Educação

Historiador e ativista LGBT é agredido em Minas Gerais por estudante da mesma universidade

Fabrício Marçal Vilela, de 26 anos, historiador e ativista LGBT, foi agredido verbal e fisicamente por outro estudante da universidade onde estuda. O agressor seria um estudante do curso de física na Universidade Federal de Uberlândia, no  câmpus de Ituiutaba, em Minas Gerais. Marçal saía de uma sorveteria acompanhado da irmã, que também é homossexual, quando encontroou o agressor Gustavo Henrique Palazzo, no último sábado, dia 20 de janeiro.




60% dos estudantes LGBT brasileiros não se sentem seguros nas escolas

A Aliança Nacional LGBTI, o Grupo Dignidade e outras instituições de apoio LGBT lançaram uma plataforma online sigilosa onde é possível fazer denúncias de discriminações sofridas nos estabelecimentos de ensino brasileiros. A iniciativa é resposta a uma pesquisa realizada no Brasil, entre os anos de 2015 e 2016, cujos dados apontam que 73% dos estudantes LGBTI já sofreram agressões verbais; 36% já foram agredidos fisicamente e 60% não sentem que a escola é segura para os LGBTI.




Após divulgação de recusa à rematrícula de aluna transgênero em Fortaleza, escola volta atrás

A Escola Educar SESC de Fortaleza, no Ceará, vinculada ao Sistema Fecomércio, rejeitou a matrícula de uma adolescente de 13 anos para o ano de 2018 porque a jovem é transgênero. Lara, que já estuda no colégio desde os dois anos de idade, foi convidada a se retirar da escola sob a alegação de que a instituição não poderia mais “atender às necessidades da aluna”. 
 
Mara Beatriz, mãe de Lara, denunciou a transfobia da escola pelo Facebook.



Igreja Anglicana orienta que escolas respeitem identidade de gênero e orientação sexual

Com o objetivo de diminuir os casos de bullying nas escolas, a Igreja Anglicana orientou que identidade de gênero e sexualidade sejam respeitadas nas escolas que administra. A igreja que predomina no Reino Unido levantou polêmica ao distribuir cartilhas sobre bullying nas quais constam orientações para que as crianças sejam livres para explorar “quem elas podem ser”. 



Série teen da Disney terá personagem gay pela primeira vez

O ator de Hollywood Joshua Rush está muito honrado por ter seu primeiro personagem gay na Disney. O jovem de apenas 15 anos de idade interpreta Cyrus Goodman, que vai contar sobre sua homossexualidade a seus amigos na segunda temporada da série que se chama Andi Mack. 
 
A atração começou a ser exibida no Brasil em setembro e é uma releitura do programa Lizzie McGuire, protagonizado por Hilary Duff em meados dos anos 2000. O episódio da revelação da homossexualidade de Cyrus será exibido em caráter especial, com duração de uma hora. 



Após petição, PUCPR cancela evento LGBT em Londrina

Uma petição gerada em protesto contra a Semana LGBT da PUCPR alcançou a marca de 11,5 mil assinaturas e a universidade optou pelo cancelamento do evento que estava  “em desalinho com os princípios católicos da instituição”. O encontro estava marcado para os dias 12 e 14 de setembro, em Londrina/PR, e gerou revolta nos movimentos católicos ligados à universidade.



Pesquisador gaúcho defende dissertação de mestrado sobre potencial pedagógico das Drag Queens montado

Quem nunca passou por uma situação de nervosismo ao apresentar algum trabalho da escola, faculdade ou mestrado? Agora, imagine fazer a defesa do seu mestrado montado de drag queen. O pesquisador Iran Almeida Brasil, graduado em artes visuais, mestrando em Educação e Artes na Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, passou por isto e venceu.



Crianças viadas: por que a sociedade tem tanto medo do fim dos rótulos de gênero?

Desde que o termo criança viada entrou no vocabulário popular, depois do sucesso do tumblr (http://criancaviada.tumblr.com/ ) criado pelo jornalista Iran Giusti em 2012, se tornou comum usar a expressão para descrever crianças que apresentam comportamentos que não se encaixam nos papéis tradicionais de sexualidade e gênero. Hoje descontinuado, as fotos do site eram todas enviadas pelos próprios visitantes que, ao crescer, se descobriram gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e héteros. Sim, hetéros!



Disneyland Paris rejeita menino que queria participar do "Dia de Princesa"

Quem nunca ouviu a famosa frase de Walt Disney, "se você pode sonhar, você pode fazer". Lamentavelmente esta premissa foi ao chão, no momento em que a Disney de Paris destruiu o sonho de Noah, 3 anos, de participar do dia de princesa. 
O evento conta com sessões de maquiagem, cabeleireiro e figurino, onde as crianças se fantasiam como sua princesa favorita, e a Disney faz de tudo para os pequenos se sentirem realmente como uma princesa.
 
Mas, na realidade o que aconteceu passou longe de ser um sonho.



Educação: No combate aos preconceitos, universidades oferecem núcleos para estudos de gênero e sexualidade

Para diminuir a violência contra as minorias, a arma mais poderosa é a Educação, pois ela é elemento de transformação social que prepara as futuras gerações para lidar com respeito e tolerância com as diferenças. Algumas instituições de ensino superior oferecem grupos e oficinas para que o conhecimento acerca da diversidade se espalhe para além das matérias da grade curricular.



Universidade de Stanford lança curso de liderança em Negócios para a Comunidade LGBT

A Escola de Negócios de Stanford é a primeira dos Estados Unidos à oferecer um curso de liderança voltado exclusivamente à comunidade LGBT. Criado em 2016 e co-dirigido por Tom Wurster e Sarah Soule, o programa surgiu após constatarem a ausência de  pessoas LGBT no alto escalão das empresas, o C-Level. Situada em Palo Alto, na Califórnia, região encubadora de tecnologia. A proposta do curso é fazer com que líderes entendam como a diversidade pessoal pode colaborar para a execução de tarefas de trabalho.



Páginas