policial

Casal gay é agredido por homofóbicos em frente de balada alternativa no Batel

Mais uma agressão homofóbica ocorreu na noite curitbana. Dessa vez, o fato aconteceu próximo a uma casa noturna no bairro Batel, um dos bairros mais nobres e movimentados por jovens frequentadores da noite na cidade, em frente ao novo Bar James. No feriado de 7 de setembro de 2017, Guilherme Costa, 24, estava sentado com seu namorado Rafael em uma calçada logo em frente à casa noturna da qual haviam saído minutos antes, na rua Doutor Carlos de Carvalho, quando foram agredidos gratuitamente. Os agressores estavam dentro da casa noturna e teriam ameaçado as vitimas, segundo um dos rapazes.



Soldado denuncia em vídeo homofobia dentro de quartel da PM em SP

O soldado da Polícia Militar Adriell Rodrigues Alves Costa, 35 anos, em vídeo, como seu último recurso, afirma ser vítima de assédio moral, homofobia e tortura psicológica e física dentro do 39º Batalhão da Polícia Militar, em São Vicente, no litoral de São Paulo.  No vídeo divulgado na semana passada, ele diz "temer pela vida", e que, apesar das enumeras denúncias ao comando e corregedoria, nada foi feito. Segundo ele, apenas ignoraram seu apelo e, em forma de desespero, ele resolveu gravar o vídeo e publicar na internet para que alguma medida fosse tomada.  




Desde 2011, Curitiba já teve 28 mortes por LGBTfobia; em um total de 94 no Paraná

Apenas este ano, de acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), que mantém o observatório online “Homofobia Mata”, foram registrados 16 casos de assassinatos de pessoas LGBT no Paraná, e 259 no Brasil todo.
Esses dados colocam o Paraná como o estado mais violento contra LGBTs do sul do Brasil (foram 5 mortes em Santa Catarina, e 9 no Rio Grande do Sul); e o quinto mais violento de todo o país, atrás de São Paulo (com 30 mortes até agora); Minas Gerais (com 29); Bahia (com 25); Rio de Janeiro (com 18); e empatad



Homofobia: estudante é agredido na saída de colégio em Maringá e tem rosto dilacerado

Mais um caso de homofobia entra para as alarmantes estatísticas sobre a violência contra a população LGBT no Brasil. Em Maringá, Norte do Paraná, um estudante de 14 anos foi brutalmente agredido enquanto aguardava por seu transporte em uma parada de ônibus. O adolescente teve ferimentos graves e terá que passar por cirurgias para reconstrução da face.
 
Segundo informações da polícia, o adolescente aguardava o ônibus após sair da escola, na tarde de quinta-feira dia 09 de agosto.



Curitiba: assassino é condenado a 32 anos de prisão por crime envolvendo homofobia e intolerância religiosa

Em fevereiro de 2009, em Curitiba, no bairro Portão, Lourinaldo Nunes dos Santos, 32 anos, mais conhecido como Pai Adoya e outro homem não identificado oficialmente, 30 anos, conhecido como Babalorixa Preta foram mortos a facadas. Os homicídios ocorreram na casa de Lourinaldo, que era pai de santo. O assassino foi levado pelas vítimas para um encontro sexual e em determinado momento passou a agredir o pai de santo e depois a esfaqueá-lo, totalizando 18 ferimentos. O amigo do pai de santo tentou impedir o agressor, porém também foi golpeado a facadas e morreu.



Caso de professor morto em Curitiba expõe crime comum contra não assumidos

Gabriel Mateus Belinski, 21 anos, atraiu o professor de Biologia da rede pública Flávio Ávilla, de 53 anos, até a sua casa no bairro do Boqueirão onde ele e um menor mataram o docente no último dia 06, terça-feira. O corpo foi encontrado às margens da BR 277, em São José dos Pinhais, na sexta-feira, três dias após o crime. Assassino e vítima viviam vidas duplas, expostas após o crime.  



Polícia divulga retrato de homem que jogou ácido em gay de Curitiba

A Polícia Civil divulgou nesta segunda-feira uma imagem feita por computador do homem que atacou o homossexual Cleverson, 40, na noite do dia 13 de maio, Domingo, em uma rua do Alto da XV, em Curitiba. O homem moreno usava boné e capuz na hora do atentado e, segundo a vítima, deferiu a frase “Então toma isso seu ‘viado’”, antes de jogar o ácido que queimou Cleverson por toda a parte superior de seu corpo. A vítima está internada no hospital Evangélico e não corre risco de morte mas pode perder o olho esquerdo que está com a visão comprometida.



