Bichas cultivam jardins

Primeiro, Facebook é perda de tempo. Vai plantar flores ou fazer algo útil. Uma das coisas mais detestáveis no Facebook é quando o cara coloca aquele app no Iphone que atualiza seu status cada vez que você está em um lugar diferente. Ódio daquilo.

Ou pessoas que mudam de status a cada insignificante insignificância que cometem. Segundo que falar sobre ser gay já não é novidade desde Oscar Wilde. Não tem nada de wow ou surpresa ou guilhotina.
Terceiro, puta é um estilo de vida, não um "abandono da honra por uma vida fácil".

Sim, esse é o meu textículo em resposta a "Bichas não plantam flores".

Me senti super ofendido com aquela coisa (não sei se é um artigo ou não). Não que eu seja puta, nem drogado ou passe cantada por Facebook. Mas me sinto ofendido toda vez que alguém se acha no direito ou dever de julgar a vida alheia. O cu é meu e eu dou pra quem eu quiser. Pronto, falei.

Pra tentar deixar tudo mais bonito, a bonita vai e tentar criar um gap entre bicha e homossexual. Tenta criar uma barreira com definições baseadas na percepção obtusa e rasa que tem do mundo. Não uso drogas e sou contra, mas porque acho uma perda de tempo e neurônios, não por divagações e difamações sobre os motivos que levam alguém a usá-las, simplesmente porque são caras e, na maioria das vezes, não há vantagem alguma.

Não lembro quando foi a última vez que fui pra boate mas acho um meio ótimo pra conhecer pessoas e abranger o círculo social, e não a social network do Facebook. Não passo cantada por facebook / orkut / tweeter / etc por que sou casadérrima, mas se você está com tesão e quer trepar, porque não? Se você recebeu a cantada e simplesmente não está afim, deleta. Não precisa fazer um ensaio sobre o assunto.

Mas o pior é fortificar o preconceito e se achar digna. Isso, é... isso é o pior. Desserviço ao meio GLBT que tem lutado tanto pelo direito de ser bicha, de ser o que quiser, pra uma qualquer chegar e decidir julgar Deus e o mundo só porque recebeu uma cantada no Facebook.

Parece mais recalque... ou o nebuloso prazer de expor o fato que recebeu uma cantada.

Bicha, se manca.




Comentários

Que eeeesso! agora as pessoas não tem mais direito de expressar o que pensam sobre o estilo de vida de outras ? O "gap" citando, homossexuais/bichas, foi apenas um meio de expressar indignação, que de fato tbm sinto, pq a imagem dos gays por aí não é nada boa graças a muita gente, né?! O simples fato de ver a pegação em meio a parada gay, que deveria ser um meio de protesto para que consigamos mais direitos, igualdade e reconhecimento perante a sociedade, já nos mostra que algo está errado... pense

Eu achei que ficou meio "confuso" o argumento dele. O texto anterior comparava a diferença entre os termos: HOMOSSEXUAL e BICHA. Gostei da forma como o autor elucidou as diferenças. O Homossexual como um sujeito que pode ser (másculo, efeminado e feminino) porém que age sem hipocrisia, não tenta passar uma imagem de "politicamente correto" mas ao mesmo tempo possui atitudes politicamente corretas. Enquanto a BICHA é aquela pessoa que não sabe aproveitar o meio social de uma boa maneira. É aquela pessoa que vai na boate com más intenções, de fazer intrigas, inimizades, de falar mal dos outros no círculo de fofocas, que fala mal da fulano por usar drogas - mas também cheira no banheiro da boate. Chama o fulano de passiva, mas sua preferencia na cama também é ser passivo. Fala da dignidade e de respeitar o namorado, mas é o primeiro a fazer um sexo sujo em qualquer banheiro e com qualquer pessoa. É aquele que diz ser amigo das pessoas mas não consegue guardar um segredo ou ter uma ação de fraternidade. Enfim... Foi isso que entendi, ninguém falou de liberdade de expressão, acho que o autor precisa ler com mais calma e verá que não houve intenção de ofender ninguém. A não ser que a carapuça serviu, dai o melhor é repensar seus atos e bola pra frente. Sempre devemos mudar pra melhor.

