Transtornos alimentares também atingem os homens

Transtornos alimentares são considerados doenças psiquiátricas que afetam, na maioria das vezes, o sexo feminino, adolescentes e jovens. Atualmente, este distúrbio está atingindo outro grupo: os homens. Os transtornos conhecidos como bulimia e anorexia nervosa e também a vigorexia, que é a necessidade de realizar exercício físico em excesso, estão acometendo homens com mais frequência.

Pelo fato de o foco de preocupação ser sempre com as mulheres e jovens, os homens ficaram um longo tempo fora dos estudos, porém, hoje, estima-se de que eles representem 10% do número de casos de anorexias e bulimia nervosa.

Em outros casos, homens representam um risco maior por exercerem profissões que exigem a preocupação com o corpo como: jogadores, bailarinos, modelos, lutadores de luta livre, corredores, ginasta, entre outros. Muitas vezes a busca pela felicidade constate e o perfeccionismo os leva para a compulsão. Os sintomas de cada uma delas são diferentes; a anorexia, exemplo é a perda de peso intensa, dietas extremamente rígidas, mesmo que a pessoas esteja com o corpo magro ela acha que está gorda, o que a leva a adoecer.

Já a bulimia nervosa tem como sintoma a rápida ingestão de alimentos, com sensação de perda de controle, acompanhados de métodos compensatórios para controlar o peso (vômitos, lachantes, entre outros). A vigorexia é a malhação exagerada, pode estar relacionada a uso de anabolizantes e a busca pelo corpo perfeito. A pessoa nunca está satisfeita com o seu tamanho e busca aumentar mais ainda a musculatura. Ela acaba viciando em endorfina e em se contemplar ao espelho.

As mesmas complicações médicas que ocorrem em mulheres devido aos transtornos alimentares acontecem nos homens, sendo que os homens sofrem mais de problemas circulatórios devido a desidratação. Muitos não admitem que tenha a doença, por medo, vergonha ou por achar que estão fazendo a coisa certa, criando um círculo vicioso. O primeiro passo para tratá-la é pedir ajuda, ouvir e procurar soluções com um profissional de saúde.

Categoria: 




Comentar

Conteúdo relacionado