homofobia

As ditaduras que nós apoiamos e fingimos que não existem

Fala-se muito no perigo de vivermos novamente uma ditadura algum dia no Brasil mas não percebemos que há, em alguma semelhança, mesmo que estejamos em um Estado Democrático, algumas ditaduras que nos impõem. Vivemos como se elas não existissem ou não nos tocassem. Há algumas ditaduras, novamente com o perdão da palavra, que são comuns a todos, como a ditadura do amor: que te impõe a idéia que de precisa de outra pessoa para ser feliz, ou ainda a ditadura da própria felicidade, que é preciso ser feliz e alegre sempre.



Caso de professor morto em Curitiba expõe crime comum contra não assumidos

Gabriel Mateus Belinski, 21 anos, atraiu o professor de Biologia da rede pública Flávio Ávilla, de 53 anos, até a sua casa no bairro do Boqueirão onde ele e um menor mataram o docente no último dia 06, terça-feira. O corpo foi encontrado às margens da BR 277, em São José dos Pinhais, na sexta-feira, três dias após o crime. Assassino e vítima viviam vidas duplas, expostas após o crime.  



Após homofobia em bar, ativistas fazem protesto com beijaço

O professor de inglês Diego Nunes, 27 anos, escolheu o Bar do Ceará, no Centro de Curitiba para tomar uma cerveja  quando ele e o companheiro foram hostilizado após trocarem um beijo. “Aqui não heim”, teria dito o atendente com um soco sobre a mesa em que estavam. Atônitos, os rapazes terminaram a bebida e foram embora. O fato ocorreu na noite desta segunda-feira, dia 05 de junho. O Bar fica próximo a Catedral de Curitiba com a igreja matriz em um extremo da rua e a boate gay mais tradicional da cidade na outra, a Cats Club.



Barbárie: Adolescente gay é violentado e morto em São Luís

Lucas Carvalho de apenas 17 anos, foi encontrado em uma trilha na região metropolitana de São Luis, Maranhão, na última quinta-feira, dia 1° de junho. Ele foi encontrado com marcas de facadas, degolado, apenas de cueca. Há indícios de violência sexual. O corpo foi encontrado próximo a uma UPA entre os bairros Divineia e Araçagy, em uma região de restinga que leva ao litoral.




A homofobia custa ao Brasil 7 bilhões de reais por ano, segundo a UNAIDS

De acordo com estimativas calculadas pela UNAIDS, a homofobia custa ao Brasil 2,3 bilhões de dólares por ano – o que daria mais de 7 bilhões de reais por ano pela cotação média de março de 2017. O custo da homofobia para cada país é calculado a partir da construção de um índice de homofobia, que considera aspectos de homofobia institucional (legislação) e homofobia social (aceitação da diversidade sexual).




Projeto de lei Dandara dos Santos quer tornar o LGBTcídio crime hediondo no Brasil

Após a comoção nacional da morte da travesti Dandara dos Santos, em Fortaleza, em fevereiro deste ano, que teve seu assassinato filmado pelos assassinos, o Projeto de Lei nº 7292, que combater esses tipos de crime de ódio. Apresentado pela deputada federal Luizianne Lins (PT-CE), o PL propõe alteração do Código Penal para prever o LGBTcídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio e coloca ainda o LGBTcídio no rol dos crimes hediondos, alterando disso, o artigo 1º da Lei nº 8.072/1990. 




Vídeo de Testemunhas de Jeová ensina crianças que gays não entram no paraíso

As crianças não nascem mas  aprendem a ser preconceituosas e um vídeo na internet mostra muito bem isso. O desenho direcionado para crianças feito por uma associação de estudo da Bíblia da igreja Testemunhas de Jeová, de Nova York, está causando polêmica. Em “um homem e mulher”, da série “Seja amigo de Jeová”, Sofia questiona a mãe sobre a família de sua amiga Clara, que tem duas mães.



Polícia divulga retrato de homem que jogou ácido em gay de Curitiba

A Polícia Civil divulgou nesta segunda-feira uma imagem feita por computador do homem que atacou o homossexual Cleverson, 40, na noite do dia 13 de maio, Domingo, em uma rua do Alto da XV, em Curitiba. O homem moreno usava boné e capuz na hora do atentado e, segundo a vítima, deferiu a frase “Então toma isso seu ‘viado’”, antes de jogar o ácido que queimou Cleverson por toda a parte superior de seu corpo. A vítima está internada no hospital Evangélico e não corre risco de morte mas pode perder o olho esquerdo que está com a visão comprometida.



Memorial: Direitos Humanos e LGBTs

Hoje é Dia Internacional e Municipal contra a homofobia, 17 de maio. Quando apenas em 1990 a Organização Mundial da Saúde deixou de classificar a variante da sexualidade homossexual como um transtorno mental.  O amor que não se pode dizer o nome, como descreveu Oscar Wilde, já foi pecado mortal, motivo para prisão, doença. Ainda hoje, em mais de 70 países do globo, a homossexualidade é crime, em cerca de cinco destes territórios ainda é passível de pena de morte. Assim como no Holocausto, hoje, há campos de concentração de homossexuais, com trabalhos forçados, tortura e assassinatos.



