Educação

Após petição, PUCPR cancela evento LGBT em Londrina

Uma petição gerada em protesto contra a Semana LGBT da PUCPR alcançou a marca de 11,5 mil assinaturas e a universidade optou pelo cancelamento do evento que estava  “em desalinho com os princípios católicos da instituição”. O encontro estava marcado para os dias 12 e 14 de setembro, em Londrina/PR, e gerou revolta nos movimentos católicos ligados à universidade.



Pesquisador gaúcho defende dissertação de mestrado sobre potencial pedagógico das Drag Queens montado

Quem nunca passou por uma situação de nervosismo ao apresentar algum trabalho da escola, faculdade ou mestrado? Agora, imagine fazer a defesa do seu mestrado montado de drag queen. O pesquisador Iran Almeida Brasil, graduado em artes visuais, mestrando em Educação e Artes na Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, passou por isto e venceu.



Crianças viadas: por que a sociedade tem tanto medo do fim dos rótulos de gênero?

Desde que o termo criança viada entrou no vocabulário popular, depois do sucesso do tumblr (http://criancaviada.tumblr.com/ ) criado pelo jornalista Iran Giusti em 2012, se tornou comum usar a expressão para descrever crianças que apresentam comportamentos que não se encaixam nos papéis tradicionais de sexualidade e gênero. Hoje descontinuado, as fotos do site eram todas enviadas pelos próprios visitantes que, ao crescer, se descobriram gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e héteros. Sim, hetéros!



Disneyland Paris rejeita menino que queria participar do "Dia de Princesa"

Quem nunca ouviu a famosa frase de Walt Disney, "se você pode sonhar, você pode fazer". Lamentavelmente esta premissa foi ao chão, no momento em que a Disney de Paris destruiu o sonho de Noah, 3 anos, de participar do dia de princesa. 
O evento conta com sessões de maquiagem, cabeleireiro e figurino, onde as crianças se fantasiam como sua princesa favorita, e a Disney faz de tudo para os pequenos se sentirem realmente como uma princesa.
 
Mas, na realidade o que aconteceu passou longe de ser um sonho.



Educação: No combate aos preconceitos, universidades oferecem núcleos para estudos de gênero e sexualidade

Para diminuir a violência contra as minorias, a arma mais poderosa é a Educação, pois ela é elemento de transformação social que prepara as futuras gerações para lidar com respeito e tolerância com as diferenças. Algumas instituições de ensino superior oferecem grupos e oficinas para que o conhecimento acerca da diversidade se espalhe para além das matérias da grade curricular.



Universidade de Stanford lança curso de liderança em Negócios para a Comunidade LGBT

A Escola de Negócios de Stanford é a primeira dos Estados Unidos à oferecer um curso de liderança voltado exclusivamente à comunidade LGBT. Criado em 2016 e co-dirigido por Tom Wurster e Sarah Soule, o programa surgiu após constatarem a ausência de  pessoas LGBT no alto escalão das empresas, o C-Level. Situada em Palo Alto, na Califórnia, região encubadora de tecnologia. A proposta do curso é fazer com que líderes entendam como a diversidade pessoal pode colaborar para a execução de tarefas de trabalho.



Projeto “Escola Sem Partido” quer banir discussão de orientação sexual e de gênero e causa conflito em Curitiba

O projeto “Escola Sem Partido” voltou a criar polêmica na terça-feira da semana passada (15/08) em Curitiba. Enquanto o projeto era apresentado aos vereadores dentro da Câmara, grupos se enfrentavam do lado de fora. O texto, que já está em sua 3ª versão, sempre teve como representantes os evangélicos. Em 2014, com autoria de Carla Pimentel (PSC), que é pastora, o projeto fracassou na própria Câmara. Em 2015, o projeto foi repaginado por 13 deputados, a maioria evangélicos, e foi apresentado a Assembleia, porém também foi barrado.



Professor primário canadense se monta de Drag para ensinar tolerância para crianças

Um professor de jardim de infância canadense está combinando suas performaces com educação e é algo incrivelmente inspirador. O professor John Paul Kane acredita que é maravilhoso  juntar seu amor por trabalhar com crianças com seu talento. "Eu sempre fui muito criativo e dramático. Há apenas uma espécie de mágica na transformação, eu ainda sou eu ". O educador explica que ele espera quebrar o estigma em torno da cultura LGBT e eliminar a homofobia nas gerações futuras e leva sua performance por toda a América do Norte.