Rapaz gay é atacado com ácido e pode perder a visão em Curitiba

Um ataque homofóbico brutal está sendo investigado pelo setor de Vulneráveis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Curitiba. No último domingo, Cleverson, um homossexual de 40 anos, vendedor autônomo, foi alvo de um suposto assalto em que acabou banhado com uma substância que o levou a ser internado em seguida com queimaduras por todo o tórax. O rapaz está internado no Hospital Evangélico, com queimaduras de segundo e terceiro graus, e corre risco de perder a visão de um dos olhos.



Homem é vítima de roubo por cara do aplicativo que ameaça até seu cachorro

Mais um caso de polícia envolvendo homens desconhecidos em aplicativos de encontros gays. Desta vez, aconteceu em Boynton Beach, Flórida. No último final de semana, um homem, que preferiu não se identificar, marcou de encontrar por meio de um aplicativo de encontros Vadol Marquise Reed, de 22 anos, na sua casa. Dois homens encapuzados o abordaram, roubaram seus bens e ainda roubaram a casa e o cachorro da vítima.
 
Tudo aconteceu muito rápido. Ele estava chegando a casa de Reed quando dois caras com o rosto coberto saltaram e o abordaram.



Estado da Austrália revoga lei que protegia assassinos de LGBTs

Imagine no Brasil uma lei que protegeria assassinos de homossexuais com a alegação de defesa contra investidas. Pode parecer um absurdo, mas dois estados da Austrália contavam com uma legislação semelhante até que o Parlamento do estado de Queensland votou a reforma que revogou a lei do código penal. Conhecida como “Gay panic defense”, ou defesa por pânico contra gays, a legislação só está em vigor no estado da Austrália Meridional.
 
Em 2008, Wayne Ruks, 45, foi espancado até a morte no pátio da igreja católica St Mary de Maryborough.



Policiais serão interrogados sobre caso de Serial Killer do Grindr por ignorar evidências

Foi anunciado esta semana que 17 policiais de Londres, na Ingleterra, estão sendo investigados por uma comissão independente de reclamações sobre policiais por erros de condutas nas investigações sobre os casos dos jovens assassinados pelo serial killer Stephen Port, de 41 anos. Port teria matado quatro jovens num intervalo de cinco meses e, nesse intervalo, a polícia teria tratado as mortes como se não tivessem ligação.



Grindr se recusou a ajudar em caso de jovem desaparecido encontrado morto

O corpo de Dakota James, de 23 anos, estudante da Universidade Duquesne, na Pensilvânia, nos Estados Unidos, foi encontrado no Rio Ohio na altura de Robinson Township. Depois de mais de um mês desaparecido, o jovem foi encontrado morto sem suspeitas do que aconteceu. Ao longo das investigações do desaparecimento do jovem, a família de James e os investigadores tentaram obter acesso às mensagens e ao rastro do GPS do aplicativo Grindr usado pelo jovem.



Travesti é agredida até a morte e tem cenas de violência divulgadas na internet

A travesti Dandara dos Santos, 42 anos, foi morta no dia 15 de fevereiro depois de ser agredida por pelo menos 5 homens no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. O crime só repercutiu agora, com a divulgação das imagens de agressão e violência verbal na internet. A travesti foi brutalmente agredida e apedrejada, sem ninguém intervir em sua ajuda. Após aguardar 20 minutos por socorro, morreu desamparada. 
 
O vídeo mostra três homens dando chutes e batendo em Dandara com pedras e chinelos.



Morre adolescente gay que teve mangueira de alta pressão colocada em seu ânus no trabalho

O crime aconteceu na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Perto das 22h da sexta-feira, 03, o dono de um lavacar ligou para a família de um dos seus funcionários informando que o garoto de 17 anos precisava ser levado ao hospital por conta de "umas brincadeiras". O ocorrido foi que o dono, de 20 anos, e outro funcionário, de 30, seguraram o garoto e inseriram uma mangueira de compressão de ar no ânus do garoto.
 
Encaminhado pela família para a Santa Casa, o adolescente precisou passar por uma cirurgia e foi parar na UTI por ter rebaixamento de consciência.



Amizade entre jovem evangélico e lutador acaba em tragédia no interior do Paraná

No dia 18 de janeiro, Messias Ricetto, 34, foi encontrado por policiais em sua casa, após a notificação dos vizinhos, gravemente ferido e amarrado com fios em Bandeirantes, no interior do Paraná, a 450 quilômetros de Curitiba, no Norte do Paraná. Depois de 23 dias internado, o rapaz veio a óbito em Londrina. Estima-se que ele foi torturado e tenha ficado mais de 24 horas amarrado.



Páginas