Rapaz gay é atacado com ácido e pode perder a visão em Curitiba

Um ataque homofóbico brutal está sendo investigado pelo setor de Vulneráveis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Curitiba. No último domingo, Cleverson, um homossexual de 40 anos, vendedor autônomo, foi alvo de um suposto assalto em que acabou banhado com uma substância que o levou a ser internado em seguida com queimaduras por todo o tórax. O rapaz está internado no Hospital Evangélico, com queimaduras de segundo e terceiro graus, e corre risco de perder a visão de um dos olhos.



Curitiba tem vigília contra a LGBTfobia na Santos Andrade

Em 17 de maio de 1990, a homossexualidade foi retirada do rol de doenças mentais da Organização Mundial da Saúde.  Infelizmente, ainda hoje, mais de 70 países condenam a homossexualidade como crime e em cinco deles com a pena de morte. No Brasil, mais de 300 assassinatos LGBTfóbicos apontam que é preciso ainda lutar muito contra o preconceito e o ódio à gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis. Por isso o dia 17 de maio também virou um dia de resistência.



Polícia russa prende cinco ativistas LGBT que entregariam abaixo assinado ao governo

Desde que foi noticiado mundialmente que a Chechênia mantém campos de concentração para homossexuais, a Rússia – que proíbe com uma lei antigay qualquer “propaganda” da homossexualidade, vem sendo alvo de protestos e críticas. Esta semana, a polícia russa deteve cinco ativistas, em frente à Procuradoria Geral da Rússia, em Moscou, que buscavam entregar uma petição contra as ações do governo da Chechênia, território russo independente.



Dono de Funerária dos EUA se nega a cremar corpo de idoso gay

Você já imaginou se uma Funerária desistisse de oferecer seus serviços, depois de tudo acertado, porque descobriu que o morto tinha sido gay em vida? Pois essa é uma história real e aconteceu no Sul do estado do Mississipi, nos Estados Unidos. Robert Huskey, 86 anos, era casado com John Zawadski antes de falecer em maio do ano passado. A família do morto contratou os serviços de cremação da Picayune Funeral Home. Estava tudo certo para a empresa agilizar o processo de cremação do corpo, só precisava da documentação de liberação.



8 homens são presos por organizar “festa gay” na Indonésia

A Indonésia sempre esteve nos radares dos Direitos Humanos pela forma que os seus regulamentos regionais punem mulheres e LGBTs. Depois dos dois homens condenados a 100 chibatadas na província livre de Aceh, foi a vez de um grupo de 14 homens serem autuados pela lei anti-pornografia do país e pelo crime de organizarem uma “festa gay”, na cidade de Surabaya.
 
O chefe da polícia local Shinto Silitonga explicou que os homens foram pegos em flagrante em um quarto de hotel da segunda maior cidade da Indonésia.



Casal gay de idosos carioca é espancado e expulso de vila onde moram

O engenheiro Flávio Miceli, 60 anos, e o funcionário público Eduardo Michels, 62 anos, envolveram-se em uma briga na vila em que moravam, na Tijuca, no Rio de Janeiro, na noite de 21 de abril, quando foram reclamar das festas constantes e o som alto. Segundo o casal, os moradores do residencial aproveitaram a discussão para agredi-los fisicamente e verbalmente por conta de suas orientações sexuais. Flávio ainda carrega as marcas no corpo do espancamento, sua cabeça não para de doer e ainda tem dificuldades para enxergar com um dos olhos.



Goleiro da Ponte Preta faz comentário homofóbico em entrevista ao vivo

O Goleiro de Futebol Aranha fez uma declaração homofóbica em uma entrevista ao canal SporTv após a derrota do seu time, Ponte Preta, para o Palmeiras pelo Campeonato Paulista na semana passada. O jogador, que teria sido questionado sobre o seu condicionamento físico pelo repórter, respondeu dizendo que tem repórter que gosta de homem e, por isso, fica atrás de jogador sarado. 
 
Mesmo com a derrota, o time se classificou para disputar a final do campeonato estadual. Entretanto, o goleiro, que não fez uma boa partida, saiu de campo com o semblante fechado.



Contas do Estado Islâmico nas redes sociais são tomadas por imagens gays

Mais de 250 perfis no Facebook e Twitter do Estados Islâmico foram alterados pelo hacker WachulaGhost, como se auto titula. Os perfis agora contam com imagens da bandeira arco-íris do Orgulho Gay e links para sites pornográficos. As alterações são uma retaliação pelo ataque à Balada Pulse, em Orlando, onde um terrorista ligado ao EI matou 49 pessoas e deixou 53 feridos. 
 
O hacker deu uma entrevista ao portal da CNN, onde revelou que recebe imagens fortes com ameaças de morte todos os dias, endereçadas pelo E.I.



Páginas