Empoderamento: até aonde vai sem configurar uma nova opressão

Em recente matéria publicada no Jornal da USP, surge o debate sobre termos contemporâneos em assuntos que dizem respeito à representatividade e socialização de pessoas consideradas minorias. A publicação do dia 21 de agosto de 2017 traz uma importante reflexão baseada nos estudos do professor e membro da Comissão de Direitos Humanos da Universidade de São Paulo (USP), Ricardo Alexino Ferreira. 




80% dos brasileiros apoiam discussão de gênero e orientação sexual nas escolas

Uma pesquisa do Ibope encomendada pela instituição Católicas pelo Direito de Decidir, realizada em fevereiro e divulgada esta semana, aponta que pais e alunos discordam da tentativa de conservadores de excluir  temas como discussão de gênero, orientação sexual, métodos contraceptivos, entre outros, das escolas.  Entre os pesquisados, apenas 9% acreditam que a educação sexual não deve ser abordada nas escolas. “É uma questão civilizatória reconhecer que pessoas vivem sexualmente de forma diferente”, diz Regina Soares, da Católicas pelo Direito de Decidir.




Liminar do STF suspende lei de Paranaguá que proíbe discussão de gênero e orientação sexual nas escolas

“Não tratar de gênero e de orientação sexual no âmbito do ensino não suprime o gênero e a orientação sexual da experiência humana, apenas contribui para a desinformação das crianças e dos jovens a respeito de tais temas, para a perpetuação de estigmas e do sofrimento que deles decorre. Por óbvio, tratar de tais temas não implica pretender influenciar os alunos, praticar doutrinação sobre o assunto ou introduzir práticas sexuais.



Simpósio de Diversidade Sexual em Maringá gera celeuma e pedido de informações

Só faltou a ala conservadora pedir uma CPI para averiguar o Simpósio de Educação Sexual que ocorreu na UEM - Universidade Estadual de Maringá, em abril. Depois que imagens publicadas no site da Universidade chamam atenção por mostrar cenas de uma performance artística foram publicadas em outros sites esta semana, com ponderamentos desmedidos, por quem nem assistiu ao espetáculo, conjecturando que a universidade estaria abusando do seu papel educativo.



App catarinense busca unir pessoa vivendo com HIV Aids

A vida de quem se descobre portador de HIV sofre muitas reviravoltas e o preconceito e muitas dúvidas podem surgir ao longo da jornada. Um aplicativo inovador no Brasil chamado Posithividades vem para preencher uma lacuna na comunicação e prevenção. Por meio de uma rede social, o app traz publicações, notícias, chat, contatos e até um guia médico. Idealizado pelo estudante de administração Lucian Ambrós, a idéia foi premiada com o 1º lugar estadual (SC) no Desafio Universitário Empreendedor do SEBRAE, e ficou entre os 10 melhores projetos do Brasil este ano.




Alunos fazem Mini Parada na Universidade Positivo para lacrar semana especial

Alunos do curso de Comunicação Social da Universidade Positivo (UP), em Curitiba, realizaram no campus principal da instituição, no Ecoville, uma semana inteira de conversas com militantes sobre homofobia. A "Semana Contra a Homofobia" reuniu convidados que falaram a alunos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda sobre experiências e conceitos e o evento foi encerrado com duas manifestações pedindo o fim da homofobia.



MEC retira menções a identidade de gênero e orientação sexual da base curricular nacional

O documento com as diretrizes da base de ensino para escolas públicas e particulares do país todo teve uma prévia apresentada aos jornalistas na última terça-feira, 04, onde três trechos faziam menção à identidade de gênero e orientação sexual. Entretanto, no documento protocolado ontem pelo Ministério da Educação, de forma discreta, os trechos haviam sido modificados, excluindo referências à sexualidade e gênero.
 
O documento foi entregue ao Conselho Nacional de Educação e foi oficializado na última quinta-feira, 06.



Páginas