Últimas Notícias

Professor gay faz vaquinha depois de ter vídeo erótico vazado e perder emprego

Um professor do ensino médio de uma escola de Little Rock, no Arkansas, EUA, teve um vídeo íntimo, onde praticava sexo consensual com outro homem, postado no site da escola para que todos os alunos, profissionais e pais pudessem acessar. Aos 29 anos, Brian Cody Bray perdeu o seu emprego na Maumelle Charter High School depois que um hacker conseguiu acesso aos seus arquivos do Drop Box, e-mail e outras redes. 
 
Ele estava em casa quando um membro do quadro administrativo da escola o telefonou informando sobre o vazamento do vídeo.



13 de fevereiro: “Envolva seu Amor!” Dia Internacional do Preservativo

A AIDS Healthcare Foundation (AHF) é considerada a maior organização de combate ao HIV do mundo, presente em 35 países, e celebra amanhã, 13 de fevereiro, o Dia Internacional do Preservativo. Mais uma vez, o objetivo é promover ações que incentivem a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), HIV e gravidez não planejada com a distribuição gratuita de camisinhas e a realização de debates e palestras sobre sexo seguro em mais de 31 países ao redor do mundo, incluindo os Estados Unidos.



Teatro: “Amorexia” mistura bizarro e humor para falar das relações humanas em um louco cabaré

Na próxima semana reestréia em Curitiba no Guairinha o espetáculo Amorexia, do diretor Thadeu Peronne. A mega produção impressiona em todos os aspectos e choca por abordar temas polêmicos.
 
As relações de amor, desejo e convivências na sociedade, temas contemporâneos abordados pela peça que abusa do show de horrores e se apropria do Teatro de Vaudeville e do Surrealismo. Nada é óbvio e previsível no espetáculo que levará novos artistas convidados a cada sessão.



Taxista preconceituoso do Rio de Janeiro é excluído de aplicativo 99Taxis

Era terça-feira de carnaval, 2h da manhã, e Rogério (nome fictício), 34, pedia um táxi por um app próximo à Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro, logo após sair da folia no Bloco Bunytos de Corpo. Acompanhado de um homem, ambos pegaram o táxi, só não sabiam que aquela corrida seria desagradável para os dois. Vítimas de homofobia, denunciaram o taxista no programa Rio Sem Homofobia e no aplicativo 99Táxis, de onde haviam feito o pedido.



Itália discute legalização do casamento gay e Igreja retira apoio aos conservadores

A Itália é o único país da Europa Ocidental que ainda não conta com uma legislação específica que autoriza o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. O projeto de lei está em pauta na nação há algum tempo, com plebiscitos, e grupos organizados indo às ruas protestar tanto contra, quanto a favor do projeto de lei. Vale lembrar que Roma é a sede principal da Igreja Católica no mundo e, também, um centro de conservadorismo dentro do país, o que dificulta muito o avanço nas discussões.



Por que as mulheres hétero amam os gays?

Você já deve ter percebido que mulheres heterossexuais e homens gays geralmente se tem uns aos outros como amigos próximos. Apesar dos discursos comuns, e preconceituosos, de que isso acontece porque os gays se identificam mais como mulher e, assim, falam sobre os mesmos assuntos que elas, pesquisas e livros têm mostrado que essa ideia é uma hipótese facilmente refutável.



“Nunca quis usar rosa” diz modelo trans que será capa da Men’s Health Alemanha

Benjamin Melzes é um modelo fitness alemão de 27 anos que está chamando a atenção de todos por ter vencido o concurso para ser capa da edição de Abril da Men’s Health da Alemanha, o primeiro do país. Nascido Yvonne, ele começou a transição física aos 23 anos e conta que a oportunidade de ter sua história contada na revista representa uma chance para ajudar pessoas que também vivem a complexidade de ser transgênero em qualquer lugar do mundo. 
 
Quando criança, ainda Yvonne, sabia que odiava rosa, um dos símbolos supremos sobre ser menina.



Após incidente de preconceito, programa Conte Conosco se tornou importante canal antidiscriminação na UFPR

A Universidade Federal do Paraná é uma instituição centenária reconhecida por sua educação de qualidade. Entretanto, nesses mais de 100 anos, a universidade contou poucas vezes com auxílio efetivo às vitimas de discriminação e violência de gênero dentro dos seus campus. Os coletivos LGBTs e feministas relatam que a mobilização geralmente surge por parte dos estudantes e que, dificilmente, a UFPR oferece alguma resolução para os casos.



Páginas