homofobia

Polícia divulga retrato de homem que jogou ácido em gay de Curitiba

A Polícia Civil divulgou nesta segunda-feira uma imagem feita por computador do homem que atacou o homossexual Cleverson, 40, na noite do dia 13 de maio, Domingo, em uma rua do Alto da XV, em Curitiba. O homem moreno usava boné e capuz na hora do atentado e, segundo a vítima, deferiu a frase “Então toma isso seu ‘viado’”, antes de jogar o ácido que queimou Cleverson por toda a parte superior de seu corpo. A vítima está internada no hospital Evangélico e não corre risco de morte mas pode perder o olho esquerdo que está com a visão comprometida.



Memorial: Direitos Humanos e LGBTs

Hoje é Dia Internacional e Municipal contra a homofobia, 17 de maio. Quando apenas em 1990 a Organização Mundial da Saúde deixou de classificar a variante da sexualidade homossexual como um transtorno mental.  O amor que não se pode dizer o nome, como descreveu Oscar Wilde, já foi pecado mortal, motivo para prisão, doença. Ainda hoje, em mais de 70 países do globo, a homossexualidade é crime, em cerca de cinco destes territórios ainda é passível de pena de morte. Assim como no Holocausto, hoje, há campos de concentração de homossexuais, com trabalhos forçados, tortura e assassinatos.



Rapaz gay é atacado com ácido e pode perder a visão em Curitiba

Um ataque homofóbico brutal está sendo investigado pelo setor de Vulneráveis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Curitiba. No último domingo, Cleverson, um homossexual de 40 anos, vendedor autônomo, foi alvo de um suposto assalto em que acabou banhado com uma substância que o levou a ser internado em seguida com queimaduras por todo o tórax. O rapaz está internado no Hospital Evangélico, com queimaduras de segundo e terceiro graus, e corre risco de perder a visão de um dos olhos.



Curitiba tem vigília contra a LGBTfobia na Santos Andrade

Em 17 de maio de 1990, a homossexualidade foi retirada do rol de doenças mentais da Organização Mundial da Saúde.  Infelizmente, ainda hoje, mais de 70 países condenam a homossexualidade como crime e em cinco deles com a pena de morte. No Brasil, mais de 300 assassinatos LGBTfóbicos apontam que é preciso ainda lutar muito contra o preconceito e o ódio à gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis. Por isso o dia 17 de maio também virou um dia de resistência.



Polícia russa prende cinco ativistas LGBT que entregariam abaixo assinado ao governo

Desde que foi noticiado mundialmente que a Chechênia mantém campos de concentração para homossexuais, a Rússia – que proíbe com uma lei antigay qualquer “propaganda” da homossexualidade, vem sendo alvo de protestos e críticas. Esta semana, a polícia russa deteve cinco ativistas, em frente à Procuradoria Geral da Rússia, em Moscou, que buscavam entregar uma petição contra as ações do governo da Chechênia, território russo independente.



Dono de Funerária dos EUA se nega a cremar corpo de idoso gay

Você já imaginou se uma Funerária desistisse de oferecer seus serviços, depois de tudo acertado, porque descobriu que o morto tinha sido gay em vida? Pois essa é uma história real e aconteceu no Sul do estado do Mississipi, nos Estados Unidos. Robert Huskey, 86 anos, era casado com John Zawadski antes de falecer em maio do ano passado. A família do morto contratou os serviços de cremação da Picayune Funeral Home. Estava tudo certo para a empresa agilizar o processo de cremação do corpo, só precisava da documentação de liberação.



8 homens são presos por organizar “festa gay” na Indonésia

A Indonésia sempre esteve nos radares dos Direitos Humanos pela forma que os seus regulamentos regionais punem mulheres e LGBTs. Depois dos dois homens condenados a 100 chibatadas na província livre de Aceh, foi a vez de um grupo de 14 homens serem autuados pela lei anti-pornografia do país e pelo crime de organizarem uma “festa gay”, na cidade de Surabaya.
 
O chefe da polícia local Shinto Silitonga explicou que os homens foram pegos em flagrante em um quarto de hotel da segunda maior cidade da Indonésia.



