homofobia

Desde 2011, Curitiba já teve 28 mortes por LGBTfobia; em um total de 94 no Paraná

Apenas este ano, de acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), que mantém o observatório online “Homofobia Mata”, foram registrados 16 casos de assassinatos de pessoas LGBT no Paraná, e 259 no Brasil todo.
Esses dados colocam o Paraná como o estado mais violento contra LGBTs do sul do Brasil (foram 5 mortes em Santa Catarina, e 9 no Rio Grande do Sul); e o quinto mais violento de todo o país, atrás de São Paulo (com 30 mortes até agora); Minas Gerais (com 29); Bahia (com 25); Rio de Janeiro (com 18); e empatad



Encontro de Psicologia em Curitiba terá profissionais que defendem a “cura gay”

A Associação Brasileira de Psicólogos em Ação (ABRAPSIA) promoverá o I Encontro da ABRAPSIA no feriado de setembro na cidade de Curitiba. O tema do encontro é “Em defesa da profissão” e contará com seis psicólogos palestrantes. Alguns assuntos abordados serão: hipersexualização e desamor entre adolescentes no século XXI, a agenda e políticas de gênero – “os direitos sexuais em crianças” e o curriculum nas universidades de psicologia: ciência ou objetivos políticos?



Homofobia: estudante é agredido na saída de colégio em Maringá e tem rosto dilacerado

Mais um caso de homofobia entra para as alarmantes estatísticas sobre a violência contra a população LGBT no Brasil. Em Maringá, Norte do Paraná, um estudante de 14 anos foi brutalmente agredido enquanto aguardava por seu transporte em uma parada de ônibus. O adolescente teve ferimentos graves e terá que passar por cirurgias para reconstrução da face.
 
Segundo informações da polícia, o adolescente aguardava o ônibus após sair da escola, na tarde de quinta-feira dia 09 de agosto.



Confusão e agressão homofóbica em panificadora na madrugada de Curitiba

Na madrugada do dia 27 de agosto, domingo, mais uma vez a intolerância e preconceito se manifestam no Centro de Curitiba. Bruno Oliveira, 21, e amigos deixaram uma casa noturna e foram até uma tradicional padaria 24h na Rua Vicente Machado. Na mesa ao lado, dois homens, ao perceberem a presença de Bruno e seus amigos, começaram a esbravejar com palavras homofóbicas tais como "esse tipo de vagabundo a gente tem que descer o pau. Colar eles na parede pra ver se vira homem", contou a vítima em seu perfil do Facebook. 




Ku Klux Klan incita abertamente violência contra gays nos EUA

Líderes do grupo KKK (Ku Klux Klan) de Louisiana, na região sul dos EUA, acreditam que membros da comunidade LGBT devem ser mortos com o objetivo de acabar com o HIV/Aids e para isso distribuíram panfletos estimulando pessoas a juntarem-se ao movimento. Nos panfletos encontrados na semana passada, que possuem diversos modelos, podem ser lidas frases como: “Acabe com a Aids: apoie o extermínio gay”, “Homens homossexuais e suas práticas sexuais são nojentas e desumanas.” e “Nossa raça é nossa nação”.



Após agir com transfobia e falar de Adão e Eva, Mara nega ser “homofóbica” e chora

Nesta quarta-feira (23/08), durante o programa Fofocalizando exibido pelo SBT, Mara Maravilha reagiu de forma preconceituosa a uma foto do novo visual de Ivana (Carol Duarte), personagem transexual da novela “A Força do Querer”, da Rede Globo. Mara soltou o seguinte comentário: “Deus fez Adão e Eva, agora inventaram Adão e Ivo. Ah, tá. A gente tem que respeitar, mas pra procriar, ainda é homem com mulher e mulher com homem”.



Curitiba: assassino é condenado a 32 anos de prisão por crime envolvendo homofobia e intolerância religiosa

Em fevereiro de 2009, em Curitiba, no bairro Portão, Lourinaldo Nunes dos Santos, 32 anos, mais conhecido como Pai Adoya e outro homem não identificado oficialmente, 30 anos, conhecido como Babalorixa Preta foram mortos a facadas. Os homicídios ocorreram na casa de Lourinaldo, que era pai de santo. O assassino foi levado pelas vítimas para um encontro sexual e em determinado momento passou a agredir o pai de santo e depois a esfaqueá-lo, totalizando 18 ferimentos. O amigo do pai de santo tentou impedir o agressor, porém também foi golpeado a facadas e morreu.



