Jovem gay militante de Curitiba sofre discriminação em lanchonete

O presidente do Centro Paranaense da Cidadania (CEPAC), Igor Francisco, de 19 anos, estudante de Comunicação Institucional da UTFPR, e mais três amigos estavam na madrugada desta terça feira, dia 12, em uma lanchonete na região central de Curitiba quando foram surpreendidos pela postura agressiva e preconceituosa de funcionários da lanchonete X Bom, ao lado da Rua 24 horas. Por volta das 2h30 desta terça-feira, Igor, um paquera e um casal de amigos terminavam seus lanches antes de irem para casa quanto dois deles, namorados, foram para a frente do estabelecimento fumar, conforme sugere a lei antifumo vigente na capital paranaense.

Igor percebeu que um de seus amigos era empurrado, do lado de fora do estabelecimento por um dos garçons do local, e partiu para seu auxílio. Do lado de fora, os quatro rapazes foram hostilizados pelo garçom, que afirmou que “se não soltassem as mãos, iriam apanhar”. Ciente de que estava em local público, Igor deu a mão a seu companheiro. Ele também foi agredido e precisou se defender do ataque do funcionário. O jovem então chamou a gerente que apoiou a atitude do colega de trabalho e afirmou ainda que ali se tratava de um “local de família”. A funcionária chegou a disser que era “entendida” e que mesmo assim “não admitia pouca vergonha no seu bar”.

Os rapazes então acionaram o advogado do Centro de Referência LGBT, que funciona em espaço integrado com o próprio CEPAC, qual Igor preside, e o Grupo Dignidade. Com instrução para lavrar um boletim de ocorrência, o ativista foi até o Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão, no bairro do Portão. O jovem ainda precisou assistir o descaso do policial de plantão que tentou fazê-lo não registrar a queixa, afirmando que não seria necessário, já que o jovem não estava machucado. Apesar de não perceber homofobia, Igor teve que ligar novamente para seu advogado e ouvir do policial frases como “estou fazendo porque eu quero, não porque seu advogado pediu”, entre outras que mostram a indisposição do funcionário público para registrar a ocorrência, possivelmente decorrentes de um preconceito contra homossexuais e falta de treinamento.

Igor irá processar o estabelecimento e os autores da agressão por danos morais e lesão corporal. O processo será conduzido pelo próprio Centro de Referência LGBT, que aguarda aos outros rapazes registrarem o ocorrido. A agressão causou revolta em alguns militantes locais que já tentam organizar um beijaço no local. Lembrando que entre os dias 27 e 30 de janeiro, Curitiba recebe aproximadamente 400 militantes gays de todo o continente americano para a Conferência da ILGA-LAC, organização braço da International Gay and Lesbian Association na América Latina.

 




Comentários

Acho digno o povo parar de "dar" dinheiro para estabelecimentos comerciais que agridem homessexuais.

Aqui em Joinville tem o bar Talentus, que é amplamente frequentado por gays, principalmente pela falta de um bar gay em Joinville e pela proximidade com a Ivyx (se tornando assim point gay). Porém nesse estabelecimento tem uma regra. Casais homossexuais não podem se beijar, e se ficam muito juntos, são olhados com reprovação. E eles usam o mesmo argumento "um restaurante de família". O que eles não entendem é que no minimo75% do faturamento deles vem de pessoas homossexuais. Enfim, sobre este caso, espero que os homofóbicos sejam punidos, mesmo sabendo que a punição será no máximo uma cesta básica... :/ Parabéns pela revista / site!

OLa, uma noite dessa eu e um ficante tavamos nos beijando perto do passeio publico, e chegou dois policiais falando que nao era local e falou que so dando uma boa liçao " bater em nós" , que dai nós iamos aprender....

Concordo com o Antonio... Vamos boicotar o lugar e mostrar que exigimos respeito... Vamos procurar lugares onde somos respeitados... Essa com certeza é a maior prerrogativa de mercado nos tempos atuais, sobrevivem os estabelecimentos que respeitam seus consumidores...

