trabalho

Estudo aponta que 65% dos gays brasileiros já presenciaram homofobia no trabalho

Segundo um estudo realizado pela empresa de consultoria europeia OutNow, 65% dos homossexuais no Brasil já presenciaram situações de homofobia no trabalho. Os dados fazem parte do estudo “Brazil 2017 Report – Out Now Global LGBT2030 Study”, realizado no Brasil entre os meses de junho e julho de 2017 e que fará parte de um outro estudo, a nível mundial, que será concluído em 2018. 




Gerente do Itaú é demitido depois de postar fotos beijando o namorado

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região fez uma denúncia contra o Banco Itaú por demitir um funcionário por motivação homofóbica. Segundo o órgão de representação, o gerente demitido, que teve sua identidade preservada, era exemplar, sempre batendo metas, ganhando 10 prêmios por metas no período de um ano e seis meses que trabalhou lá. Ao voltar de férias, foi demitido após postar fotos beijando seu noivo. 
 
O gerente contou que já havia sido repreendido pelas roupas e ternos que usava que, segundo a empresa, eram inadequados para o cargo.



Sesc Rio é condenado em segunda instância a pagar dano moral após assédio moral e homofobia

A juíza Flávia Alves Mendonça, da 57ª Vara Trabalhista, já havia condenado a instituição privada sem fins lucrativos Serviço Social do Comércio do Rio de Janeiro, Sesc Rio, que é mantida por verba prevista em lei, por assédio moral e homofobia no trabalho sofrido por um auxiliar administrativo. A sentença diz respeito ao caso que envolveu o funcionário Jerry Correia Lavinas, que relatou ter sofrido preconceito da sua gerente, que tinha o hábito de humilhar profissionais que não correspondiam com suas expectativas.



20% das empresas brasileiras não contratariam homossexuais, diz pesquisa

Um estudo da empresa de recrutamento on line Elancers, aponta que 1 em cada 5 empresas não contrataria homossexuais, sobretudo para cargos executivos representativos. A pesquisa feita com 10 mil empresas, por meio de 2.075 recrutadores, a maioria mulheres, 75%, metade entre a idade de 26 e 35 anos, ou seja jovens, concluiu que o Brasil ainda está atrás de muitos países no quesito respeito ao trabalhador.



A homofobia mata e a homofobia no trabalho demite

O que é homofobia no trabalho? É o conjunto de ações e comportamentos recorrentes de aversão e rejeição à orientação homossexual no ambiente de trabalho. Essa não aceitação pode ser explícita ou velada. Independente das formas como a homofobia se manifesta no ambiente laboral, pois elas são muitas, sua continuidade de expressão vai afetando negativamente a autoestima do trabalhador homossexual que tende a ficar retraído, isolado e doente física e mentalmente.




Carrefour cria Guia da Diversidade e proíbe a homofobia, inclusive por motivo religioso

Os funcionários da empresa francesa de supermercados Carrefour no Brasil receberam este ano a cartilha Guia da Diversidade, com perguntas e respostas com objetivo da inclusão do tema LGBT entre seus colaboradores, onde há o capítulo “Como tratar pessoas LGBTs”. A empresa aderiu ao grupo que apoiou a cartilha da ONU “Construindo a igualdade de oportunidades no mundo do trabalho: combatendo a homo-lesbo-transfobia”, lançada esta semana, no Instituto Carrefour, e mostra que já está fazendo o dever de casa.




Obama assina portaria para banir discriminação contra gays no ambiente de trabalho

Agora é lei nos EUA. O presidente dos EUA Barack Obama assinou na manhã de hoje na Casa Branca uma normativa federal que proíbe a discriminação baseada na orientação sexual ou identidade de gênero no ambiente de trabalho. O ato teve direito a cerimônia especial e o presidente declarou: “Muitos de vocês trabalharam para ver este dia chegar. Hoje, nosso governo se torna um pouco mais justo”, declarou Obama aos convidados.




Ericsson Brasil terá que pagar R$ 90 mil de indenização a ex funcionário gay

Maximiliano Neves Galvão, 31, deve receber uma indenização da Ericsson Telecomunicações segundo decisão do Ministério do Trabalho, em ação movida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, São Paulo. A 5ª Vara do Trabalho condenou nesta quarta-feira a ré a pagar uma indenização de R$90 mil por danos morais, depois que o funcionário foi vítima de preconceito no ambiente e trabalho até ser demitido.