Conselho Federal de Psicologia publica livro com depoimentos de vítimas de “terapias de conversão sexual”

Redação Lado A 13 de Agosto, 2019 16h55m

COMPARTILHAR

TAGS


O livro “Tentativas de Aniquilamento de Subjetividades LGBTIs” reúne diversos depoimentos que passaram pelas ilegais terapias de reversão sexual. A obra é uma publicação do Conselho Federal de Psicologia (CFP). A publicação é uma tentativa de ouvir e divulgar as histórias dessas pessoas. A idealização do livro começou ainda em 2017, quando o CFP enfrentava batalhas judiciais para barrar as terapias chamadas de “cura gay”.

Em dezembro de 2017, a Comissão de Direitos Humanos do CFP reuniu pessoas LGBTI para ouvir suas experiências. Os traumas antes guardados na memória dessas vítimas agora vinham à tona. Com esse processo, o livro poderá mostrar o sofrimento das 32 pessoas entrevistadas e endossar a luta jurídica e social pela saúde mental e dignidade de pessoas LGBT+.

Os participantes selecionados fazem parte de várias regiões do Brasil. Foram entrevistadas pessoas com diversas orientações sexuais, identidades de gênero, cores, etnias e classes sociais. Ao final das entrevistas, os membros do CFP constataram que boa parte dos indivíduos que realizavam “terapias de conversão” tinham influência religiosa. Assim, até mesmo em consultas com psicólogos os LGBTs era orientados a se curar em nome de Deus.

O livro está disponível para download gratuito através do site do Conselho Federal de Psicologia.

“Cura gay”

Desde 2017 um grupo de psicólogos tenta derrubar a Resolução nº 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia. De acordo com o documento, nenhum profissional de psicologia está autorizado a realizar processos e sessões que pretendam mudar a orientação sexual ou identidade de gênero de seus pacientes. A resolução foi publicada em 1999, nove anos após a homossexualidade deixar de ser considerada uma patologia. Até então, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), considerado um guia científico de patologias, compreendia a homossexualidade como doença. Assim, o CFP entente que terapias de conversão consideram a homossexualidade como doença e essas terapias pode causar danos ao paciente.

Contrários à Resolução 01/1999, um grupo de psicólogos conseguiu na Justiça uma liminar. O juiz Waldemar Claudio de Carvalho concedeu a autorização para que esses psicólogos realizassem a terapia de conversão sexual. Além disso, a liminar suspendia a Resolução 01/1999.

Após a concessão da liminar, o CFP foi ao Supremo Tribunal Federal (STF)  para recorrer da decisão. Felizmente, a ministra Cármen Lúcia suspendeu a liminar autorizada por Waldemar Claudio de Carvalho e a Resolução 01/1999 foi mantida.

Redação Lado A

SOBRE O AUTOR

Redação Lado A

A Revista Lado A é a mais antiga revista impressa voltada ao público LGBT do Brasil, foi fundada em Curitiba, em 2005, pelo jornalista Allan Johan e venceu diversos prêmios. Curta nossa página no Facebook: http://www.fb.com/revistaladoa

Banner Marcação 1000x220

COMPARTILHAR

TAGS


COMENTÁRIOS