Bruno: A imagem dos gays não melhor que a imagem dos heteros, a sociedade preconceituosa tenta empurrar (e consegue) guela abaixo que os gays são isso e aquilo e que heteros são santos... Pegação na Parada Gay não pode mas sexo na novela pode? Porque? Almir : Criar uma diferença entre HOMOSSEXUAL e BICHA só faz aumentar o preconceito conectado ao termo. Se os próprios gays criam esse preconceito, vocês estão dando qualquer um o direito de praticar o mesmo. Tentar criar uma diferença entre os termos pra tentar enobrecer o preconceito é vão e medíocre.

Com certeza o fato de alguém se ofender com uma cantada no face a achar que pode sair julgando as pessoas é absolutamente ridículo, ou tentativa de dizer a todos o quanto se acha superior aos demais tentando assim chamar atenção!!!! Concordo plenamente com o Antonio: Desserviço, afinal já ta cheio de gente por aí, enrustido ou não, pra falar mal de nós!! Dizer que ser bicha é ser suja, e ainda apontar um paradoxo entre bicha e homossexual é cuspir na nossa cara, chega de tentar rotular as pessoas... o rotulo gay já é demasiadamente pesado para ostentarmos não precisamos de mais nenhum, muito menos um que venha de alguém do mesmo meio!!! Já dizia a minha vó: "Nem os dedos da nossa mão são iguais, porque as pessoas devem ser??" Quanto a "aproveitar o meio social de uma boa maneira", me poupem.... Afinal de contas que boa maneira é essa? Aquela imposta pela sociedade preconceituosa?? Se for me nego, prefiro ser bicha, viado boiola, sei lá mais quantos apelidos ordinários, mas ser o que Eu quero ser, e não o que os outros querem que eu seja!!!!

C.E.M. : Li e reli meu trxto e ainda n conaegui encaixar o seu comentário nele. Aonde é que eu acuso o seu estilo literário????????????????? Pra mim, conteúdo sempre tem prioridade à forma

Concordo com toda a opnião exposta. O que não significa que a acolho. A vida é assim. E assim é a LIBERDADE. A gente retém o que tem fundamento dentro dos nossos conceitos. O resto, a gente descarta. E só. Agora, quanto à técnica utilizada na escrita... Nós vamos falar sobre estilos literários? Não... Não vamos, sabe por quê? Porque, como escritor, ainda tão ignorante quanto a alma do mundo, consultando o que segue - Artur da Távola: “A crônica é o samba da literatura. É ao mesmo tempo, a poesia, o ensaio, a crítica, o registro histórico, o factual, o apontamento, a filosofia, o flagrante, o miniconto, o retrato, o testemunho, a opinião, o depoimento, a análise, a interpretação, o humor. Tudo isso ela contém, a polivalente direta e simples, como um samba. Profunda, como a sinfonia”.¹ Mário de Andrade “Conto será sempre aquilo que seu autor batizou de conto.”² Luiz Beltrão: “O artigo e a crônica escapam aos limites restritos do editor, dos princípios gerais e das teses orgânicas da empresa, dos compromissos e diretrizes que esta mantém e busca traçar para o comportamento público”³ - tenho de concordar com todos e outros mais, principalmente com a linha editorial da grande maioria dos veículos informativos, que sempre trazem estampada a ressalva típica: “Os artigos publicados com assinatura dos autores não traduzem necessariamente a opinião do veículo”. Logo, dada a MINHA assinatura na ocasião, considero o direito de escrever MINHAS crônicas, contos, artigos ou poesias, citando Baudelaire : “À vossa escolha”. ¹ Textos Seletos. Adalberto Lima e outros. Editora Pensata. Rio de Janeiro. 2008 ² Gêneros Literários. Ártica. S. Paulo. 2006 ³ BELTRÃO, Luiz. Jornalismo opinativo. Porto Alegre: Sulina, 1980. p.64-66

