultura. Os documentários americanos às vezes expressam os valores daquela sociedade ao invés de reportar a realidade (basta comparar filmes feito pelos americanos da National Geografic com os filme da inglesa Discovery). Recentemente, dois filmes baseados em histórias reais calaram ou reduziram dois personagens gays. O filme Capote, que conta a história do livro reportagem obra prima do jornalista Truman Capote e o filme Flight 93, sobre um dos aviões seqüestrados no trágico dia 11 de setembro de 2003.




Walt Whitman o poeta do amanhã

Nascido em 1819 em West Hills, Long Island, Walt Whitman foi precursor dos versos livres e da abordagem de temas sociais, do erotismo, de temas polêmicos, da guerra, do capitalismo, da escravidão, da liberdade sexual, da literatura popular. Não à toa, é considerado o maior poeta norte-americano, senão do mundo.




Ken sai do armário

Em 2004, mais precisamente em novembro daquele ano, o ativista Allan Johan, criador da Revista Lado A, participou de uma coletiva de arte para universitários organizada na Universidade Tuiuti do Paraná - UTP. A mostra, intitulada O NADA, foi um esforço do Diretório Central dos Estudantes da UTP de levar arte para dentro da Universidade.



Imperdível: Zuzu Angel

O filme narra a vida da estilista Zuzu Angel (Patrícia Pillar) e o drama do desaparecimento de seu filho Stuart (Daniel de Oliveira) durante a ditadura militar nos anos 70. Por anos a fio, Zuzu desafiou os militares não se calando sobre o desaparecimento de seu filho. Foi assassinada e sua morte só deixou de ser oficialmente um acidente automobilístico nos anos 90.

Brasil, 2006 - Drama - 103 min. Censura 14 anos

"Eu não tenho coragem, coragem tinha meu filho. Eu tenho legitimidade”

“Desacato é impedir o direito sagrado de uma mãe de enterrar o seu filho”




Exposição: Mil vezes maldita

Exposição
“A arte maldita, a sociedade maldita, a hipocrisia maldita, o desespero maldito e a crença na fé e no amor”, do jovem Alexandre Linhares, traz  peças fortes em uma manifestação de afirmação da fé. 

“As peças da exposição vêm contando uma história de amor, evoluindo desde o amor de Deus – o próprio amor – até o encontro com a necessidade do amor do homem, que busca no divino a conquista dos seus sonhos e bases para a “felicidade”.




Canal Brasil exibe mostra arco-íris

O Canal Brasil exibe uma programação especial fazendo um panorama da representação homossexual no Cinema Brasileiro. A mostra foi intitulada arco-íris. Outros canais, como o Telecine - que exibe Priscilla, a rainha do deserto - também participam da programação do mês do orgulho GLS. O canal GNT traz três filmes contemporâneos.


Programação:

Homossexualidade e Cinema Brasileiro - 20/06 às 20h00  

Parada do Orgulho Gay - 20/06 às 20h30  

Curta Seqüência - Alaska - 20/06 às 20h45  

Cinco Naipes - 20/06 às 20h53  




Meu Amor de Verão

Fonte: Europa Filmes

Deixe-se seduzir por "Meu Amor de Verão"

Estréia em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, nesta sexta-feira, dia 12, "Meu Amor de Verão", vencedor do BAFTA (considerado o "Oscar" britânico) de melhor filme inglês de 2005.

O filme deve entrar em cartaz em Curitiba apenas no Unibanco Arteplex, no shopping Crystal Plaza.




GNT exibe filmes em semana gay

 

O canal GNT, da tv paga, vai promover no final do mês da diversidade a "semana da diversidade sexual", exibindo filmes com temática GLS. Serão três opções, duas produções que contam histórias lésbicas e uma comédia/drama com drag queens. As sessões começam sempre às 21h.




X Men III mantém discurso de aceitação

Como foi dito antes, os quadrinhos X-Men da Marvel revelam em seu subtexto uma forte identificação com os homossexuais. Eles vivem no submundo, escondidos e lutam contra a hostilidade dos outros que os consideram aberrações. As primeiras manifestações ocorrem durante a adolescência. Vivem isolados ou em comunidades, têm habilidades diferentes, são nascidos de pais “normais” e estão em todos os lugares.




X-men é uma visão da história dos gays?

Eles vivem no submundo, escondidos e lutam contra a hostilidade dos outros que os consideram aberrações. As primeiras manifestações ocorrem durante a adolescência. Vivem isolados ou em comunidades, têm habilidades diferentes, são nascidos de pais “normais” e estão em todos os lugares. Alguns se sentem solitários ou acham que são alvo de alguma maldição e sonham serem “normais”, enquanto outros lutam para que o mundo os aceite. Alguma semelhança?




V de Vingança

Ambientado em uma Londres futurista e vivendo sob regime neo-facista, o filme conta a história da jovem Evey Hammond (Natalie Portman) que tem sua vida salva por um homem mascarado que atende pelo codinome “V” (Hugo Weaving). Baseado nos desenhos homônimos de Alan Moore e David Lloyd, levado ao cinema pelos produtores Andy e Larry Wachowski, da trilogia Matrix, tem a direção de James McTeigue.
EUA, 2006 - Suspense - 132 min. Censura 16 anos.



Teatro do HSBC traz cinema arte

O Teatro HSBC, em parceria com o Cine Belas Artes, de São Paulo, traz três longas para Curitiba

“2046  Os Segredos do Amor” (2004)
co-produção de China, Hong Kong, França e Alemanha, com a direção do chinês Wong Kar-wai;

Quando: 13 a 16 de abril, às 14h, 17h e 20h;
Quanto: R$ 6,00

“A Dama de Honra” (2004)
Produção  italiana, francesa e alemã,
dirigida por Claude Chabrol;

Quando:  20 a 23, às 16h, 18h e 20h
Quanto: R$ 6,00

“Roma, um nome de Mulher” produção argentina do diretor Adolfo Aristarain.




Cinema: Irma Vap

Exatamente dez anos depois de ter lançado Carlota Joaquina – Princesa do Brazil, marco da retomada do cinema brasileiro, Carla Camurati encerrava, no primeiro semestre do ano passado, as filmagens de seu quarto longa-metragem como diretora, Irma Vap – O Retorno.




Páginas