Pastor estuprou filho e enteado antes de incendiá-los, conclui inquérito

Redação Lado A 24 de Maio, 2018 19h57m

COMPARTILHAR

TAGS


Preso desde 28 de abril, o pastor George Alves, de 36 anos, é acusado pela morte de Kauã, de 6 anos, e Joaquim, de apenas 3 anos. Na noite de 21 de abril, o pastor estuprou, espancou e depois incendiou as duas crianças desacordadas. A conclusão do inquérito foi divulgada pela polícia nesta quarta-feira, dia 23 de maio.

O crime aconteceu na cidade de Linhares, no Espírito Santo. O pastor, padrasto de Kauã e pai de Joaquim, estava sozinho em casa com as crianças quando as estuprou. Na tentativa de simular um acidente que causara a morte dos menores, George os colocou na cama e ateou fogo nas vítimas.

Testemunhas disseram que viram o pastor andando de um lado para o outro, apenas de cueca, na sacada de casa. George não pediu ajuda até que os vizinhos começaram a perceber as chamas e oferecer socorro. Alguns vizinhos relataram que as crianças gritaram pedindo ajuda pouco antes do incêndio. As chamas começaram por volta das 2h20 da madrugada.

O acusado está detido provisoriamente por ter manipulado a cena do crime. Com a conclusão das investigações, a polícia acaba de pedir mais 30 dias de prisão. Segundo o inquérito, a mãe, também pastora, não teria participação no ocorrido. Juliana estava em um congresso em Minas Gerais com o outro filho do casal no dia do crime.

Controvérsias
Os depoimentos contraditórios que George prestou para o delegado e para a mídia levantaram uma série de suspeitas. O pastor alegou que colocou as crianças para dormir e que viu o fogo pela babá eletrônica. Contou ainda que tentou salvar as crianças e que devido a isso apresentava queimadura nos pés e nas mãos, mas o laudo da perícia não encontrou nenhuma lesão compatível.

Os laudos das investigações também apontam que as duas crianças não pediram socorro no momento das chamas, como relatou o pastor. Os corpos foram encontrados juntos na parte inferior da beliche, lado a lado, exatamente no foco de incêndio. Incinerados enquanto estavam desmaiados devido aos espancamentos que sofreram, os meninos também não tentaram se salvar, como relatou o acusado.

Resquícios de sangue de uma das vítimas foram encontrados no banheiro e no quarto incendiado. No mesmo dia em que cometeu o crime, George ministrou um culto na Igreja Batista Vida e Paz de Linhares. Na ocasião, o pastor enfaixou as mãos e os pés para sustentar a teoria de que se queimou tentando salvar as vítimas.

Outra investigação
A vida do casal já foi marcada pela morte de outra criança em 2016. A filha, de três meses de idade, faleceu por complicações de saúde e terá seu corpo exumado para investigações. A morte de Kauã e Joaquim levantou suspeitas sobre a conduta do casal com seus filhos.

O pedido de exumação já foi enviado pela Polícia Civil e o caso corre em segredo de Justiça. Na época da morte da menina não foram realizadas investigações pois o caso não levantou nenhuma suspeita. O falecimento da criança deverá ser apurado sob a suspeita de se tratar de mais um homicídio.

 

 

 

 

Redação Lado A

SOBRE O AUTOR

Redação Lado A

A Revista Lado A é a mais antiga revista impressa voltada ao público LGBT do Brasil, foi fundada em Curitiba, em 2005, pelo jornalista Allan Johan e venceu diversos prêmios. Curta nossa página no Facebook: http://www.fb.com/revistaladoa

Banner Marcação 1000x220

COMPARTILHAR

TAGS


COMENTÁRIOS