Achei tremendamente maravilhoso seu texto... realmente precisamos olhar mais para o próprio umbigo antes de ficar julgando os outros... não é porque uma pessoa "acha" que todos deveriam ser discretos ou não deveriam chupar durante a parada que todos devem seguir esse ideal... cada um age do jeito que quiser e assume as responsábilidades por seus atos, pois todos devemo ter o direito inalienável da escolha...

eu só acho que se não queremos ser julgados pela maioria das pessoas, se queremos conseguir algo, conquistar direitos, etc... devemos ter um pouco mais de respeito... compostura não faz mal a ninguém... não devemos chocar, nem escandalizar as pessoas... na minha opinião, desse jeito, não chegaremos a lugar algum... para isso existem as leis relacionadas ao pudor, que servem tanto para héteros quanto para homossexuais... acredito que a parada não poderia se transformar em um local de pegação... mas penso que isso talvez aconteça porque algumas pessoas bebem um pouquinho além da conta e acabem aflorando, demasiadamente, seus desejos...

Olá Beto! Tudo bem? Gostaria que você comentasse mais sobre sua formação profissional na arte da literatura. Afinal já que você propôs encontrar um estilo literário no texto do Carlos Eduardo, pressuponho que você seja um intelectual, com um vasto conhecimento em literatura Brasileira. Eu, como mero leitor, apenas posso apreciar os textos, nada mais. No máximo discordar de algum tema! Mas você, que há anos participa aqui, e sempre analisa os textos ,poemas, crônicas, contos, etc... Deve ter um cabedal de conhecimento a ensinar neste fórum. Por favor, discorra mais sobre isso.

Ricardo: Eu concordo com respeito e compostura, acho elegante. O meu problema não é esse, eu discordo da idéia que devemos ter respeito e compostura só para agradar os "heteros", eles não tem respeito e compostura quando se beijam no shopping ou se agarram no ponto de ônibus. E o que você disse é mais do que certo, as leis relacionadas ao pudor estão aí para todos, mas elas não são assim aplicadas, são?

Olha, pela "rasura" do teor mais uma miguxa mala-mada querendo empurrar guela abaixo uma heteronormatividade da qual ela é a maior vítima, se tem algo do qual GAYS, BICHAS, MARICONAS, RAINHAS DO VAPOR, SOBERANAS DO DARK-ROOM devem se dar ao direito é de exercer PLENAMENTE SUA SEXUALIDADE, fazer a fila andar... Não vou entrar no mérito do que é promiscuidade já que esse conceito, como qualquer outro é muito pessoal, só acho que quem se coloca na posição de pedra é pq tem medo de ser vidraça... E não me venha citar Baudelaire que eu tenho ojeriza a toda e qualquer forma de pedantismo, principalmente o PSEUDOliterário.

Beees, quequéisso!!! A o prefixo HOMO quer dizer IGUAL, ou seja, sou igual a alguém que tenha o mesmo sexo; a palavra BICHA é um termo brasileiro que afetou profundamente a cultura gay e era para afrontar, apontar, caluniar. Nos anos 70 o movimento gay resolveu utilizar os termos homofóbicos para esvaziar o conceito agressivo. Essa estória (e não história) de classificar alguém com um ou outro nome é coisa atual, meio anos 90. Não importa se gay ou não, somos LIBERTÁRIOS ou conservadores. Marcuse apontou o controle político da sexualidade como meio de controle do social, controle da heterogeneidade (DIFERENÇAS) de manifestações de forma a manter as rédeas do poder (Eros e Civilização). Se temos os "alfas mais mais", os "betas" e "gamas", temos que tem o "selvagem" para estimular o desequilíbrio, pois somente este promove o crescimento (Admirável Mundo Novo). No TAO, a semente de um está inserida na plenitude do outro! ET VIVE LA DIVERSITÉ!

Comentar

Conteúdo relacionado