A doença do preconceito

Allan Johan 03 de Março, 2020 10h57m

COMPARTILHAR

TAGS


Os grupos se reúnem por pares, um fato científico de sobrevivência. Não há espécie que prefira outra em detrimento à sua. Coloque peixes de diferentes variedades em um aquário, e se tiver mais um deles, eles se agruparão por variedade. Notadamente o homem, mesmo com todo seu grau de intelectualidade, age de forma similar. É um resquício da evolução, agimos como em perigo, nos separando por pares, por similaridade. É um instinto de sobrevivência, mas esquecemos que pertencemos todos a mesma espécie, o que varia é a cor da pele ou o modo de pensar.

Mas voltando aos grupos, temos as afinidades, que também nos unem. E as pessoas tendem a formar grupos por afinidades. Ainda, classes sociais, esporte favorito, inclinação política… Embora todos nos relacionamos com pessoas de todos os outros grupos, é mais confortável e previsível confiar nos pares. É uma questão que surge com o espelho social, em que se atribui a cor de pele, classe social, orientação sexual ou afinidades o preceito de que estas pessoas nos entendem, vivem as mesmas dores, tem a mesma moral que a nossa.

Claro que isso tudo é uma grande bobagem. Mesmo que seja um instinto, o preconceito é baseado em desinformação. É uma reprodução social, uma auto imagem transformada em ação. Andar entre pares não é garantia de nada, apenas você está abrindo mão de vivenciar a diversidade do mundo e reforçando – e o ser humano com auto estima baixa precisa de reforço e validação – as suas escolhas.

Se você cresceu em uma casa frequentada por parentes e amigos de apenas um tipo, viu seus pais valorizarem a religião, raça, nível social, educacional, deles, obviamente você crescerá com este valor imputado no seu subconsciente. Será um adulto que dificilmente sairá da falsa bolha criada. Por isso a universidade é um ambiente tão maravilhoso quando proporciona a diversidade, ou o ambiente de trabalho, ou mesmo a escola.

Família é tudo. Mas para alguns isso não faz sentido algum. E todas as nossas afirmações são conceitos individuais que valem apenas e exclusivamente para a nossa vivência. É como o horóscopo que traça perfil para cada signo, bobagem. Pode ser que faça sentido, até faz, mas quando acreditamos nisso. E quando acreditamos em algo temos por convicção que é uma verdade, e aí nascem os preconceitos, a exclusão e a tendência de defender o conceito que compramos. Entenda que o outro não teve ou não aproveitou as mesmas vivências que você, nunca julgue.

Tudo na vida é subjetivo. Devemos considerar a vivência e o ponto de vista. Cada um de nós vê e sente o mundo em intensidade diferente. Não podemos entender o outro, não podemos prever a nossa existência. Livre-se dos preconceitos e mergulhe no mundo, nos grupos, na vida. Só se vive uma vez, e viver quer dizer celebrar a existência e a diversidade que nos rodeia. Fuja da bolha.

Allan Johan

SOBRE O AUTOR

Allan Johan

O jornalista Allan Johan é fundador da Revista Lado A, voluntário do Grupo Dignidade e atualmente é Coordenador de Diversidade Sexual da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Banner Marcação 1000x220

COMPARTILHAR

TAGS


COMENTÁRIOS