Homem que agrediu adolescente na fila do Mc Donald’s diz que agiu em legítima defesa

Redação Lado A 07 de Maio, 2018 11h42m

COMPARTILHAR

TAGS


O promotor de vendas Wenceslau dos Santos, filmado agredindo um adolescente na fila de uma lanchonete do MC Donald’s, em Recife, no dia 1º de maio, afirmou em comunicado que agiu em legítima defesa. A advogada do agressor, Isabel Mota, divulgou uma nota em que tenta esclarecer os fatos alegando que a ação do homem de 37 anos foi para defender a filha, uma criança de cinco anos.

Wenceslau disse por meio da nota que está sendo vítima de perseguição nas redes sociais. O promotor perdeu o emprego em que atuava há cinco anos e disse que já recebeu até mesmo ameaça de morte. O homem disse ainda que jamais teve qualquer intenção homofóbica e que a palavra “veado”, conforme aparece no vídeo, não foi proferida por ele e sim por outra pessoa.

O agressor alegou que cometeu o ato por impulso, na tentativa de  proteger a integridade da filha, e que qualquer outro teria feito a mesma coisa. A advogada afirmou que vai pedir mais imagens das câmeras de segurança do local para que tudo seja melhor apurado.

 

O caso
O jovem Pedro Henrique Lyra, de 17 anos, divulgou em suas redes sociais uma filmagem de quando foi agredido na fila do MC Donald’s, no bairro Boa Viagem, em Recife. O agressor, Wenceslau Santos, teve seu perfil do Facebook e Instagram invadido por inúmeros comentários de repúdio.

No dia 1º de maio a vítima aguardava para ser atendida na fila da lanchonete um pouco a frente de Wenceslau. O adolescente teria soltado um grito, imitando um bordão da cantora Mc Loma, que assustou uma menina de cinco anos, a filha do agressor que também estava acompanhado de sua esposa. No vídeo, Wenceslau aparece intimidando o rapaz, colocando o dedo em seu rosto enquanto gritava ofensas para depois segurar o jovem pelo pescoço e dar um tapa no ouvido.

Contido pelos presentes, o homem se mostrou descontrolado e ameaçou agredir uma mulher e um funcionário da lanchonete que tentavam afastá-lo do adolescente. Mesmo com o jovem pedindo desculpas pelo incômodo do grito, é visível que o homem continua as ameaças e o chama de “veado”, palavreado que Wenceslau negou na nota de defesa. Pedro Henrique precisou ser levado para fora do estabelecimento para que não ocorresse nova agressão.

 

Investigação
No dia da agressão o adolescente foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para a realização de exames de corpo e delito. Na sexta-feira, 4 de maio, os pais do jovem compareceram ao Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA) para prestar depoimento.

A Polícia Civil instaurou o inquérito em que Wenceslau irá assinar um Termo Circunstanciado, por considerar que o crime não seja passível de penas maiores. A advogada de defesa alegou ainda que a agressão não foi provocada apenas pelo grito do adolescente e que seu cliente recebeu inúmeras outras provocações.

No entanto, a lanchonete forneceu as filmagens das câmeras de segurança à Polícia Civil, conforme a própria advogada havia solicitado. As imagens retratam o ocorrido conforme as filmagens amadoras feitas por outro cliente no momento da agressão, e não comprovam que o adolescente tenha feito outro tipo de provocação além do grito.

 

Confira a nota de defesa de Wenceslau dos Santos

“Informações equivocadas estão sendo lançadas a respeito do Sr. Wenceslau dos Santos acerca do caso que ocorreu em um estabelecimento comercial localizado em Boa Viagem. Trata-se de um cidadão de bem, sem qualquer passagem criminal, empregado em uma empresa privada, que após reiteradas provocações por parte dos adolescentes, saiu em defesa de sua filha pelo constrangimento ocorrido.

Já é de conhecimento de diversas pessoas que aqueles adolescentes comumente geram confusões e fazem o uso de bebida alcoólicas que são compradas no estabelecimento sito à frente. Em momento algum o Sr. Wenceslau teve qualquer intenção de gerar conflito, realizando apenas defesa de uma menor, a sua filha.

Ao contrário do que está sendo narrado, não foi um simples grito que gerou a situação, inclusive as imagens serão disponibilizadas pelo estabelecimento a fim de comprovar o episódio narrado. Situação essa que o mesmo lamenta, vez que está recebendo ameaças de morte, bem como sua esposa e seus dois filhos que estavam presentes no momento da ocorrência.

Além dos prejuízos de ordem moral, o mesmo perderá seu emprego por só estar sendo veiculado um lado da história. ‘Lamento que a situação tenha chegado a tal ponto, o meu ato foi instintivo e em legítima defesa por uma situação completamente desrespeitosa criada por aqueles adolescentes. Se eu pudesse voltar atrás teria controlado melhor a situação, por isso peço desculpas pelo ato. Ocorre que sou um pai e garanto que qualquer um em meu lugar também tomaria as atitudes necessárias. Além disso quero deixar claro que jamais tive meu nome relacionado a qualquer atitude criminosa ou homofóbica. As pessoas falam ser ter a mínima consciência do que podem causar. Eu e minha família estamos vivendo um verdadeiro inferno com as informações falsamente divulgadas. Em momento algum realizei qualquer comentário ligado a homofobia, inclusive no vídeo a pessoa que utiliza o termo veado é um terceiro’, disse o Sr. Wenceslau”.

Vídeo da agressão

 

 

Homofóbico agride jovem na fila do Mc Donald’s e causa indignação na internet

 

Redação Lado A

SOBRE O AUTOR

Redação Lado A

A Revista Lado A é a mais antiga revista impressa voltada ao público LGBT do Brasil, foi fundada em Curitiba, em 2005, pelo jornalista Allan Johan e venceu diversos prêmios. Curta nossa página no Facebook: http://www.fb.com/revistaladoa

Banner Marcação 1000x220

COMPARTILHAR

TAGS


COMENTÁRIOS