militancia

Campanha francesa emociona mostrando as dificuldades enfrentadas por LGBTs ao longo da vida

Um lindo vídeo universal foi criado pela ONG francesa Inter-LGBT interação social para mostrar ao mundo os estresses que pessoas LGBT passam ao longo da vida por conta de sua orientação sexual e questão de gênero. "Até que a sociedade progrida, nós continuaremos" diz o filme "The Obstacle Course" - "A corrida com obstáculos", que lembra que além de todos os problemas comuns aos outros cidadãos, os homossexuais precisam responder a medos e situações específicos em suas vidas.



Curitiba ganha Marcha contra as LGBTfobias no mês de maio

No dia 17 de maio se comemora a saída da homossexualidade do Índice de Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde em 1990. A data é comemorada mundialmente como Dia Internacional Contra a Homofobia e a Transfobia. No Brasil, um decreto federal reconhece a data oficialmente, bem como leis no Estado do Paraná e na cidade de Curitiba. 



Militante gay é morto em casa em Canoas na Grande Porto Alegre

André Pereira Santana, 28 anos, militante homossexual e portador de necessidades especiais iria em maio participar da Conferência Nacional LGBT mas na tarde da última sexta-feira (1º) seu corpo foi  encontrado em seu apartamento, no Centro de Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre. Segundo a polícia, André foi estrangulado até a morte. Marcas finas foram encontradas na região do pescoço da vítima, que trabalhava em uma empresa de elevadores. ​A militância local prestou homenagens ao jovem que era descrito como carinhoso e dedicado.



ONG Planting Peace declara a Antártica como o primeiro continente amigável aos LGBTs

A organização não governamental sem fins lucrativos Plainting Peace foi fundada em 2003 pelo americano Aaron Jackson e o haitiano John Louis Dieubon. A instituição, atualmente tem caráter internacional e mantém o princípio de trazer a paz para um mundo que enfrenta a dor diária do preconceito, da miséria, da repressão e da exploração. Por isso, sua atuação é dividida em diversas vertentes: direitos igualitários, orfanatos para crianças carentes, reflorestamento, distribuição de medicamentos e causas LGBTs.
 
As conquistas do grupo são gigantescas.



Evento em Curitiba lança carta com considerações para tratamento e testagem do HIV entre gays

Entre os dias 14 e 16 de março, ativistas e especialistas de todo o Brasil, além do México e Paraguai, reuniram-se em Curitiba para debater e apresentar estratégias sobre testagem, tratamento e prevenção combinada do HIV entre Gays e outros HSH (homens que fazem sexo com outros homens). Ao longo dos três dias surgiu uma carta com recomendações para pautar a ação do movimento e ações de enfretamento com o Estado daqui em diante, visando cumprir a meta 90-90-90 até 2020, estabelecida pela Onu.



Grupo Dignidade faz 24 anos, realiza prêmio e lança novo site institucional

O Grupo Dignidade, ONG LGBTQ paranaense com foco em políticas públicas e cidadania, comemora 24 anos de luta nesse mês de Março. Para celebrar, eles lançaram um novo site, que você pode conferir aqui, dando cara nova à comunicação da instituição, e também organizaram o Prêmio Aliad@s da Cidadania LGBT, onde 24 pessoas e instituições serão homenageadas pelo trabalho em prol da comunidade no ano de 2015.



Mapa da ONU acompanha a história da descriminalização da homossexualidade no mundo

A ONU, Organização das Nações Unidas, lançou esta semana o mapa “A história do direito de amar”. De forma interativa, o mapa mundi funciona como uma linha do tempo, onde você pode selecionar o ano e ver em quais países a homossexualidade era considerado crime. O Brasil, no mapa, aparece como um dos primeiros países a descriminalizar a orientação sexual “desviante”, entre 1830 e 1840, mas sabemos que a história não é bem essa. 
 
