III Miss Curitiba Trans reacende tradição do Gala Gay

Nas décadas de 70 e 80, o tradicional Clube Operário era palco de uma das festas mais importantes do carnaval curitibano. O gala gay reunia grande parte da alta sociedade da cidade e travestis e transexuais que se apresentavam em concursos de fantasia e criavam uma grande folia em um baile muito animado.

A decadência dos anos seguintes fez o Clube fechar as suas portas no carnaval e o público desapareceu. Dizem que muitas travestis vinham da Europa dar pinta no baile do Operário. Agora, um projeto do Transgrupo Marcela Prado espera reacender a fama do evento com a realização da terceira edição do Miss Curitiba Trans, um evento para coroar a mais bela travesti e transexual da cidade. O evento conta ainda com o apoio das ongs Associação Paranaense da Parada da Diversidade (APPAD), Grupo Dignidade e Dom da Terra e da Secretária Municipal da Saúde e também do Sindicato dos Empregados do Comercio de Curitiba.

O concurso tem como objetivo promover a cidadania visando aumentar a auto-estima das trans, além de resgatar um pouco da história da cidade. O Clube Operário comporta 1200 pessoas e os organizadores esperam lotá-lo. Serão 15 candidatas e um juri composto por gays e pessoas de destaque na cidade, entre eles, este colunista. O clube fica no Largo da Ordem e os ingressos podem ser adquiridos por R$ 5 na hora do evento, dia 15/06, às 23h. Mais informações pelos telefones (41) 9656 8314 e (41) 3222 3999 ramal 22.


 


 

Categoria: 




Conteúdo relacionado