Assumir pra que se ainda não somos respeitados?

Essa notícia é desta semana, retirei do site do G1...
“A polêmica Lindsay Lohan apesar de não se desgrudar da DJ Samantha Ronson parece não querer assumir o romance, pelo menos oficialmente. Segundo o site Entertainment Wise, a atriz teria recusado oferta de US$ 1 milhão de uma revista top para assumir sua orientação sexual.”
Pensei, que situação! Afinal a atriz em questão tem seu reconhecimento pelo trabalho que faz ou pelo que prefere entre quatro paredes?

Quantos de nós somos obrigados a viver uma vida dupla? Vários! Explico... Trabalho há quase um ano com um grupo de pessoas. Como em todos os lugares temos mais afinidades com uns do que com outros. Dia desses uma das pessoas com quem tenho mais afinidade me perguntou se eu tinha namorado, respondi que sim. Passados alguns dias, essa mesma pessoa me perguntou se esse namorado tinha nome, respondi que sim, e acabei rebatizando minha namorada. A partir de hoje ela se chama “Pedro”.

Recebo inúmeros convites para happy hour com esta colega de trabalho, que está louca para conhecer o “Pedro” e apresentá-lo ao marido dela. Agora tudo que ela vem contando sobre o marido, vem com a pergunta na seqüência: como é o Pedro nisso, como é o Pedro naquilo, etc.

Essa vida dupla e que não me pertence é irritante, estressante e incômoda, mas assumir que namoro uma mulher neste ambiente está fora de cogitação!

Em meu trabalho anterior todos sabiam sobre tudo em minha vida, das brigas intermináveis com minha namorada, dos ciúmes que ela tinha de tudo e de todos, do fato de não permitir que eu saísse com meus colegas de trabalho, enfim, todos sabiam de tudo, e isso foi extremamente prejudicial na minha relação de chefe com meus subordinados. Hoje em dia não vivo mais essa situação, não sou chefe de ninguém, no entanto percebo no ambiente vários tipos de preconceito, racial, social e sim quanto a "opção" sexual. Isso ficou evidente nas conversas durante este ano que estou aqui neste trabalho. Não há alternativa, senão transformar minha linda, delicada, feminina namorada num “Pedro”.

Dureza é responder as perguntas de minha curiosa interlocutora que sempre quer saber o que fiz no fim de semana. Sigo respondendo a tudo, sem esquecer de transformar minha amada no “Pedro”, sem esquecer de dizer ele ao invés de ela.

Situação complicada e desagradável, pois sei que aos olhos dela, assim como dos outros colegas de trabalho terei minha competência diminuída diante da real "opção" sexual.

Sei de inúmeras pessoas que vivenciam a mesma situação diariamente, e que passar por isso não é uma opção. Todos gostariam de ter a liberdade de nos assumirmos, mas a questão é bem mais ampla. Não é o fato de sair ou não do armário. Eu particularmente não tenho nenhum problema com a minha sexualidade. Os outros é que continuam tendo.
Hoje sei que todos que trabalham comigo não tem dúvidas sobre meu potencial, minha competência, mas se soubesse de minha orientação tudo seria diferente.

Para alguns pode parecer ridículo em 2008 achar que é necessário esconder sua opção no trabalho, em família, ou onde quer que seja, mas quando dependemos do trabalho para sobreviver, e principalmente quando queremos mantê-lo este é um subterfúgio mais que necessário.
Basta ver o que está acontecendo com os sargentos do exército recentemente assumidos. Sem levantar o mérito da questão, se tivessem continuado a viver suas vidas duplas, ou dentro do armário nada disso estaria acontecendo.

Deve ser muito fácil e confortável, sair do armário para o mundo dando loas a liberdade de expressão, quando não se depende financeiramente de um emprego, para sustentar a si e a família. Sem tecer críticas, mas, a nova geração abre portas ao ser menos discriminatória e se mostrar ao mundo, no entanto quando estiverem em idade produtiva e dentro do mercado de trabalho certamente esta postura mudará.
A conclusão disso tudo é que ninguém precisa saber o que fazemos entre quatro paredes, porque assim pelo menos mantemos o respeito!




Comentários

concordo em genero numero e grau, é muito bonito relamente o discuso vc tem q assumir o q é, mas queria ver o esse povo trabalhando onde eu trabalho, fazer isso, principlamente pq trabalho só com mulheres entaum já viu né acho q ninguem mais ia chegar perto de mim ou me cumprimentar com bjo no rosto com medo que fosse agarra-las><...

Realmente tenho que concordar com seu texto. Por mais que não tenhamos problemas com nossa sexualidade o undo ainda tem e muito. É fácil realmente sair 100% do armário quando não se precisa trabalhar, quando se tem família bancando...mas a realidade é dura e as notícias dizem isso. Ainda são muitas as pessoas que são atacadas nas ruas, que apanham nas saídas das boates..... Sair do armário sim, mas sempre com algumas restrições. Infelizmente!!!!

Nossa. Vivo uma história idêntica. Trabalho em uma empresa que uma colega de trabalho fica as espreitas em tudo que converso com os outros no trabalho e ficava me perguntando sempre onde fui nos fins de semana. Às vezes pergunta ainda, mas desvio do assunto, também acho irritante isso. Além do mais de vez em quando vou almoçar com um colega de trabalho que todo mundo sabe pelos trejeitos, e alguns chegam a perguntar pra ele se eu sou gay. Vê se tem cabimento? Pra que saber minha orientação sexual? Isso afeta na sua vida? E noto também que os afeminados são os que mais sofrem, pois esse colega todos mantem uma certa distância, enquanto que comigo todos me tratam bem. Viver dentro do armário acho melhor do que fora, pois realmente isso faz com que os outros te olhem da pior forma.

Comentar

Conteúdo relacionado