Intolerância provoca mortes no Brasil e no mundo, a comunidade gay sempre foi um alvo

Presente na história LGBT ao redor do mundo, os movimentos ideológicos de intolerância à diversidade foram avançando cada vez mais e ganhando força em países conhecidos pelo conservadorismo.  Ainda hoje, mais de 70 países condenam a homossexualidade com prisões, agressões e, em pelo menos cinco deles, com pena de morte segundo o código penal local. Os atentados recentes reacendem a necessidade de se discutir a intolerância.



As ditaduras que nós apoiamos e fingimos que não existem

Fala-se muito no perigo de vivermos novamente uma ditadura algum dia no Brasil mas não percebemos que há, em alguma semelhança, mesmo que estejamos em um Estado Democrático, algumas ditaduras que nos impõem. Vivemos como se elas não existissem ou não nos tocassem. Há algumas ditaduras, novamente com o perdão da palavra, que são comuns a todos, como a ditadura do amor: que te impõe a idéia que de precisa de outra pessoa para ser feliz, ou ainda a ditadura da própria felicidade, que é preciso ser feliz e alegre sempre.



Caso de professor morto em Curitiba expõe crime comum contra não assumidos

Gabriel Mateus Belinski, 21 anos, atraiu o professor de Biologia da rede pública Flávio Ávilla, de 53 anos, até a sua casa no bairro do Boqueirão onde ele e um menor mataram o docente no último dia 06, terça-feira. O corpo foi encontrado às margens da BR 277, em São José dos Pinhais, na sexta-feira, três dias após o crime. Assassino e vítima viviam vidas duplas, expostas após o crime.  



Após homofobia em bar, ativistas fazem protesto com beijaço

O professor de inglês Diego Nunes, 27 anos, escolheu o Bar do Ceará, no Centro de Curitiba para tomar uma cerveja  quando ele e o companheiro foram hostilizado após trocarem um beijo. “Aqui não heim”, teria dito o atendente com um soco sobre a mesa em que estavam. Atônitos, os rapazes terminaram a bebida e foram embora. O fato ocorreu na noite desta segunda-feira, dia 05 de junho. O Bar fica próximo a Catedral de Curitiba com a igreja matriz em um extremo da rua e a boate gay mais tradicional da cidade na outra, a Cats Club.



Barbárie: Adolescente gay é violentado e morto em São Luís

Lucas Carvalho de apenas 17 anos, foi encontrado em uma trilha na região metropolitana de São Luis, Maranhão, na última quinta-feira, dia 1° de junho. Ele foi encontrado com marcas de facadas, degolado, apenas de cueca. Há indícios de violência sexual. O corpo foi encontrado próximo a uma UPA entre os bairros Divineia e Araçagy, em uma região de restinga que leva ao litoral.




A homofobia custa ao Brasil 7 bilhões de reais por ano, segundo a UNAIDS

De acordo com estimativas calculadas pela UNAIDS, a homofobia custa ao Brasil 2,3 bilhões de dólares por ano – o que daria mais de 7 bilhões de reais por ano pela cotação média de março de 2017. O custo da homofobia para cada país é calculado a partir da construção de um índice de homofobia, que considera aspectos de homofobia institucional (legislação) e homofobia social (aceitação da diversidade sexual).




Projeto de lei Dandara dos Santos quer tornar o LGBTcídio crime hediondo no Brasil

Após a comoção nacional da morte da travesti Dandara dos Santos, em Fortaleza, em fevereiro deste ano, que teve seu assassinato filmado pelos assassinos, o Projeto de Lei nº 7292, que combater esses tipos de crime de ódio. Apresentado pela deputada federal Luizianne Lins (PT-CE), o PL propõe alteração do Código Penal para prever o LGBTcídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio e coloca ainda o LGBTcídio no rol dos crimes hediondos, alterando disso, o artigo 1º da Lei nº 8.072/1990. 




Vídeo de Testemunhas de Jeová ensina crianças que gays não entram no paraíso

As crianças não nascem mas  aprendem a ser preconceituosas e um vídeo na internet mostra muito bem isso. O desenho direcionado para crianças feito por uma associação de estudo da Bíblia da igreja Testemunhas de Jeová, de Nova York, está causando polêmica. Em “um homem e mulher”, da série “Seja amigo de Jeová”, Sofia questiona a mãe sobre a família de sua amiga Clara, que tem duas mães.



Páginas