Blocos evitam músicas e marchinhas de Carnaval homofóbicas e machistas em nome do respeito

O Carnaval brasileiro é famoso por ser um tempo onde tudo é permitido, tudo é liberado. Como apresenta o antropólogo James Green em sua obra “Além do Carnaval”, esta é a única época do ano onde se é permitido ser, independente do que for. Entretanto, há uma recente e importante preocupação com o combate ao machismo e a homofobia nas marchinhas de Carnaval. Apesar dos discursos exaltados contrários à prática, em nome da tradição, alguns blocos de São Paulo e Rio de Janeiro já se pronunciaram contra as marchas.
 
Artistas como Djavan e Ney Matogrosso se pronunciaram contrários a prática, dizendo que é um exagero. Mas não é porque é uma brincadeira ou que é tradição que as coisas, neste caso as marchinhas, não precisam ser responsabilizadas pelo papel opressor que elas têm. “Estão querendo mostrar serviço no lugar errado. O racismo está ligado a falta de formação, desde sempre”, afirmou Djavan em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”.
 
Mas e a educação não vem das artes, também? A educação não é um patrimônio cultural, Djavan?
 
Algumas das marchinhas pontuadas como problemáticas são: Maria Sapatão, Cabeleira do Zezé, O Teu Cabelo Não Nega, Ai, Que Saudades da Amélia e Mulata Bossa Nova. Cabeleira do Zezé e Maria Sapatão são duas que falam diretamente com a comunidade LGBT. "Olha a cebeleira do Zezé, será que ele é? Será que ele é? ... Bicha!" e "Maria Sapatão, Sapatão, Sapatão, de dia é Maria, e de noite é João", dizem as músicas que inspiram o bullying no resto do ano.

Há alguns anos a música "Atirei o Pau no Gato" recebeu uma versão politicamente correta, que não incentivava mais os maus tratos ao bichano e ficou assim: 

NÃO ATIRE O PAU NO GATO

Não atire o pau no gato (to-to)
Porque isso (Isso-Isso)
Não se faz (faz-faz)
O gatinho (nho-nho)
É nosso amigo (go-go)
Não devemos maltratar
Os Animais
Miau!
 
Qual a sua opinião sobre o assunto?
 
 
O Carnaval brasileiro é famoso por ser um tempo onde tudo é permitido, tudo é liberado. Como apresenta o antropólogo James Green em sua obra “Além do Carnaval”, esta é a única época do ano onde se é permitido ser, independente do que for. Entretanto, há uma recente e importante preocupação com o combate ao machismo e a homofobia nas marchinhas de carnaval. Apesar dos discursos exaltados contrários à prática, em nome da tradição, alguns blocos de São Paulo e Rio de Janeiro já se pronunciaram contra as marchas.
 
Artistas como Djavan e Ney Matogrosso se pronunciaram contrários a prática, dizendo que é um exagero. Mas não é porque é uma brincadeira ou que é tradição que as coisas, neste caso as marchinhas, não precisam ser responsabilizadas pelo papel opressor que elas têm. “Estão querendo mostrar serviço no lugar errado. O racismo está ligado a falta de formação, desde sempre”, afirmou Djavan em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”.
 
Mas e a educação não vem das artes, também? A educação não é um patrimônio cultural, Djavan?
 
Algumas das marchinhas pontuadas como problemáticas são: Maria Sapatão, Cabeleira do Zezé, O Teu Cabelo Não Nega, Ai, Que Saudades da Amélia e Mulata Bossa Nova. Cabeleira do Zezé e Maria Sapatão são duas que falam diretamente com a comunidade LGBT.
 
Qual a sua opinião sobre o assunto?
 

Categoria: 

Tags: 




Comentar

Conteúdo relacionado