VEJAM QUE ABSURDO GENTE: COMO ALLAN JOHAN, EDITOR DA REVISTA LADO A, ADIANTOU, CURITIBA RECEBERÁ ENTRE OS DIAS 27 E 30 DE JANEIRO UMA DAS MAIORES CONFERÊNCIAS GAYS DO MUNDO, A ILGA-LAC. CONTUDO, PERCEBO QUE CURITIBA NÃO ESTÁ PREPARADA PARA TAL. POR QUÊ? VAMOS AOS FATOS: - PRIMEIRO, A MAIORIA DOS VEREADORES DE CURITIBA (BANCADA DE APOIO AO PREFEITO BETO RICHA) VETOU O PROJETO DA VEREADORA PROFESSORA JOSETE QUE CONCEDIA O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA À ORGANIZAÇÃO QUE ORGANIZA A PARADA GAY DE CURITIBA. PS:O MINI PSEUDO-CLUBE DE FUTEBOL DO VEREADOR JOÃO CLÁUDIO DEROSSO RECEBEU O TÍTULO, ASSIM COMO DIVERSOS CLUBES DE MÃES E ASSOCIAÇÕES DE MORADORES; - AGORA, OLHA O QUE LI NO TWITTER DO VEREADOR MARIO CELSO CUNHA, QUE É O LÍDER DO BETO RICHA NA CÂMARA: "@mariocelsocunha Cartas revelam que o ator de Harry Potter pode ser gay. Que revelação besta.Ele não larga da varinha/senta na vassoura.Queria o que ?Só pode" PIADA? PODE SER. CASO AFIRMATIVO, FOI DE PÉSSIMO GOSTO E HOMOFÓBICO. VAMOS FAZER COM QUE ESSE VEREADORZINHO VOLTE DO BURACO QUE SAIU. VAMOS EXIGIR O DEVIDO RESPEITO. ESCREVAM PARA O @mariocelsocunha AQUILO QUE ESTÁ ENGASGADO NA GARGANTA DE VOCÊS. COMO SE JÁ NÃO BASTASSEM SUAS RECEITAS DE SIMPATIAS. VÁ TRABALHAR MARIO CELSO, QUE É PARA ISSO QUE É PAGO. . . E MUITO BEM PAGO.

Eu queria saber onde posso receber apoio sobre atitudes como essas, que acontecem a varios lugares.pois todos os dias estamos sendo descriminado de algumas forma e muitas vezes não sabemos como proceder, atitudes como essas e como outras, que acaba acontecendo com o povo gay e nos intimidamos porque não temos um apoio legal, contra atitudes assim Gostaria saber se onde recorrer e se existe alguem lugar que possa nos orientar de assuntos assim. Pois trampo em uma empresa e tenho um gargo importante e estou cansado de fikar ouvindo piadinhas e chacotas sobre sexualidades e efim... Eu qria um apoio do que devo fazer o e que não devo. Pelo amor de Deus Levantem essa bandeira contra o preconceito e falta de respeito.

Esse caso lamentável mostra o quanto a administração de Beto Richa é incompetente e precária em referência à causa LGBT e ao trabalho irrisório dos policiais de Curitiba. As eleições estão aí, e eleger um canditado desse quilate custará um alto preço para o grupo LGBT da sociedade, assim como para o eleitorado inconsciente do seu voto. Vamos pensar muito bem na hora do voto, e negar essa podridão monstruosa que envenena com malícia o estado do Paraná e, sobretudo, a cidade de Curitiba, que mais uma vez confirma a nós, eleitores e LGBTs preocupados com a violência absurda que nos achaca, a irresponsabilidade da gestão Beto Richa, considerado como um homem inepto e assassino da moral comportamental LGBT. Não votemos Beto Richa, porque queremos mais do que nada evitar esse crime hediondo de violência brutal. Fica a minha bronca.

Comentar

Conteúdo relacionado