Colunas

Memórias Ecanas com Daniel Ribeiro (Hoje Eu Quero Voltar Sozinho)

Eu sou estudante do sexto semestre de Relações Públicas na ECA-USP. Nesse semestre, eu e mais alguns amigos fizemos um trabalho chamado “Memórias Ecanas”, no qual gravamos uma entrevista com alguém que fez ou faz parte da história da nossa faculdade. Nós escolhemos gravar a entrevista com o cineasta Daniel Ribeiro, diretor do filme “Hoje eu quero voltar sozinho” e do curta “Café com Leite”, duas obras audiovisuais de sucesso e muito importantes para comunidade LGBTQ.



Gostosões picaretas: comprando seguidores

Qual a razão de ter milhares de followers que não estão interessados em você?
 
Imagine que você combinou de ir com os amigos curtir o próximo Carnaval em Salvador. Como você está solteiro e quer chamar a atenção da galerinha nos blocos, vai se dedicar ao máximo na dieta, pegar pesado na academia e, se necessário for, vai tomar alguma coisinha “bem bobinha” só pra fazer os músculos crescerem da noite para o dia. Só que na expectativa de azarar os 500.000 foliões anunciados nas redes sociais, apenas 500 gatos pingados comparecem ao evento. Já pensou que decepção?



Cura Gay

Tem muita gente precisando da Cura Gay.
 
Gente incomodada com a felicidade dos outros.
Gente que diz ter ordens divinas para criticar.
Gente que quer interferir dentro das quatro paredes alheias.
Gente que fica infeliz quando percebe que outros conseguem ter prazer em todos seus orifícios.
Gente com sede de ódio.
Gente intolerante.
Gente controlada por preconceitos.
Gente que não aceita outro Ser diferente.
Gente infeliz.
Gente incapaz de ser feliz.
 
 



10 táticas de dominação usadas por conservadores e fundamentalistas para espalhar a homofobia

A sensação é que os preconceituosos estão conseguindo seu objetivo de anular o avanço dos direitos LGBT no Brasil, mas não. Eles apenas estão aplicando táticas velhas e conhecidas de dominação, que passam a ilusão de vitória, mas que de fato oprimem e criam muito mal à psique da comunidade LGBT. Eles podem até ameaçar algumas conquistas por algum tempo e provocar uma sensação de retrocesso. Faz parte do jogo e resolvemos explicar bem para as pessoas entenderem as táticas usadas para diminuir a importância da comundiade LGBT.



A cura gay em uma sociedade doente e homofóbica

Ser homossexual não é fácil. Primeiro enfrentamos o preconceito de nós mesmos, quando nos percebemos diferentes. Crescemos ouvindo que somos pecadores, satânicos, destruidores de lares, pervertidos, doentes, pedófilos, entre outros adjetivos que nenhuma criança deveria ouvir. Negamos ser aquilo que querem que sejamos por anos até percebermos e aceitarmos que a nossa felicidade não é um ato egoísta mas um direito.



Anedota Fálica

Chama-se de anedota a narrativa breve, relativa a fato real ou fictício e não necessariamente hilária. Chamo de anedota fálica a narrativa breve, relativa ao falo (sinônimo de pênis ou pinto) e, consoante a sensibilidade do leitor, risível, burlesca, tola, de mau gosto, brejeira, inútil ou como queira cada um qualificá-la: ela admite todos os adjetivos e é passível de valoração por distintas sensibilidades. Pretendo que esta seja edificante, na medida em que se presta a motivar reflexões.
O seu protagonista, chamo-o de Varão, por tratar-se de homem.



Sarados & Rejeitados: A cilada do corpo perfeito

Se em algum momento você já foi demitido de um emprego; se alguém resolveu fazer as malas e abandonar uma história que, supostamente, seria para sempre; ou, talvez pessoas do seu convívio se afastaram por divergência de opiniões, familiares lhes deram as costas porque você decidiu ser você mesmo... bem-vindo ao clube dos rejeitados. Fique à vontade. Aceita um café? 
 
Sem açúcar, claro. Porque a dieta deve ser prioridade. O importante é estar em forma, com os gominhos riscando a barriga, vai que o príncipe encantado aparece.



A inveja que rola no meio

Rola muita coisa no meio, mas a falta de r*la pode, também, ser uma das explicações para a infelicidade de muitos. A escassez de amor, de sentir alegria pelo próximo, tem feito a bandeira colorida passar vergonha. Nas redes e nas rodas sociais é aquela disputa cansativa o tempo todo: o mais lindo, o mais sarado, o mais rico, o maior pegador, o casamento mais perfeito/o solteirão mais cobiçado, o mais viajado; o partido político que rouba menos...



Páginas