Brasil



10 livros que todo gay precisa ler

Apesar de o mundo estar abrindo os olhos para a diversidade sexual, a homossexualidade e transexualidade ainda são assuntos evitados por editoras de livros. A literatura LGBT, tanto acadêmica, quanto ficcional, é bastante restrita e os títulos não atendem as demandas exigidas pela comunidade. Entretanto, alguns poucos livros servem bem ao propósito, através de editoras alternativas e autores independentes. Dessa forma, a Lado A selecionou 10 livros que todo gay precisa ler, entre romances e teoria, enumerados aleatoriamente:



Transgrupo Marcela Prado realiza ato silencioso em cinema de Curitiba

Depois de ser proibido em alguns países do mundo, o filme A Garota Dinamarquesa, que conta a história da primeira transexual a passar pela cirurgia de readequação sexual, chegou ao Brasil. Diversos cinemas da capital paranaense se recusaram a colocar o filme no seu catálogo e, como relatou a OAB-PR, teve bilheteria que não quis vender ingresso para pessoas trans, alegando estarem esgotados os ingressos. Dessa forma, cerca de 50 transexuais foram assistir uma sessão do filme no Cinemark, do Shopping Mueller, reunidas pelo Transgrupo Marcela Prado e com entradas pagas por doações.



Conheça o novo Mapa do Orgulho LGBT do Google

Você já teve um momento especial de orgulho LGBT que gostaria de compartilhar com as outras pessoas para que elas também frequentassem aquele local ou soubessem que certa pessoa respeita a diversidade? Pois é, o que faltava era uma plataforma que agregasse essas histórias. Por isso, o Google um mapa, na sua interface do Google Maps, chamado “Lugares de Orgulho”.



Bicha: ser ou não ser, não é a questão (Bicha sim, pero no mucho)

O recente documentário pernambucano Bichas abre a discussão de forma impactante com jovens dizendo que são bichas. O termo, carregado de preconceito, é absorvido por parte da comunidade LGBT como forma libertária de apropriação do significado pejorativo. Há diversas hipóteses para o uso no Brasil da palavra. A mais coerente é que, segundo o livro "Além do Carnaval", do pesquisador James Green, veio do francês, da palavra “biche”, fêmea do veado, também usado por lá no passado para designar as donzelas. Aqui virou sinônimo de rapariga ou puta.



Grupo Dignidade comemora 24 anos de ativismo no Paraná

Quando um homem, principalmente se for homossexual, conta que tem 24 anos, pode esperar que em seguida vai vir alguma piadinha sobre esse ser o número do “viado” e uma série de risadinhas homofóbicas. Sabendo do estigma, o Grupo Dignidade, que completa essa idade em 2016, pretende se empoderar do número e fazer uma ação que prova o valor que a comunidade LGBTQ têm para a luta social. 



Drag queens invadem ALEP para homenagem para As Deendjers

Com direito a coquetel e sessão solene, as Deendjers, famosas drag queens curitibanas, receberam um certificado de Menção Honrosa no Plenário da Assembleia Legislativa do Paraná nesta segunda-feira. Com proposição da deputada Maria Victoria (PP), acolhida por unanimidade na casa, os cabeleireiros e maquiadores Thiago Vilas Boas Mendonça e Vinícius Lavezzo receberam destaque por seu trabalho artístico e cultural como drag queens. Nos diplomas, o nome "As Deendjers" recebia destaque. Um importante reconhecimento para todas as drag queens do Paraná.



ABGLT denunciará deputado Eduardo Cunha na Corte Europeia dos Direitos Humanos

O Presidente da Câmara dos Deputados, em Brasília, Eduardo Cunha, é bastante conhecido por suas decisões polêmicas e declarações homofóbicas, seguindo a maré de Marco Feliciano, Jair Bolsonaro, Levy Fidélix e outros políticos homofóbicos. O autor dos projetos de lei que penaliza a discriminação contra heterossexuais e institucionaliza o “Dia do Orgulho Hétero” vai ser denunciado na Corte Europeia dos Direitos Humanos pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - ABGLT.




Relatório GGB 2015: 318 LGBTs foram mortos no Brasil no ano passado

Segundo dados do Grupo Gay da Bahia, GGB, divulgados nesta quinta-feira, 28/01, em 2015 foram registrados 318 assassinatos de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros no Brasil. O número da homofobia letal no país é levemente menor do que 2014, quando foram registradas 326 mortes. Destas mortes, 52% são gays, 37% travestis, 16% lésbicas, 10% bissexuais. As mortes por arma branca e arma de fogo são a grande maioria. Os dados foram retirados de registros de jornais e como informa o grupo são menores do que a realidade.




Páginas