A desprofissionalização dos DJs e as exigências do mercado

Sempre dividi os deejays em duas categorias na hora de promover ou escolher os meus prediletos: os profissionais e os amadores. Aqueles que vivem deste ofício e buscam maior formação de um lado, e aqueles que fazem por mero hobby, passatempo ou complemento de suas rendas. Talvez por ver e viver a situação da profissão de jornalista, invadida por blogueiros e pessoas que acham que escrever notícias e criam uma marca online e acham que opinar é liberdade de expressão com garantia constitucional e não precisa de um diploma, sempre me identifiquei com os dramas que vivem os DJs amigos. Já tive convites para fazer um curso de Deejay e de produção musical e não fui adiante por achar que não poderia me dedicar por inteiro a mais uma carreira de forma séria. A realidade das duas profissões não anda fácil, é fato. 
 
Já manifestei aqui diversas vezes o que acho de DJs que apenas trocam CDs, agora nem mais isso, e apertam botões. DJs gatos e sem talento ou DJs que tocam para si ou para seu grupo de amigos. Temos agora algumas categorias a considerar: DJs produtores de eventos e promoters de baladas. Não vou criticar, cada um dá o seu jeito para sobreviver e faturar, mas o caminho evolutivo “natural” do DJ é passar para a produção musical, não vejo como ver com bons olhos o que vem ocorrendo: a música está sendo deixada de lado. Outra prática comum é o intercâmbio de DJs: você toca na balada que eu represento e sou promoter e você me leva para a sua onde você toca ou é promoter... 
 
Dia destes, discuti com um amigo acerca do The Week’s Got Talent. Ação de marketing para escolher o novo DJ da TW SP, que vai reunir 50 candidatos de todo o país na meca da cena eletrônica gay em São Paulo. O concurso é uma disputa entre DJs, serão eleitos online os vencedores de cada etapa. Apenas o vencedor das primeiras etapas terá os custos de deslocamento pago pelo concurso, ou seja, a priori todos tocam de graça e pagam suas passagens, depois os selecionados para as etapas finais já ganham o deslocamento. A minha discussão com o meu amigo foi que ele disse que era uma vitrine, que não era de graça, que era uma troca bem interessante. Ok, muitos DJs já fazem isso na surdina mesmo, faz parte.
 
Mas depois pensei... e se os clubes locais fizessem o mesmo (o que já está acontecendo), e promovessem concursos para escolherem um novo residente e retirassem mais 50 gigs do mercado... O meu amigo toca em um destes clubes e talvez ficasse sem tocar ou perdesse algumas datas fora pois os outros clubes também diminuiriam a sua demanda...  Questionei como depois o DJ vai querer cobrar para tocar se ele acabou de fazer um gig gratuito, desempenhando o mesmo trabalho. É a The Week, vale a pena, ele disse. Obviamente ele acredita que tem chance de vencer ou se promover mais. Espero que sim. O vncendor ganha um contrato de um ano com a agência de DJs da TW.
 
Alguns acreditam que para ser DJ hoje precisa ser modelo, ator, artista completo, ser popular, ser querido e promover as casas onde tocam. Isso se chama acúmulo de funções e eu acredito que não precisa virar um estresse se você tem qualidade no seu trabalho para qual é contratado. Voltando ao jornalismo, temos a figura dos blogueiros estrelas, super seguidos nas redes sociais, ou o lindo formador de opinião sem camisa do Instagram. Deixou-se de falar o que é preciso (função básica da Comunicação Social) para se comunicar o que se quer ouvir, o que irá promover mais amizades, ganhar mais curtidas. Espero que a profissão do DJ não aconteça o mesmo: que as pistas não virem uma batalha de egos, sem ética e compromisso, onde só tocam o popular e certeiro, onde a atitude vira sorrisos falsos, o pré-determinado e seguro impera, e a experiência de curtir uma noite para os clientes não vire a mesmice com músicas da rádio como era antes da profissão do DJ. Infelizmente, em algumas casas já é assim e ouvimos as mesmas músicas tocando três vezes durante a noite e o DJ virou RP.
 
A idéia deste texto não é a mesma do espancamento dos motoristas do Über mas uma reflexão. Vamos valorizar a missão e profissão do deejay, mostrar a mesma dedicação e empenho nos clubes onde são residentes, respeitar a profissão do coleguinha que vive disto e não desvalorizar ainda mais o mercado. E pensem no set, na pista, no cliente, pois esta é a função do DJ e não outra.  É preciso urgente organizar a profissão, formar um sindicato, para que haja um futuro nesta profissão e não seja uma brincadeira para muitos mal intencionados.
 
 

Tags: 




Comentários

Concordo plenamente que a

Concordo plenamente que a profissão deve ser organizada. Ainda não estou no mercado, mas estou me preparando fazendo faculdade de Produção de Música Eletrônica e faço Piano Erudito também. Apenas em formação e estudos, já investi quase 20 mil reais neste ano e em 2016 terei os mesmos gastos, sem contar livros etc. Ou seja, tocar de graça seria uma proposta mais do que indecente pra mim!

Comentar

Conteúdo relacionado