Casal gay de idosos carioca é espancado e expulso de vila onde moram

O engenheiro Flávio Miceli, 60 anos, e o funcionário público Eduardo Michels, 62 anos, envolveram-se em uma briga na vila em que moravam, na Tijuca, no Rio de Janeiro, na noite de 21 de abril, quando foram reclamar das festas constantes e o som alto. Segundo o casal, os moradores do residencial aproveitaram a discussão para agredi-los fisicamente e verbalmente por conta de suas orientações sexuais. Flávio ainda carrega as marcas no corpo do espancamento, sua cabeça não para de doer e ainda tem dificuldades para enxergar com um dos olhos.



Goleiro da Ponte Preta faz comentário homofóbico em entrevista ao vivo

O Goleiro de Futebol Aranha fez uma declaração homofóbica em uma entrevista ao canal SporTv após a derrota do seu time, Ponte Preta, para o Palmeiras pelo Campeonato Paulista na semana passada. O jogador, que teria sido questionado sobre o seu condicionamento físico pelo repórter, respondeu dizendo que tem repórter que gosta de homem e, por isso, fica atrás de jogador sarado. 
 
Mesmo com a derrota, o time se classificou para disputar a final do campeonato estadual. Entretanto, o goleiro, que não fez uma boa partida, saiu de campo com o semblante fechado.



Contas do Estado Islâmico nas redes sociais são tomadas por imagens gays

Mais de 250 perfis no Facebook e Twitter do Estados Islâmico foram alterados pelo hacker WachulaGhost, como se auto titula. Os perfis agora contam com imagens da bandeira arco-íris do Orgulho Gay e links para sites pornográficos. As alterações são uma retaliação pelo ataque à Balada Pulse, em Orlando, onde um terrorista ligado ao EI matou 49 pessoas e deixou 53 feridos. 
 
O hacker deu uma entrevista ao portal da CNN, onde revelou que recebe imagens fortes com ameaças de morte todos os dias, endereçadas pelo E.I.



Quatro novas prisões para gays são encontradas na Chechênia

Inicialmente, o jornal russo Novaya Gazeta denunciou duas prisões na Chechênia que funcionavam no estilo de campos de concentração, prendendo e torturando centenas de homossexuais, uma na vila de Argun e outra em Tsotsi-Yurt. Correspondentes do jornal na região confirmaram a descoberta de mais quatro centros na região. Os jornalistas e funcionários do jornal recebem ameaças diárias de morte e são considerados inimigos do estado checheno. 
 
Evidências apontam que pelo menos seis prisões estão mantendo pessoas em cativeiro por conta das suas orientações sexuais.



Arquiteto gay é vítima de espancamento em festa em Ponta Grossa e corre risco de perder a visão

O arquiteto André Panatto foi socorrido por uma equipe de resgate depois de ter sido espancado em uma festa realizada no Centro de Eventos da cidade de Ponta Grossa, no último domingo, 23. Internado no Hospital da Unimed, Panatto sofreu várias lesões no osso da face e corre o risco de perder a visão do olho esquerdo. Advogado da vítima afirma que a agressão teria sido feita pelos seguranças da festa por motivos homofóbicos.



ONU divulga relatório que coloca o Brasil entre os países que desrespeitam os Direitos Humanos

A cada determinado período de tempo, a ONU (Organização das Nações Unidas) faz um trabalho de análise ao respeito dos Direitos Humanos em países do mundo inteiro, inclusive o Brasil. No Relatório da ONU apresentado este ano, avaliadores, especialistas e relatores colocam o país no hall das nações que contam com uma “discriminação estrutural”. Os direitos humanos da população LGBT são um dos tópicos preocupantes.



Embaixadas da Rússia são alvo de protestos contra campo de concentração gay

Parece que a história se repete para a Russia. Em 2013, no Brasil, e em 2014, na Argentina, ativistas LGBTs fizeram protestos contra as embaixadas russas pelas leis anti-LGBTs em vigor no país europeu. Agora, o protesto acontece na embaixada russa de Portugal, em Lisboa. O movimento “Um ativismo por dia” mobilizou centenas de pessoas para protestar contra os campos de concentração de gays na Chechênia.
 



Moradores de cidade do interior do Paraná querem solução para morte de cabeleireiro

O cabeleireiro Lineu Chicocki, 28 anos, desapareceu na madrugada de domingo, 26 de fevereiro, e seu corpo foi encontrado no dia 1º de março, carbonizado dentro de um carro queimado e abandonado em uma lavoura da sua cidade, Santa Izabel do Oeste, no interior do Paraná. Amigos e moradores da região pedem pelas redes sociais que os investigadores encontrem os responsáveis e punam o crime que tem fortes indícios de homofobia segundo seus amigos.




Páginas