trans

Carolina Ferraz vive trans em nova produção do cinema nacional

O filme “A Glória e Graça - O que define quem pode ser mãe?” estreia nos cinemas do Brasil na próxima quinta-feira e traz uma história inusitada interpretada por Carolina Ferraz. A atriz Global interpreta uma travesti que ficou 20 anos sem falar com a irmã, Graça, e se vê obrigada a cuidar dos sobrinhos porque Graça enfrenta um aneurisma. O filme questiona o preconceito e a construção do papel de mãe sendo apenas para mulheres cis.
 
O projeto do filme encontrou dificuldades para sair do papel, uma vez que trabalha a questão de gênero.



Cursinho Tô Passada de Curitiba comemora aprovações e abre inscrições para este ano

O “Tô Passada” é um cursinho preparatório destinados a pessoas trans, gays, lésbicas, bissexuais e travestis. O objetivo é ajudar a encaminhar alunos para serem aprovados no Exame Nacional do Ensino Médio, o ENEM, e conquistar aprovações em universidades do país. Outra vertente do projeto é dar suporte para o crescimento profissional do grupo, com oficinas sobre construção de curriculum, desenvolvimento pessoal e profissionalismo.



Companheira trans de detento consegue direito na Justiça para visita íntima

A transexual Gisele Alves de Oliveira, de São Luís do Montes Belos, em Goiás, solicitou o direito de visitar seu namorado na Unidade Prisional de São Luís de Montes Belos, que acabou negado pela diretoria do local, com o argumento de falta de segurança. Além da confusão de orientação sexual com identidade de gênero, a direção proibiu o detento de receber visitas íntimas, um direito seu.



National Geographic lança documentário sobre identidade de gênero

Depois da polêmica edição da revista National Geographic chamada “Gender Revolution”, o canal de TV pago NetGeo lança, também, inclusive no Brasil, o documentário “Revolução de Gênero: Uma jornada com Katie Couric”. É uma série documental que acompanha a jornalista e pesquisadora Katie Couric pelos EUA, em busca de médicos, cirurgiões, políticos, personalidades e nomes de referência quando o assunto é gênero. O filme, com mais de duas horas, também deve estrear em 171 países.
 
Em que idade nos aprendemos e aceitamos o nosso gênero?



Fantástico traz menina trans de 11 anos em nova série "Quem sou eu?"

“Olhe no espelho. Imagine que o que você vê não é o que você é”, é com essa frase que começa a primeira reportagem da série “Quem sou eu?”, que vai contar a história de pessoas transexuais em diferentes partes da vida, na infância, adolescência, vida adulta e mais além na terceira idade. A série é produzida pelo programa Fantástico, da Rede Globo, e apresentado por Renata Ceribelli. Na primeira matéria, apresentada neste Domingo, conhecemos Melissa, de 11 anos. 
 
A reportagem faz um paralelo com a história “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carrol.



Transexual de São José dos Pinhais faz canal no YouTube para falar da sua transição

A atriz transexual Laysa Machado, que vive em São José dos Pinhais, criou um canal no YouTube para falar sobre a sua transição e suas experiências como uma mulher transexual. “Coisa da Laysa”, como é chamado, já está no ar desde agosto de 2016 e foi selecionado para o Prêmio Educando para o Respeito à Diversidade Sexual, do Instituto Brasileiro de Diversidade Sexual.
 
No primeiro vídeo do canal, Laysa fala sobre a sua transição, como foi o processo de identificação, descoberta e as mudanças de parâmetros ao se assumir trans.



Imperdível, participe: Festival de Curitiba começa com Gaymada na Praça Osório

O Festival de Curitiba é o maior evento cultural do Paraná e até mesmo do Sul do país. Reconhecido por suas apresentações de teatro e dança, o evento traz novas manifestações e intervenções na edição de 2017. O “Campeonato Interdrag de Gaymada”, organizado pelo coletivo Toda Deseo, de Belo Horizonte,  fará intervenções na Praça Osório e no Passeio Público nos dias 29 e 30 de março, em uma tentativa de discutir a diversidade de gênero no espaço público.



Transexual é encontrada morta a pauladas em Florianópolis

A mulher trans Jennifer Célia Henrique, 38 anos, conhecida por Jennifer do Santinho, foi assassinada na madrugada de hoje. Seu corpo foi encontrado com sinais de estrangulamento e lesões hoje pela manhã, 10 de março, na região Norte da Ilha, perto do Angeloni dos Ingleses. Moradora da Praia do Santinho, ela era conhecida nas redes sociais e fazia consultoria de cosméticos.
 
Jenni foi encontrada pela polícia. O crime, que está sendo investigado pela 8ª Delegacia de Polícia Civil, colocou diversos fãs em choque. “Muito triste com a notícia. Partiu meu coração.



Dia internacional da Mulher: Travesti é encontrada morta em Laranjeiras do Sul

Uma travesti foi encontrada morta embaixo da passarela da Praça do Cristo, em Laranjeiras do Sul, no Paraná, na manhã de hoje, 8 de março, Dia Internacional da Mulher. A identidade ainda não foi revelada e a causa da morte não foi identificada, apesar de os guardas que encontraram o corpo afirmarem não ter sinais de violência e que aparenta ter morrido de motivos naturais.
 
Laranjeiras do Sul é uma cidade de cerca de 30 mil habitantes que fica na região Centro-Oeste do Paraná. O simbolismo da morte da travesti assusta.



Trans brasileiras são autorizadas por federações de vôlei para atuar em times no Brasil e na Itália

A participação de atletas trans em equipes esportivas de qualquer naipe e em qualquer país do mundo ainda é assunto para polêmicas. Recentemente, a atleta goianiense Tifanny Abreu conquistou o direito de competir entre as mulheres na Liga B de vôlei italiana, com autorização da Federação Internacional de Vôlei. Mas as diretorias dos outros times caíram em cima.



Amor & Sexo tem programa exclusivamente dedicado à comunidade LGBT

Com grandes nomes da cultura LGBT nacional, como Pabllo Vittar, Liniker, MC Linn da Quebrada e As Deendjers, o programa Amor & Sexo que foi ao ar na noite de 02 de fevereiro foi dedicado exclusivamente a falar sobre identidade de gênero e sexualidade, no estilo telecurso. A letra T, da sigla LGBT, que representa todas as identidades transgêneros, ou seja, que não se identificam com a construção cultural do binarismo homem-mulher cis, ganhou visibilidade.



Páginas