internet

Artistas LGBTs são censurados pelo Modo Restrito do YouTube

A plataforma de compartilhamento de vídeos YouTube está causando polêmica entre artistas, youtubers e usuários gays, lésbicas, travestis, transexuais, bissexuais e simpatizantes. O motivo é o recém criado “Modo Restrito” para uso de crianças, que bloqueia conteúdos considerados ofensivos e pesados, ou seja, que teriam classificação para maiores de 16 anos. Este modo bloqueia vídeos de artistas como Lady Gaga, Pabllo Vittar e Lia Clark.
 
A repercussão foi negativa entre os usuários, de maioria jovem.



Após matéria, casal gay que ficou desempregado é vítima de comentários homofóbicos em portal

Geferson Ribeiro de Souza, de 21 anos, e Daniemerson Brito da Silva, de 27, trabalhavam como auxiliares de estoque na empresa WB Componentes até serem demitidos em novembro do ano passado, exatamente duas semanas depois de se casarem. Os jovens denunciaram o preconceito que sofriam dentro da empresa e, agora, por terem ganhado visibilidade, não conseguem encontrar um novo emprego. O casal também é alvo de homofobia em comentários dos sites de notícias, como G1.com. Comentários homofóbicos em matérias que envolvem homossexuais não é raro.



Transexual de São José dos Pinhais faz canal no YouTube para falar da sua transição

A atriz transexual Laysa Machado, que vive em São José dos Pinhais, criou um canal no YouTube para falar sobre a sua transição e suas experiências como uma mulher transexual. “Coisa da Laysa”, como é chamado, já está no ar desde agosto de 2016 e foi selecionado para o Prêmio Educando para o Respeito à Diversidade Sexual, do Instituto Brasileiro de Diversidade Sexual.
 
No primeiro vídeo do canal, Laysa fala sobre a sua transição, como foi o processo de identificação, descoberta e as mudanças de parâmetros ao se assumir trans.



Irmão gato de Luciano Huck sai do armário e lança canal falando de sexualidade

Diretor de documentários como “Coração vagabundo” e “Quebrando o Tabu”, Fernando Andrade, de 36 anos, é meio irmão do apresentador Luciano Hulk e se assumiu gay recentemente. Jornais do Brasil todo trataram sobre a sexualidade de Fernando, depois de ter dado uma entrevista à Folha de S. Paulo falando sobre como se sentiu ao se descobrir gay. “Criminoso” e “doente” foram as palavras que usou ao lembrar seus primeiros sentimentos de auto rejeição, algo muito comum entre jovens gays, bombardeados por preconceito de que ser homossexual é algo errado .



Atriz Global responde pastor homofóbico e diz que vergonha é lavar dinheiro com igreja

O Pastor Silas Malafaia estava fazendo suas postagens homofóbicas habituais quando se deparou com uma pedra de peso no seu caminho. Era a atriz global Vera Holtz, que se posicionou contra a lavagem de dinheiro que algumas igrejas evangélicas fazem. A resposta foi feita no último dia 02 de março e já foi compartilhada mais de 15 mil vezes só no Twitter. Veja o que aconteceu:
 
Silas Malafaia comentou de forma preconceituosa sobre a exibição de um beijo gay num desenho da Disney, que foi noticiado pela Lado A e você pode conferir clicando aqui. “AMANHÃ!



Jovens LGBTs expulsos de casa pelos pais contam com anjos para abrigá-los

Matheus - nome fictício - tinha 17 anos quando seu pai descobriu que ele era gay. O seu maior medo se tornou verdade. Motivado pelo machismo e homofobia, o pai de Matheus o espancou e expulsou de casa. Apesar da denúncia na delegacia, nada foi feito e Matheus precisou encontrar um abrigo que o acolhesse até arranjar um emprego e poder alugar um espaço para viver sozinho.
 
A história de Matheus aconteceu em Curitiba, em 2013. São linhas que se repetem todos os anos, com outros jovens em diversas cidades do país.



Depois de perseguido por causa de perfil fake, homem está processando Grindr

O que você costuma fazer quando se depara com um perfil fake em sites e aplicativos de relacionamento? Matthew Herrick, 32, de Nova Iorque, está vivendo um pesadelo com os perfis fakes do app e, por isso, passou a denunciar para o aplicativo Grindr. Mas, cansado de não obter respostas e soluções, Herrick entrou com um processo contra a marca, acusando-a de negligência, estresse emocional causado intencionalmente e propaganda enganosa. 
 
A história parece sair de um livro.



Famosos e anônimos vítimas da Aids ganham perfil homenagem com suas histórias no Instagram

Um homem anônimo de 42 anos, que vive na Escócia, criou um perfil no Instagram para servir como memorial às vítimas fatais da epidemia da AIDS que aconteceu nas décadas de 1980 e 1990. O mosaico traz perfis de pessoas importantes e anônimas do mundo todo que perderam suas vidas nessa batalha. O objetivo do criador é resgatar a evolução do tratamento e a história da comunidade LGBT que está ligada a esse período. 
 
The AIDS Memorial, como é chamado o perfil, traz histórias como a de Carl Wittman, ativista LGBT, David Cole, compositor e Danny Pintauro, ator norte-americano.



Meninos da pegação: Perfis que só te fazem perder tempo

O amor, dos dias de hoje, virou pizza. A gente pede por telefone, no conforto da nossa casa e, na maioria das vezes, não comemos sozinhos. E se não estiver boa, se esfriar, a gente joga fora e pede outra. Tem gente que liga e dá “piti”; tem aqueles que pedem outro sabor; tem alguns que comem, lambem os dedos e ainda ficam insatisfeitos; há, também, os que simplesmente se lembram da dieta e terminam numa ressaca moral difícil de conviver (isso que dá sair comendo qualquer coisa).



Fifa 17 tem kit do arco-íris com uniforme contra a homofobia

O jogo Fifa Ultimate Teams 2017, da EA Sports, em sua 24ª edição, simula os times de todo o mundo e este ano os jogadores podem baixar  uma opção de um kit com um uniforme com as cores do arco-íris. Os kits são populares entre os jogadores que podem personalizar seus times e jogar contra pessoas de todo o mundo online. O jogo é um dos mais lucrativos da história e muito popular.



Projeto MonaMigs reúne e ajuda pessoas que foram expulsas de casa

“E se você fosse expulso de casa hoje devido a sua orientação sexual ou identidade de gênero?”, assim questiona o projeto MonaMigs, lançado este ano na internet e que arrecadou R$22 mil no Catarse, por meio de 422 doações, para dar o pontapé inicial para o projeto. Criada por estudantes da UFPE que passaram por preconceito dentro de casa, a iniciativa apela para o senso de comunidade e solidariedade, oferecendo abrigo a pessoas que passaram por esta situação. 



Casal de namorados pede ajuda após um deles ser expulso de casa

Quem não consegue ver as dificuldades enfrentadas por jovens homossexuais, precisa ler essa história. Fabrício Almeida (esq.) e Alexandre Ventilari, 18 anos, se conheceram pelo Instagram e namoram há quase um ano. Ambos são populares nas redes sociais e da classe média carioca. Os rapazes viviam o primeiro grande amor quando o mundo aparentemente desmoronou. O pai de Alexandre descobriu, por alguém que mostrou as postagens na internet, que o filho era gay e o expulsou de casa.



Páginas