Últimas Notícias

Após incidente de preconceito, programa Conte Conosco se tornou importante canal antidiscriminação na UFPR

A Universidade Federal do Paraná é uma instituição centenária reconhecida por sua educação de qualidade. Entretanto, nesses mais de 100 anos, a universidade contou poucas vezes com auxílio efetivo às vitimas de discriminação e violência de gênero dentro dos seus campus. Os coletivos LGBTs e feministas relatam que a mobilização geralmente surge por parte dos estudantes e que, dificilmente, a UFPR oferece alguma resolução para os casos.



Gatos Olímpicos: Conheça os belos atletas da natação brasileira

A natação é um esporte privilegiado, pois além de sua prática ser bastante agradável, principalmente no Verão, ela modela o corpo, aumentando os ombros e garantindo um bom porte físico. Por esse motivo, a equipe olímpica brasileira de natação está repleta de gatos prontos para cair na piscina apenas de sunguinha, ou bermuda, marcando ainda mais o shape. 
 
O Brasil é um país que tem bastante tradição no esporte. Em Pequim, 2008, César Cielo conquistou um bronze e um ouro para o país verde e amarelo.



Pesquisa revela que um a cada dois homens não se considera 100% heterossexual

Os homens estão abrindo suas mentes para novas sexualidades. Homens exclusivamente heterossexuais não representam mais a maioria, pelo menos não entre as gerações mais novas. Um pesquisa realizada pelo YouGov entrevistou cerca de 1.630 jovens britânicos de até 24 anos e descobriu que 1, em cada 2 homens, não se considera 100% heterossexual.
 
A pesquisa levou em consideração a escala da sexualidade, inventada em 1940, por Alfred Kinsey. Nela, o número 0 representa que a pessoa é 100% heterossexual, enquanto o número 6 garante uma sexualidade 100% voltada para a homoafetividade.



As melhores respostas para as piores frases que todos os gays ouvem durante a vida

A Lorelay Fox, uma drag queen babadeira de Sorocaba que ganhou bastante notoriedade depois que integrou o quadro do programa Amor & Sexo, liberou um vídeo no canal do Para Tudo que fala sobre a típica mania dos heterossexuais em tachar os gays de engraçadinhos, como se nos restringíssemos a comediantes de stand up comedy. O discurso de Lorelay rendeu um bom debate na internet e, para dar a nossa contribuição, a Lado A selecionou nove frases que gays estão cansados de ouvir e damos algumas respostas pra elas. Confira:
 
“Você é gay? Gente, eu adoro vocês.



A falta de união entre os gays

Você já deve ter ouvido muito gay estereotipando outros gays ou falado mal de trejeitos e de pessoas que são do “meio”. O primeiro pensamento que vem na sua cabeça é: “são esses caras enrustidos que se dizem discretos e não assumem quem são”. Veja só, você também está perpetuando preconceitos e estereótipos. A realidade é que a comunidade gay, mais além a comunidade LGBTQ, encontra-se em descompasso. Falta sincronia, falta união, faltam os gays levantando a voz e assumindo o coro, as pautas e as causas em conjunto. Falta termos orgulho de quem somos.



Pesquisa aponta que 41% dos gays já experimentaram relacionamentos abertos

Com tantas formas de se amar hoje em dia, é difícil ficar por dentro do que é poliamor, relacionamento aberto, monogamia, relacionamento triplo, relacionamento semiaberto etc. São diversas formas de viver um romance que fogem do modelo normativo da monogamia. Mas será que eles são de verdade mesmo? Uma pesquisa desenvolvida pela FS Magazine perguntou para jovens homossexuais da Inglaterra sobre suas experiências com relacionamentos abertos.



Deu positivo, e agora? Dicas para quem acabou de descobrir ser soropositivo

Os médicos relatam que um dos principais problemas, que afetam o progresso de doenças, é o medo que as pessoas têm em fazer certos exames, o que não permite um diagnóstico precoce. O medo é de eles atestarem positivo, como é para o caso do HIV, das hepatites, entre outros. O estigma que existe em cima desses diagnósticos ocasiona, justamente, a falta de busca de informações sobre como proceder caso você descubra que é soropositivo, por exemplo.



Por que não usar “violentado” ao invés de “sodomizado” nos crimes de “estupro” de contra homens?

Diversos textos jornalísticos que falam sobre abusos sexuais de meninos e homens, nos Estados Unidos e no Brasil, e principalmente em Portugal, optam por usar o termo “foi sodomizado” no lugar de sofreu estupro ou violência sexual. É o caso da notícia sobre o garoto mexicano que foi violentamente estuprado em 2006 e, depois de passar por dezenas de cirurgias para reduzir os danos, suicidou-se no ano passado por não aguentar a situação.



Páginas